25 de set de 2015

CHICO NUNES CELEBRA 65 ANOS COM PROGRAMAÇÃO ESPECIAL


Debates, apresentações artísticas e até entrega de prêmio marcam as comemorações. O premiado músico Toninho Horta é a atração no dia do aniversário, 30 de setembro



O Teatro Francisco Nunes, um dos palcos mais tradicionais da cidade de Belo Horizonte completa, no dia 30 de setembro, 65 anos de história. Para celebrar este aniversário, a Fundação Municipal de Cultura preparou uma série de eventos especiais com ações educativas (encontros profissionais e debates) além de apresentações de dança, teatro e música. O auge da comemoração será a apresentação de Toninho Horta e banda, num show criado especialmente para a data.

Compositor, arranjador, produtor musical e guitarrista, Toninho Horta sobe ao palco do Teatro Francisco Nunes no dia 30 de setembro, às 19h, para um show mais do que especial. Junto com sua banda, o músico preparou uma apresentação em homenagem ao teatro, com um repertório diversificado entre canções originais e clássicos da MPB. Serão interpretadas também canções do Clube da Esquina, em homenagem ao Fernando Brant e a famosa canção Moon River. “Todos os meus convidados estão entusiasmados em juntar este grupo de cordas dedilhadas acompanhados de bateria e da voz experiente de Carla Vilar. Esperamos que o público presente venha prestigiar a nossa música, dedicada à história do Teatro Francisco Nunes e do público Belo-horizontino”, afirma Toninho Horta.

O show de Toninho Horta em homenagem ao Chico Nunes terá entrada gratuita. Os convites serão distribuídos no dia anterior ao evento (29 de setembro), das 14h às 17h, na bilheteria do teatro. Cada pessoa poderá retirar até 2 convites.

“O Chico Nunes é um símbolo da história do teatro mineiro e de resistência dos artistas. Comemorar 65 anos, totalmente restaurado e com sua vocação pública definida, são grandes motivos de celebração”, afirma Leônidas Oliveira, Presidente da Fundação Municipal de Cultura.

Programação de aniversário tem início nesta semana
As celebrações do aniversário do Chico Nunes têm início nesta sexta-feira, dia 25, com o lançamento do “Prosa Encena”, projeto em parceria com a Escola de Belas Artes da UFMG, a Escola Livre de Artes/Arena da Cultura, o Teatro Universitário (TU) e o Centro de Formação em Artes da Fundação Clóvis Salgado (CEFAR). O projeto objetiva resgatar o importante lugar que o Teatro Francisco Nunes ocupou, desde sua inauguração, para a formação dos artistas de nossa cidade, e se desenvolverá por meio de parcerias com as escolas de formação em arte, formais e informais, em encontros mensais, onde serão discutidos e apresentados temas diversos sobre as artes. Neste primeiro encontro, o teatro e a dança serão o foco dos debates (das 14h às 18hs) e também das apresentações artísticas (das 18h às 21hs).

Nos dias 26 e 27 de setembro, às 16h30, quem sobe ao palco é o premiado Grupo Real Fantasia, vencedor de diversos prêmios de artes cênicas no Estado. O grupo apresenta o espetáculo infantil “Uma Professora muito Maluquinha”. Baseada no texto de Ziraldo, a peça mostra a importância da leitura como forma de entender o mundo. Os ingressos custam R$30 (inteira) e R$15 (meia). Nestes mesmos dias, às 20h, o Corpo Escola de Dança (Grupo Sala B) apresenta o espetáculo “Cancioneiro do Imigrante”.  O espetáculo é baseado na pesquisa musical de Ana Maria Kiffer sobre a memória musical brasileira, que contempla a tradição musical preservada pelos imigrantes no Brasil. O espetáculo tem entradas a R$20 (inteira) e R$10 (meia).

No dia 29, às 19h, o Teatro Francisco Nunes será palco do Prêmio Mineiro da Música Independente. O projeto completou 10 anos em 2015, e vem se firmando como um dos mais importantes no cenário musical brasileiro. A premiação das bandas independentes terá a participação de nomes de peso da música mineira e nacional, como Paulinho Pedra Azul, Tadeu Franco, Rubinho do Vale, Sgt. Peppers, Cartoon, Anderson Noise, Chico Amaral, Scarcéus, Chama Chuva, Whitch Hammer, Alcalyno, entre outros. Além dessas participações, no dia será feita uma homenagem ao ilustríssimo músico mineiro Fernando Brant, fundador do Clube da Esquina que faleceu recentemente. Os ingressos podem ser trocados por 5 Kg de alimentos não perecíveis. Os postos de troca são informados pelos telefones (31) 3033-1467 e (31) 9342-3981.

Encerrando o programação de aniversário do Chico Nunes, o comediante mineiro Carlos Nunes apresenta a comédia “Francisco de Assis – do Rio ao Riso”, nos dias 2, 3 e 4 de outubro. No espetáculo, Nunes divide o palco com o ator André Maurício para falar sobre um grande herói, Francisco de Assis. A peça traduz a imagem não só do santo, mas do homem genial que foi Francisco, da sua infância até a sua morte. Os ingressos custam R$30 (inteira) e R$15 (meia) na bilheteria do teatro. Nos postos do Sinparc os ingressos terão preço único de R$15.

65 anos de história
O Teatro Francisco Nunes, inicialmente chamado “Teatro de Emergência”, foi inaugurado em 1950. Nessa época, a cidade encontrava-se carente de teatros: o antigo Teatro Municipal havia se transformado no Cine Metrópole, demolido em 1983, e o Palácio das Artes ainda estava em construção. O nome do teatro é uma homenagem ao grande clarinetista e maestro mineiro Francisco Nunes (1875-1934), que criou a Sociedade de Concertos Sinfônicos de Belo Horizonte e dirigiu o Conservatório Mineiro de Música. A inauguração do Teatro Francisco Nunes possibilitou a Belo Horizonte ingressar no calendário cultural dos grandes artistas e companhias teatrais do Brasil e exterior, recebendo orquestras, temporadas líricas, shows antológicos da MPB, festivais universitários, danças e espetáculos teatrais.

O palco do Teatro Francisco Nunes também abrigou o nascimento do moderno teatro mineiro em suas mais variadas tendências, como os trabalhos de João Ceschiatti, João Etienne Filho, Jota Dangelo e Haydée Bittencourt. Em 1980, o teatro passou por uma grande reforma, foi reconstruído e modernizado, mantendo original apenas a sua fachada. Funcionou desde então como palco de variados espetáculos e eventos, tais como o Festival Internacional de Teatro Palco & Rua (FIT-BH), Fórum Internacional de Dança (FID), Festival de Arte Negra (FAN), Verão de Arte Contemporânea, Campanha de Popularização do Teatro e da Dança, entre outros. Fechado para novas reformas em 2009, o teatro foi entregue à população novamente em maio de 2014 totalmente restaurado, ficando entre os mais modernos palcos mineiros, com capacidade para 525 lugares.

Nenhum comentário: