10 de set de 2015

A VIDA NOS 50 ANOS DO MINEIRÃO




O Mineirão completou 50 anos e abriu as portas de sua Esplanada para uma festa que agitou a esplanada do gigante, durante 12 horas. Estima-se que cerca de 20 mil pessoas passaram por lá. 

Bandas musicais e outras atrações artísticas se revezaram nos palcos do evento, enquanto o público curtia food trucks e bares temáticos. Os cães de estimação puderam entrar e famílias inteiras podiam ser vistas se divertindo no local. As crianças tiveram à disposição brinquedos infláveis e outras atrações apropriadas à idade, tais como oficinas de pintura e cama elástica. 

  


A manhã começou com a corrida de 5km que deu medalha timbrada com a frase "50 - o Mineirão é nosso e mobilizou corredores animados em alto astral pelo sentido da data. Já habituado à provas como esta, o paratleta Juliano Costa cumpriu o percurso e, foi um dos presentes que deixou sua marca, mostrando que a festa era de justa inclusão. 







O Estádio não foi aberto ao público, mas, lá dentro,  Manoel Messias (foto), encarregado do campo, não se descuidou do gramado,  molhando tudo, na hora certa. Presidiário em condicional, com passagem por varios presídios de Minas, hoje usa tornozeleira de monitoramento e há três anos refaz sua vida cuidando do gramado do Mineirão.


Muitos funcionários e ex-funcionários aproveitaram o dia de festa com suas famílias. Um deles é O Sr. Zé França, podemos dizer que é mesmo uma das luzes que fazem a alma deste gigante! Ele começou no Mineirão , em março de 1961, como servente e prosseguiu até 2011, fechando a carreira como gerente operacional. Aos 76, foi celebrar o cinquentenário do Mineirão com filhos e netos. Pessoa de muito carisma que, literalmente, viu o estádio nascer, presenciando sua construção. 



Não há como visitar o nosso Mineirão sem experimentar o tradicional tropeiro. Então, nesta, visitei as instalações da cozinha, anfitrionada pela chefe: Na foto, comigo,  Sônia Maria da Costa. Dona Sônia é a mãe do tropeiro no Mineirão. Há trinta anos comandando a cozinha, tem 54 funcionários na casa, muitos, familiares construindo a vida por lá. Processo do tropeiro dá gosto de ver. Higiene total, afeto e sabor que fazem a história do prato indispensável nos dias de jogo. Viva! 




(antes do show, no Camarin, Familia Nastácia registrou  presença ao lado da banda)

A festa foi coroada com shows lindos, como o da Banda TiaNastácia. A turma, que há décadas faz música consciente, mostrou a que veio levantando a galera. Após o calor escaldante, TiaNastácia veio trazendo uma chuva refrescante que garantiu a animação geral. 


Do lado contrário ao gigante, arco-iris coloriu o céu. Mais tarde, Cesar Menotti e Fabiano, convidados de Minas ao Luar foram primorosos em show que fez todo mundo cantar. Não deixaram de lado o hit  "... pois não há lugar melhor que BH", levantando o coro de milhares. Festa honesta. Na história do estádio, na boca do povo: "o Mineirão é nosso". 

(por Márcia Francisco - texto e fotos)


Nenhum comentário: