8 de set de 2016

MINAS E O MUNDO - PAMPULHA GANHA ESCULTURA DE ÄNGELA GEO

escultura em aço inox, assinada por Ângela Geo,
será inaugurada no Aeroporto da Pampulha – obra contempla
acessibilidade para pessoas com deficiência visual
Fotos: Nélio Rodrigues

Acontece no dia 19 de setembro, segunda-feira, às 17h, nos Jardins do Aeroporto da Pampulha (Praça Bagatelle, 204 – Aeroporto – BH – MG), para convidados, a inauguração da escultura “Minas e o Mundo”, da artista plástica Ângela Geo. Executada em aço inox, a obra que será doada a Infraero, integra projeto sob curadoria de Haydée Muglia.

MINAS E O MUNDO
“O Projeto “Minas e o Mundo” consistiu na execução de uma escultura em aço inox, com uma esfera perolada, nas dimensões de 4,05 m X 2,90 m X 2,75m, através da Lei de Incentivo à Cultura – Lei Rouanet, pela artista plástica e designer de jóias, premiada internacionalmente, Ângela Abdala Geo. De um brinco (objeto de adorno), a artista ampliou nas dimensões acima citadas um Objeto Escultórico, incluindo na montagem outro de menor proporção, para ser tateado pelo deficiente visual, quando poderá ler em braile todas as informações do Projeto. Ela consegue agora chegar a um grande público: os passageiros do Aeroporto “Carlos Drummond de Andrade”, os visitantes e moradores do bairro Pampulha. A obra encontra-se exposta na Praça Bagatelle, nº 204, e doada à Infraero”
Haydée Muglia
Curadora do Projeto

OLHAR INCLUSIVO
A concepção da escultura, sob o olhar de Ângela Geo, contemplou a acessibilidade. Disléxica, a artista lembra que, através desta experiência, contou até mesmo com exclusão no ambiente escolar, quando criança. Ela não abre mão de utilizar aspectos que envolvam os sentidos, sempre acessíveis, em forma, material, texturas, experiências inusitadas ou não.
Desta vez, Ângela Geo refletiu sobre o fato de que um cego não consegue fazer a leitura de uma obra de arte, que tenha grandes proporções.  A artista fez, então, uma réplica miniatura da escultura para contemplar o público com Deficiência Visual, objetivando a leitura real da obra.  Nesta versão, há uma placa, com inscrição em Braille, onde consta a ficha técnica do Projeto “Minas e o Mundo”.  A placa traz, também, em Braille a frase “Imagens, ritos, mitos, símbolos, tudo origem de um ponto
Ângela defende que toda escultura deve ter uma replica acessível à pessoa com deficiência visual

ATELIER FAZENDA
Vivendo há quase dois anos em Esmeraldas/MG, em sua Fazenda Atelier, se diverte, seriamente, imprimindo inúmeras cores, formas e plataformas variadas,  em suas atuais vivências artísticas que já estão envolvendo a comunidade local.  “Este atelier é uma caixa de lápis de cor”, brinca. Mergulhada e entregue ao universo artístico em profusão de possibilidades, cria sua maneira leve e irreverente de fazer arte. 

PAMPULHA CONTEMPORÂNEA
“A instalação da escultura “Minas e o Mundo”, de autoria de Ângela Geo, no Espaço/Jardim do Aeroporto, Praça Bagatelle, ocorre no momento histórico em que é concedido pela UNESCO o título de Patrimônio Cultural da Humanidade ao Conjunto Arquitetônico da Pampulha. Ontem, como hoje, sejam pelas mãos mestras de Portinari, Ceschiatti, Burle Marx e Niemeyer, ou pelas criações contemporâneas, a arte urbana cada vez mais se impõe, necessária e útil, à formação cultural do povo. “Minas e o Mundo” se atrela a este saudável movimento, sendo fruto do trabalho de Ângela Geo em vários campos, da criação, seja no desenho, na pintura ou no exercício de designer de jóias. Mas, nesta concentração de esforços múltiplos, o que realmente ascendeu o ímpeto de uma atividade escultórica foi a militância na idealização de jóias. Do micro ao macro, da leveza ao peso e ao volume, a travessia foi suave. E, ao final, venceram a sensibilidade e o lirismo: arcos como asas que se abraçam sobre a esfera-mundo. Abordagem delicada ao finito e ao infinito, ao micro e ao macro, a Minas e ao mundo.”
Celma Alvim
Crítica de arte, membro da Associação Brasileira de  Críticos de Arte (ABCA) e da Associação Internacional de Críticos de Arte (AICA)

ÂNGELA GEO
Mineira, da cidade de Belo Horizonte (MG), Ângela Geo (1966) se destaca pela sua sensibilidade múltipla. Com estilo experimentalista, navegou por diversas técnicas artísticas, entre o desenho, pintura, escultura e o design de jóias e utilitários. Na arte dos registros literários, produziu, até a presente data, mais de 300 livros. Suas obras já percorreram diversas galerias do país, e sua fama atingiu o hall internacional quando realizou uma exposição no famoso World Trade Center Toronto, no Canadá. Entre suas mais recentes performances artísticas, está a exposição MEME, realizada em 2014, no Museu Inimá de Paula, em Belo Horizonte.

Desde jovem, tenho fixação pela arte, que me acompanha e vasculho o mundo da arte.  Aos 15 anos,  já tinha meu home atelier. Passei por vários conflitos internos acerca da minha condição de ser ou não, uma artista. Até entender que a arte nascem em nós e vive conosco 24 horas por dia.”
Ângela Geo

MINAS E O MUNDO
Escultura de Ângela Geo
Inauguração
19 de setembro, segunda-feira, às 19h
Jardins do Aeroporto da Pampulha
Praça Bagatelle, 204 – Aeroporto – BH – MG
PARA CONVIDADOS
Patrocínios: CEMIG, Hospital MaterDei e COPASA

Nenhum comentário: