7 de out de 2019

SEMINÁRIO PARA PAIS E EDUCADORES - INSCRIÇÕES ABERTAS


 


 
O evento na Sala Minas Gerais,
 reúne Dra. Filó, Pe. Alexandre Fernandes, Moninha Quintero,
Patricia Ragone, Milene Costa e Dr. Belisário,  
 para tratar da relação educativa com crianças e adolescentes,
diante dos desafios e riscos da atualidade

Belo Horizonte recebe, no dia 03 de Novembro, domingo, das 13h às 20h30, na Sala de Minas Gerais (Rua Tenente Brito Melo, 1090 - Barro Preto), o “Seminário de Formação para Pais e Educadores”.  No evento,  Dra. Filó, Pe. Alexandre Fernandes, Moninha Quintero, Patricia Ragone, Milene Costa e José Ferreira Belisário Filho se reúnem com o público para discutir a questão dos limites com crianças e jovens, abordando a falta de tempo dos adultos, sejam pais ou educadores, para ensinar com o respeito e a paciência que essa tarefa exige.

A iniciativa surgiu através da escuta de pais e mestres, que verbalizavam o medo de não se tornarem pessoas suficientemente boas e competentes na lida com crianças e adolescentes. Assistimos, atualmente, a situações em que o poder está nas mãos das crianças e toda a família evita contrariá-las, com receio que surjam traumas ou outras mazelas psicológicas. Nosso seminário quer tratar questões como essa, além de abordar temas como suicídio na adolescência e a relação indivíduo e sociedade.

As inscrições já estão abertas e podem ser feitas pelo link
ou na Secretaria da Igreja Bom Jesus do Vale: Rua Dimas Henrique de Freitas, 378 – Vale do Sereno – Nova Lima.
Informações adicionais: 31 34415942.



Dra. Filó
Filomena Camilo do Vale, conhecida como Dra. Filó, nasceu em Oliveira-MG. A pediatra atua no CTI Infantil da Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte e dali tira inspiração para suas pregações no Grupo de Oração da Paróquia Bom Jesus do Vale, no Vale do Sereno, em Nova Lima, às terças-feiras, às 20h. As palestras, reconhecidas nacionalmente, são exibidas ao vivo no canal do Youtube do Padre Alexandre Fernandes.

José Ferreira Belizário Filho
Médico Psiquiatra, doutor em Ciências da Saúde pelo Centro de Pesquisas René Rachou e Mestre em Pediatria pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG. Atualmente é Vice Presidente da Associação Brasileira de Neurologia, Psiquiatria Infantil e Profissões Afins (ABENEPI) e sua atividade profissional e atividade científica estão voltados para o campo da psiquiatria infantil, abordando principalmente os temas: Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade, Transtorno Global do Desenvolvimento, Saúde Mental inclusão social e educação inclusiva.

Dra. Patrícia Ragone
Graduada em Psicologia pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora (CES/JF), em Pedagogia pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e pós-graduada em Metodologia do Ensino Superior pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC/Minas). Formação em Psicoterapia Ericksoniana, com Jeffrey Zeig e outros. Workshop intensivo com Carl Rogers na abordagem centrada na pessoa. Especialista em Terapia Clínica e Terapia Cognitiva (TC). Em outubro de 2003, fundou a PQR Clínica de Psicologia, com sede em Belo Horizonte, onde iniciou a divulgação e a aplicação da TC, dedicando-se também ao treinamento de pais e educadores. Autora do livro Laços - contribuições da terapia cognitiva para as relações familiares".



Padre Alexandre Fernandes
Natural de Abre Campo (MG), é bacharel licenciado em História pela PUC-Minas e Teologia pelo Instituto São Tomás de Aquino. Foi ordenado sacerdote católico em 1994 e atualmente é pároco da Paróquia Bom Jesus do Vale, em Nova Lima/MG, além de capelão do Hospital Biocor. Atuou com vice-chanceler da Arquidiocese de Belo Horizonte, professor de História do Cristianismo e História das Religiões na PUC Minas.

Milene Costa
Mestre em Filosofia, especializada em desenvolvimento humano, ciências religiosas e filosofia existencial. Especialista em Filosofia do Direito (Teoria e Direitos Humanos), Teologia Sistemática e Teologia Pastoral. Graduada em Teologia e Filosofia. Formada como Coach Pessoal e Profissional (Personal and Professional Coach). Professora convidada da Fundação Dom Cabral. Fundadora da Ser e Pertencer.

Moninha Quintero
Mônica Maria Pádua de Quintero é formada em Comunicação Social - com ênfase em Relações Públicas. Tem diploma em estudo Bíblico aplicado pela especialista Milene Costa. Há 25 anos ministra pregações sobre temas relacionados à fé, à espiritualidade e à qualidade de vida e família em várias cidades do Brasil. Apresenta o programa “Palavra de Fé” e “K entre Nós”, veiculados nas principais emissoras católicas do país. Atualmente coordena o Movimento de Mães que Oram pelos Filhos no estado de Minas Gerais.

Programação:
13h- Abertura portaria 
14h às 14h20 - Acolhida: Padre Alexandre e Moninha Quintero 
14h30 às 15h10 - O amor aceita tudo?
15h às 16h00 - Como criar laços mais seguros com os filhos. 
16h10 às 17h - A relação família e escola na missão de educar e ensinar.
17h  às 17h20 - Intervalo 
17h30 às 18h10 - A família como lugar de encontro.
18h15 às 18h50 - As redes sociais e a internet na criação dos filhos do século XXI. 
19h - Mesa redonda: Dr. Belisário | Dra. Filo | Dra. Patrícia Ragone | Padre Alexandre 
            Tema: O limite da criança na hora de dormir | Suicídio na adolescência | Redes sociais 
20h30 - Encerramento

 
SEMINÁRIO PARA PAIS E EDUCADORES
com Dra. Filó, Pe. Alexandre Fernandes, Moninha Quintero,
Patricia Ragone, Milene Costa e Dr. Belisário
03 de Novembro, domingo, das 13h às 20h30
Sala Minas Gerais
Rua Tenente Brito Melo, 1090 - Barro Preto
Inscrições abertas:
ou na Secretaria da Igreja Bom Jesus do Vale:
Rua Dimas Henrique de Freitas, 378 – Vale do Sereno – Nova Lima.
Informações adicionais: 34415942
REALIZAÇÃO: Pe. Alexandre Fernandes e Talentos Produções

25 de set de 2019

FESTA ESPANHOLA DE BH



 
foto: Márcia Francisco


Nos dias 4 e 5 de outubro, a vibrante e caliente cultura da Espanha
toma conta da cidade, com uma maratona de shows de música e dança,
irmanamento de cidades, gastronomia típica e a
XXIV Romeria Del Rocio

Nos dias 4 e 5 de outubro, sexta e sábado,  a alegria toma conta de Belo Horizonte, com uma  tradicional festa cultural regada à shows, música, dança, tradição e gastronomia típica.  É a Festa Espanhola de BH.  Com o patrocínio da Belotur e Prefeitura de Belo Horizonte, o evento gratuito celebra Belo Horizonte e Granada, cidades irmãs e leva às ruas a XXIV Romeria Del Rocio, a maior Romeria da Europa, em honra à Virgen del Rocio.

A Romeria é uma celebração única que mistura folclore e religião, levando cerca de um milhão de pessoas a uma pequena cidade andaluza, a cerca de 1h da fronteira com o sul de Portugal. Na capital mineira, desde 1992, a Romeria del Rocio é realizada pelo Centro de Cultura Flamenca e Noemi Gelape e  leva às ruas a tradição andaluza da padroeira  Virgen Del Rocio’ – La Blanca Paloma, cuja imagem está atualmente hospedada, nos cuidados com a tradição, pela bailaora Noemi Gelape. Homens e mulheres vestidos ao estilo andaluz desfilam pela cidade em carroças ornamentadas com muitas flores e balões. Ao ritmo de pandeiro, castanholas e muita dança típica, a Romería segue pelas ruas da cidade, louvando à Virgem, cuja veneração na Espanha se compara à fé em Nossa Senhora Aparecida, no Brasil. O clima cigano envolve as ruas com alegria e devotos afirmam que, mesmo no festejo artístico, graças e pedidos à Santa são atendidos!

Uma vasta programação de shows que revelam a luz das culturas irmãs na alegria tomam conta da festa em Belo Horizonte.  O evento começa na noite de  4  de outubro, com a recepção de turistas, no Bairro Santo Antônio, com homenagem à Virgen  e apresentação da Cia Garcia y Lorca.   No dia seguinte, uma concentração para enfeitar as carroças acontece na Praça da Bandeira, de onde sairá a Romeria del Rocio. A Banda Sinfônica do Corpo de Bombeiros vai executar o Hino Nacional, o cortejo da Romeria acontecerá na Avenida Bandeirantes, onde carroças seguem o carro com a imagem,  acompanhados por homens e mulheres em trajes típicos, ao som de sevilhanas e musicas del Rocio. Qualquer pessoa pode seguir o cortejo. Quem quiser pode levar seu vinho para degustar no cortejo, à moda espanhola. Mulheres podem usar vestidos, chales e flores no cabelo, homens se caracterizam com chapéu e lenço no pescoço.  Na chegada da Romeria à Praça JK, será cantada a Salve e todos dançam sevilhanas, no palco e no chão. Gonzaga Medeiros animará o evento, que tem Saulo Laranjeira na programação.  Em seguida, shows com companhias de dança, bailarinos e bandas de rock acontecem até às 19h30, quando a premiada Bateria Show do Bloco Caricato Bacharéis do Samba encerra o evento.  

A festa espanhola de BH tem acesso gratuito, mas terá caráter beneficente. Doações espontâneas de alimentos não-perecíveis podem ser entregues no posto de coleta da Praça JK, Tudo será destinado Hospital André Luiz.  O evento contará com  barracas de apoio, barracas de comidas e bebidas típicas, banheiros químicos e segurança.

 CONFIRA A PROGRAMAÇÃO COMPLETA:

04 de outubro, sexta
Surubim na Brasa 
Rua São Romão, 176 - Bairro Santo Antônio 
19h
Abertura da Romeria del Rocio
Homenagem a Virgen del Rocio
Show da Cia Garcia y Lorca

05 de outubro, sábado
Praca da Bandeira 
10h
Preparação da imagem da Virgem 
Decoração dos carros e carroças
DJ Alejandro Garcia

13h
Execução do Hino Nacional  
pela Banda Sinfônica do Corpo de Bombeiros 
(Haverá barraca de apoio e banheiros químicos) 

Saída da Romeria del Rocio
Irmanamento das cidades: BH e Granada 
Cortejo pela Av. Bandeirantes  até a  Praça JK 

Praça JK
14h às 20h
Gonzaga Medeiros, animador cultural 
Salve à Virgen del Rocio
Cia Garcia y Lorca 
Academia Pé de Valsa 
Saulo Laranjeira –  Homenagem à Virgen del Rocio
Instituto Mano Down – direção: Bruno Mendes
Sapateado Irlandes    Ballet Compasso: direção –  Lúcia Vieira
Cia Luna Flamenca – direção: Ana Pires
Casa Carmen  – direção: Thais Maia
Escuela La Sala  – direção: Maria Emilia Conde
Bailarino Maurício Tobias 
Tango – Denilson Silva 
Banda RadioTape
Banda US4
Bloco Caricato Bacharéis do Samba

VISITE:

SIGA O INSTAGRAM:
@festaespanholadebh

IRMANAMENTO (Belo Horizonte e Granada)
A Lei n°2492, de 22 de julho de 1975, considera Granada, na Espanha, cidade irmã de Belo Horizonte. Uma das cidades mais lindas da Europa, Granada é um monumento histórico da civilização europeia. Granada torna-se cidade irmã de Belo Horizonte para unir e estreitar os laços entre a nação espanhola e a nossa capital. O Projeto de Lei n° 217/74 considera a relação de intercâmbio entre as duas cidades, sendo assinado pelos vereadores da Câmara Municipal de Belo Horizonte em 2 de novembro de 1974. Um dos momentos forte do evento é a procissão festiva em homenagem à Nossa Senhora do Rocio, padroeira da região Andaluzia, com carroças enfeitadas, banda e pessoas com trajes típicos da Espanha
A ROMERIA DEL ROCIO
“traga sua alegria... ou sua carroça... e sua doação... enfeite seu cabelo... ou seu olhar... e venha celebrar!”
A Romeria é uma celebração única que mistura folclore e religião, levando cerca de um milhão de pessoas a uma pequena cidade andaluza, a cerca de 1h da fronteira com o sul de Portugal. Na capital mineira, desde 1992, a Romeria del Rocio é realizada pelo Centro de Cultura Flamenca e Noemi Gelape.

CURIOSIDADES
A Aparição da Virgen del Rocío
No século XV, um caçador chamado Gregório Medina estava caçando quando alguns cães pararam perto de uma árvore centenária e latiram muito, como se tivessem farejado uma presa. Os latidos eram tantos que despertaram a atenção do caçador, que ao procurar pela presa, encontrou na verdade a imagem de uma Virgem, que segundo disse,  mais parecia de uma boneca. Extasiado, ele pensou em levá-la para a cidade mais próxima, que era Almonte, porém uma força maior obrigou-o a deixar a imagem no tronco, escondida. A notícia sobre imagem sagrada da Virgem foi sendo compartilhada (segundo disseram, o caçador contava a todos a sua descoberta dizendo que Maria de los Remédios o havia chamado ao local em questão). Em poucos dias fiéis e curiosos começaram a ir em peregrinação até a imagem da Virgem, para constatar e ver de perto o que o caçador havia descoberto. A Virgem foi removida do tronco da árvore, entretanto os bois que puxavam as carroças não conseguiam sair do lugar. Decidiram então construir uma Ermida para a Virgem, que era a Madre de las Rocinas, a Virgen del Rocio, a Blanca Paloma, como foi chamada pelos espanhóis. À partir de então foram atribuídos vários milagres à Virgen del Rocio. 

O que é Rocío:
Rocío (Orvalho)  é um povoado que fica ao sul da Espanha (Andalucía), em Almonte, na província de Huelva. Todos os anos, os romeiros viajam em carroças e cavalos, de todas as partes de Espanha.,Ilhas Canárias, Estados Unidos, África do Sul, Europa e Brasil, para participar juntamente com as irmandades da Romaria, que acontece no período de  Pentecostes (50 dias depois da Páscoa).

20 de set de 2019

CELSO FARIA LANÇA O CD RECITAL MINEIRO



Será no dia 22 de setembro, domingo, às 11h, na Sala Sérgio Magnani da Fundação de Educação Artística  (Rua Gonçalves Dias, 320 – Funcionários – BH –  31 3226-6866), o lançamento do CD Recital Mineiro, com registros inéditos de obras de Carlos Alberto Pinto Fonseca e Arthur Bosmans. Esta é a primeira vez que os Sete Estudos Brasileiros, de Carlos Alberto Pinto Fonseca, e a suíte Brasileiras, de Arthur Bosmans, são gravados de forma integral.

Existiria um sotaque próprio paro o violão quando o repertório é mineiro? De acordo com o músico Celso Faria, pelas especificidades regionais de Minas Gerais, a musicalidade secular de seu povo e a plasticidade do próprio instrumento, sim, existe um violão mineiro.
Nascido em Passos/MG, Celso Faria tem uma reconhecida trajetória como violonista e pesquisador. Além de recitais e solos orquestrais, ele conta com mais de 130 títulos de obras a ele dedicadas, encomendadas, transcritas ou arranjadas. Já o álbum Recital Mineiro - obras de Carlos Alberto Pinto Fonseca e Arthur Bosmans é um disco independente e marcado por um estreito laço com o berço de sua formação musical.
No concerto do dia 22, Faria irá interpretar uma multiplicidade de sotaques, com obras de compositores da Espanha, Alemanha, Paraguai, Bélgica, até chegar ao Brasil e em Minas Gerais. Ingressos no local: R$30 (inteira) e R$15 (meia).
O violão em Minas
Sob o olhar de Celso Faria, a produção musical mineira para violão, hoje em dia, se apresenta de maneira multifacetada, coexistindo variadas explorações de linguagens, abordagens instrumentais distintas, bem como a inserção do instrumento em diversificados contextos camerísticos e até mesmo sinfônico, mas isso nem sempre foi assim. Um importante ponto de articulação na história do instrumento nas Minas Gerais, na opinião do violonista, se dá na década de 1960. “Nesse momento, podemos observar uma série de fatores que contribuíram para o aparecimento de “novos ares” no ambiente do violão no estado, tais como: surgimento de cursos regulares do instrumento, sua frequência em diversos festivais de música, o aparecimento de violonistas que contavam com uma formação musical mais completa, além do interesse, da escrita instrumental, por compositores não executantes do violão.
De fato, atualmente há um grande número de virtuoses violonistas/compositores que são ligados a diversos gêneros e movimentos musicais como o Choro, o Jazz, o Clube da Esquina e a música regional mineira e que se dividem entre o trabalho autoral e a releitura de standards nacionais e internacionais. Para Celso Faria, alguns dos nomes mais significativos desta vertente são: Toninho Horta, Juarez Moreira, Gilvan de Oliveira, Geraldo Viana, Weber Lopes e Carlos Walter.
Recital Mineiro
A gravação de obras de Carlos Alberto Pinto Fonseca e Arthur Bosmans foi ouvida, em primeira mão, pelo também violonista Turíbio Santos e pelo regente e compositor Oiliam Lanna. Ambos destacam a qualidade interpretativa das peças e ressaltam o trabalho de Celso Faria em prol da música brasileira: “ao longo de mais de duas décadas de exaustiva e laboriosa pesquisa, Faria passou a ser o detentor de um acervo pessoal de cerca de três mil obras para o seu instrumento, acervo ao qual recorrem músicos dos quatro cantos do mundo”, diz Oiliam Lanna. Esta é a primeira vez que os Sete Estudos Brasileiros, de Carlos Alberto Pinto Fonseca, e a suíte Brasileiras, de Arthur Bosmans, são gravados de forma integral.
Carlos Alberto Pinto Fonseca concluiu os Sete Estudos Brasileiros (Estudo nº 1 - Recitativo, Estudo nº 2 - Andante, molto espressivo, Estudo nº 3 “Homenagem a Villa-Lobos” - Quasi declamato, Estudo nº 4 - Andantino, Estudo nº 5 - Allegretto, Estudo nº 6 “Batucada” - Allegro moderato, Estudo nº 7 - Andante) em 1972, em Belo Horizonte. A obra foi dedicada ao violonista Carlos Barbosa-Lima, que a editou pela Columbia Music Company (Washington D.C. - Estados Unidos), em 1978.
A suíte Brasileiras, de Arthur Bosmans, possui cinco movimentos: Ponteio, Modinha, Batucada, Toada, Sorongo “Dança afro brasileira”. Concluída em 1973, também na capital mineira, a peça foi editada pela Metropolis (Antuérpia-Bélgica), no ano seguinte, por Victor van Puijenbroeck. Embora nascido na Bélgica, Bosmans fixou residência em Belo Horizonte e contou com um grande amigo, Júlio Borges, bancário, compositor e violonista diletante, que o ajudava a sanar dúvidas sobre as possibilidades expressivas e/ou idiomáticas do instrumento.
 SAIBA MAIS

PROGRAMA DO CONCERTO
Luyz de Narvaez (ca.1500-ca.1550)
- Canción del Emperador
- Diferencias sobre “Guárdame las vacas”

Johann Sebastian Bach (1685-1750)
- Prelúdio, BWV 998
- Prelúdio, BWV 999

Fernando Sor (1778-1839)
- Menuetto, op. 25
- Rondo, op. 22

Agustín Barrios (1885-1944)
- El Ultimo Trémulo
- Madrigal (Gavota)

Arthur Bosmans (1908-1991)
Brasileiras
- Modinha
- Toada
- Ponteio

Carlos Alberto Pinto Fonseca (1933-2006)
Sete Estudos Brasileiros
- Estudo nº 2
- Estudo nº 3
- Estudo nº 6

Aníbal Augusto Sardinha - Garoto (1915-1955)
- Festival Ary Barroso

Celso Faria é um grande violonista e pesquisador fora de série. Posso dizer isso confortavelmente, pois sua pesquisa sobre minhas edições para violão foi de uma sutileza e perspicácia sem limites. As suas apresentações no “Festival Vale do Café”, com um repertório diversificado mostram até que ponto suas qualidades de músico e sua integridade como pessoa são reconhecidas e aplaudidas pelo público. Na atual gravação, o enriquecimento do repertório do violão será enorme, com obras de Carlos Alberto Pinto Fonseca e Arthur Bosmans, interpretadas com brilho e entusiasmo, qualidades inerentes ao violão de Celso Faria
(Turíbio Santos, violonista, compositor e musicólogo)

É um marco na trajetória de Celso Faria, em prol da música brasileira. Aqui se evidenciam as qualidades do intérprete, mas vale ressaltar que o violonista mineiro, ao longo de mais de duas décadas de exaustiva e laboriosa pesquisa, passou a ser o detentor de um acervo pessoal de cerca de três mil obras para o seu instrumento, acervo ao qual recorrem músicos dos quatro cantos do mundo. A escolha do repertório, das mais felizes, homenageia os compositores e reaviva a memória de dois artistas que deram contribuições das mais significativas para a música nas Minas Gerais e no Brasil”.
(Oiliam Lanna, maestro e compositor, discípulo de Bosmans e amigo de Fonseca)



CELSO FARIA  - TRAJETÓRIA COMPLETA
Celso Faria nasceu em Passos (MG), em 1979 e iniciou seus estudos musicais de maneira autodidata aos dez anos de idade. Em 1994 ingressou no “Curso de Formação Musical” da Escola de Música da UFMG, estudando na classe do professor José Lucena Vaz. Obteve o título de bacharel em violão na mesma instituição sob a orientação do professor Fernando Araújo. É especialista em Música Brasileira - Práticas Interpretativas - pela Universidade do Estado de Minas Gerais e Mestre em Performance Musical pela Universidade Federal de Minas Gerais. Também foi aluno de violão de Beto Davezac na Fundação de Educação Artística (Belo Horizonte) e de música de câmara de Norton Morozowicz na UERJ (Rio de Janeiro).
Celso Faria obteve várias premiações, dentre elas: menção honrosa no “VII Concurso Nacional de Violão Souza Lima” (São Paulo, 1996), vencedor do “IX e XIV Concurso Jovens Solistas” da Escola de Música da UFMG (Belo Horizonte, 1998 e 2004), vencedor do “III e IV Concurso Jovem Músico BDMG” (Belo Horizonte, 2002 e 2003), vencedor do “Concurso Bianca Bianchi” (Curitiba, 2003), vencedor do concurso “Música da Universidade para a Comunidade” (Belo Horizonte, 2003), vencedor local do “I Concurso Furnas Geração Musical” (Belo Horizonte, 2004) e semifinalista do “II Concurso de Violão Fred Schneiter” (Rio de Janeiro, 2005).
Com uma destacada atuação como recitalista de violão solo, integrante em diversificadas formações camerísticas ou, ainda, como solista orquestral, o número de obras a ele dedicadas, encomendadas, transcritas ou arranjadas já superam 130 títulos. Celso Faria gravou diversos programas de rádio e televisão e foi responsável também por várias primeiras audições. Da sua produção fonográfica/audiovisual, relacionamos os seguintes cds: Romancero Gitano, com o Coro Madrigale (selo independente, Belo Horizonte, 2006); 100 anos de Arthur Bosmans (selo “Minas de Som”, Belo Horizonte, 2011); o dvd que acompanha o livro Caminhos, encruzilhadas e mistérios de Turíbio Santos (selo “Artviva”, Rio de Janeiro, 2014).

Manhãs Musicais apresenta
CELSO FARIA
Concerto e lançamento do CD  “RECITAL MINEIRO”
22 de setembro, domingo, 11h
Sala Sergio Magnani da Fundação de Educação Artística
Rua Gonçalves Dias, 320 – Funcionários – Belo Horizonte   MG
Ingressos: R$30 (inteira) e R$15 (meia)
Informações adicionais: (31)3226-6866