28 de set de 2015

JUÇARA COSTA REALIZA A FEIRA ARTE E VIDA EM BH

Juçara Costa realiza, no dia 3 de outubro, sábado, de 10h às 18h, no Juçara Costa Espaço Arte e Vida (Rua Pouso Alto , 199 - Serra - BH - MG), a Feira Arte e Vida.

Com um conceito que apresenta ao público, arte e artesanato em proposta que valoriza o ser no cotidiano e na vida, a feira abre a temporada de boas opções para as compras úteis aos festejos de fim de ano.

Na feira, uma seleção de expositores trazem alimentação, moda, artesanato, artes plásticas, decoração, literatura, terapias holísticas e mais. Um dos stands trará um Brechó, elevando a qualidade de bem reciclar e da economia, tão necessárias aos tempos atuais.

A cada R$100,00 em compras (em toda a feira), o visitante concorre a uma bolsa em tecido, com estampa de quadros pintados pela artista plástica Juçara Costa.
 
O evento tem ENTRADA FRANCA. Informações adicionais: (31) 35863422.

25 de set de 2015

CHICO NUNES CELEBRA 65 ANOS COM PROGRAMAÇÃO ESPECIAL


Debates, apresentações artísticas e até entrega de prêmio marcam as comemorações. O premiado músico Toninho Horta é a atração no dia do aniversário, 30 de setembro



O Teatro Francisco Nunes, um dos palcos mais tradicionais da cidade de Belo Horizonte completa, no dia 30 de setembro, 65 anos de história. Para celebrar este aniversário, a Fundação Municipal de Cultura preparou uma série de eventos especiais com ações educativas (encontros profissionais e debates) além de apresentações de dança, teatro e música. O auge da comemoração será a apresentação de Toninho Horta e banda, num show criado especialmente para a data.

Compositor, arranjador, produtor musical e guitarrista, Toninho Horta sobe ao palco do Teatro Francisco Nunes no dia 30 de setembro, às 19h, para um show mais do que especial. Junto com sua banda, o músico preparou uma apresentação em homenagem ao teatro, com um repertório diversificado entre canções originais e clássicos da MPB. Serão interpretadas também canções do Clube da Esquina, em homenagem ao Fernando Brant e a famosa canção Moon River. “Todos os meus convidados estão entusiasmados em juntar este grupo de cordas dedilhadas acompanhados de bateria e da voz experiente de Carla Vilar. Esperamos que o público presente venha prestigiar a nossa música, dedicada à história do Teatro Francisco Nunes e do público Belo-horizontino”, afirma Toninho Horta.

O show de Toninho Horta em homenagem ao Chico Nunes terá entrada gratuita. Os convites serão distribuídos no dia anterior ao evento (29 de setembro), das 14h às 17h, na bilheteria do teatro. Cada pessoa poderá retirar até 2 convites.

“O Chico Nunes é um símbolo da história do teatro mineiro e de resistência dos artistas. Comemorar 65 anos, totalmente restaurado e com sua vocação pública definida, são grandes motivos de celebração”, afirma Leônidas Oliveira, Presidente da Fundação Municipal de Cultura.

Programação de aniversário tem início nesta semana
As celebrações do aniversário do Chico Nunes têm início nesta sexta-feira, dia 25, com o lançamento do “Prosa Encena”, projeto em parceria com a Escola de Belas Artes da UFMG, a Escola Livre de Artes/Arena da Cultura, o Teatro Universitário (TU) e o Centro de Formação em Artes da Fundação Clóvis Salgado (CEFAR). O projeto objetiva resgatar o importante lugar que o Teatro Francisco Nunes ocupou, desde sua inauguração, para a formação dos artistas de nossa cidade, e se desenvolverá por meio de parcerias com as escolas de formação em arte, formais e informais, em encontros mensais, onde serão discutidos e apresentados temas diversos sobre as artes. Neste primeiro encontro, o teatro e a dança serão o foco dos debates (das 14h às 18hs) e também das apresentações artísticas (das 18h às 21hs).

Nos dias 26 e 27 de setembro, às 16h30, quem sobe ao palco é o premiado Grupo Real Fantasia, vencedor de diversos prêmios de artes cênicas no Estado. O grupo apresenta o espetáculo infantil “Uma Professora muito Maluquinha”. Baseada no texto de Ziraldo, a peça mostra a importância da leitura como forma de entender o mundo. Os ingressos custam R$30 (inteira) e R$15 (meia). Nestes mesmos dias, às 20h, o Corpo Escola de Dança (Grupo Sala B) apresenta o espetáculo “Cancioneiro do Imigrante”.  O espetáculo é baseado na pesquisa musical de Ana Maria Kiffer sobre a memória musical brasileira, que contempla a tradição musical preservada pelos imigrantes no Brasil. O espetáculo tem entradas a R$20 (inteira) e R$10 (meia).

No dia 29, às 19h, o Teatro Francisco Nunes será palco do Prêmio Mineiro da Música Independente. O projeto completou 10 anos em 2015, e vem se firmando como um dos mais importantes no cenário musical brasileiro. A premiação das bandas independentes terá a participação de nomes de peso da música mineira e nacional, como Paulinho Pedra Azul, Tadeu Franco, Rubinho do Vale, Sgt. Peppers, Cartoon, Anderson Noise, Chico Amaral, Scarcéus, Chama Chuva, Whitch Hammer, Alcalyno, entre outros. Além dessas participações, no dia será feita uma homenagem ao ilustríssimo músico mineiro Fernando Brant, fundador do Clube da Esquina que faleceu recentemente. Os ingressos podem ser trocados por 5 Kg de alimentos não perecíveis. Os postos de troca são informados pelos telefones (31) 3033-1467 e (31) 9342-3981.

Encerrando o programação de aniversário do Chico Nunes, o comediante mineiro Carlos Nunes apresenta a comédia “Francisco de Assis – do Rio ao Riso”, nos dias 2, 3 e 4 de outubro. No espetáculo, Nunes divide o palco com o ator André Maurício para falar sobre um grande herói, Francisco de Assis. A peça traduz a imagem não só do santo, mas do homem genial que foi Francisco, da sua infância até a sua morte. Os ingressos custam R$30 (inteira) e R$15 (meia) na bilheteria do teatro. Nos postos do Sinparc os ingressos terão preço único de R$15.

65 anos de história
O Teatro Francisco Nunes, inicialmente chamado “Teatro de Emergência”, foi inaugurado em 1950. Nessa época, a cidade encontrava-se carente de teatros: o antigo Teatro Municipal havia se transformado no Cine Metrópole, demolido em 1983, e o Palácio das Artes ainda estava em construção. O nome do teatro é uma homenagem ao grande clarinetista e maestro mineiro Francisco Nunes (1875-1934), que criou a Sociedade de Concertos Sinfônicos de Belo Horizonte e dirigiu o Conservatório Mineiro de Música. A inauguração do Teatro Francisco Nunes possibilitou a Belo Horizonte ingressar no calendário cultural dos grandes artistas e companhias teatrais do Brasil e exterior, recebendo orquestras, temporadas líricas, shows antológicos da MPB, festivais universitários, danças e espetáculos teatrais.

O palco do Teatro Francisco Nunes também abrigou o nascimento do moderno teatro mineiro em suas mais variadas tendências, como os trabalhos de João Ceschiatti, João Etienne Filho, Jota Dangelo e Haydée Bittencourt. Em 1980, o teatro passou por uma grande reforma, foi reconstruído e modernizado, mantendo original apenas a sua fachada. Funcionou desde então como palco de variados espetáculos e eventos, tais como o Festival Internacional de Teatro Palco & Rua (FIT-BH), Fórum Internacional de Dança (FID), Festival de Arte Negra (FAN), Verão de Arte Contemporânea, Campanha de Popularização do Teatro e da Dança, entre outros. Fechado para novas reformas em 2009, o teatro foi entregue à população novamente em maio de 2014 totalmente restaurado, ficando entre os mais modernos palcos mineiros, com capacidade para 525 lugares.

16 de set de 2015

FRED SELVA QUARTETO SE APRESENTA NA CASA DO BAILE

FOTO: TUANE FERNANDES

 A Fundação Municipal de Cultura promove na Casa do Baile neste sábado, dia 19, às 11h, o show do “Fred Selva Quarteto”, selecionado por meio do edital CenaMúsica 2015.  Na apresentação,um dos poucos vibrafonistas do Brasil, Fred Selva traz uma linguagem inovadora e contemporânea para a cena instrumental de Belo Horizonte, sem compromisso com qualquer tradicionalismo. Um espetáculo marcado pelo experimentalismo, improvisação e o diálogo entre os músicos e plateia. A apresentação é gratuita.

O Fred Selva Quarteto é formado por Felipe Continentino (bateria), Frederico Heliodoro (baixo) e Felipe Vilas Boas (guitarra), além do instrumentista e compositor Fred Selva, que tem como seu principal instrumento o vibrafone.  O Grupo lançou seu primeiro disco “A Estranheza e o Poliglota” pelo Savassi Festival 2015. Agora eles se apresentam na Casa do Baile, revelando o estilo cada vez mais difundido da música instrumental mineira. A qualidade de suas sonoridades surpreende por serem enigmáticas, envolventes, repletas de improviso e experimentação. Mais que um conjunto de faixas, Fred Selva Quarteto apresenta ao público dois personagens surreais que constroem a trama, sobre a qual o grupo toca as músicas inusitadas e surpreendentes. O encontro entre a Estranheza, indiferente ao feio ou bonito, e o Poliglota, que não acredita no certo ou no errado.

O CenaMúsica tem a intenção de permitir que a população tenha acesso à parte da produção cultural existente hoje na capital mineira.Até o fim do ano a cidade receberá 230 apresentações de artistas, grupos musicais e de teatro selecionados pelo Edital CenaMúsica 2015, da Fundação Municipal de Cultura. No total foram escolhidas 30 propostas de artes cênicas e 20 de música destinadas a todos os públicos.


Fred Selva Qurateto
Dia 19 de setembro, sábado, às 11h
Casa do Baile (Avenida Otacílio Negrão de Lima, 751 – Pampulha)
ENTRADA GRATUITA

Informações para o público: (31) 3277-7443

DÓRIS CONVIDA FABIANA COZZA


15 de set de 2015

IDEA ESPAÇO CULTURAL recebe a paulista Nadia Gotlib, que realiza o workshop “Como ler Clarice Lispector? Literatura e gênero narrativo”

este e outros eventos já têm inscrições abertas
neste novo espaço de Belo Horizonte, que, em breve inaugura sua livraria


Já estão abertas as inscrições para o workshop “Como ler Clarice Lispector? Literatura e gênero narrativo”, que acontecerá de 03 a 24 de outubro, no Auditório Nélida Piñon - IDEA Espaço Cultural (Rua Bernardo Guimarães, 1200 – Funcionários – BH – MG).

Para abordar o inesgotável universo da escritora, IDEA traz à capital mineira uma das maiores autoridades em Clarice Lispector.  Trata-se da mestre, doutora e professora e pesquisadora de literaturas de  Língua Portuguesa da USP,  Nádia Gotlib, autora de vários artigos sobre Clarice e do livro “Clarice Fotobiografia, uma fotobiografia de Clarice Lispector” -  narrativa visual da história de vida e obra de Clarice Lispector, com 800 imagens, na sua grande maioria, inéditas – atualmente na 2ª. edição e a ser editado em espanhol, no México.
Com carga horária de 12 horas, o curso propõe desenvolver quatro tópicos, em quatro sessões (sempre, aos sábados, das 9h às 12h), a saber:
03 de outubro: O conto e a figura dos paradoxos (o conto “Amor”)
                          O conto e a figura da espiral (“A quinta história”)
10 de outubro: Das páginas femininas ao romance (A paixão segundo GH)
17 de outubro: Crônicas de Berna e algumas cartas: a cidade e o caráter nacional suíço
24 de outubro: Produção ficcional e jornalística: ‘guinadas’ estruturais da narrativa e respectivas posturas críticas.

Nádia Gotlib é mestre, doutora e professora livre-docente pela Universidade de São Paulo, onde atuou, desde 1970, como professora e pesquisadora nas áreas de Literatura Portuguesa e Literatura Brasileira. Atualmente é professora colaboradora do Programa de Pós-Graduação de Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa. É pesquisadora Sênior do CNPq. Ministrou cursos e desenvolveu seminários em várias Universidades brasileiras (entre outras, UFMG, PUC-MG, UFCE, UFAL, UnB, UFRJ, PUC-RS, UFRN, UNESP) e em universidades e centros de estudo e pesquisa estrangeiros, tais como Universidade de Oxford (UK), Universidade de Buenos Aires (Argentina), entre outras. Foi coordenadora do ‘GT A mulher na literatura’ da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Letras e Linguística (ANPOLL). Desenvolveu e continua desenvolvendo atividades de pesquisa junto a várias instituições brasileiras, como a Fundação Casa de Rui Barbosa, no Rio de Janeiro e Biblioteca José Mindlin, em São Paulo. Junto a instituições estrangeiras, trabalhou em museus, bibliotecas, hemerotecas e arquivos de, entre outras cidades, Nápoles (na Itália), Berna (na Suíça), Torkquay (na Inglaterra), Paris (na França), Nova Iorque (Estados Unidos). Foi conferencista convidada de instituições brasileiras federais, estaduais e particulares, além de instituições estrangeiras, como, entre outras, o Museu de Arte Latino-americana, em Buenos Aires (MALBA), Fundação Oriente e Casa Fernando Pessoa, em Lisboa, AmericanSociety e Universidade de Yale, nos Estados Unidos. Publicou 11 livros, organizou 10 números de periódicos, escreveu mais de 100 artigos e ensaios e participou de dezenas de congressos nacionais e internacionais. Entre seus livros encontra-se Teoria do conto, publicado pela Ática, em São Paulo, em 1985 e atualmente na 12ª edição. Publicou também Tarsila do Amaral, a modernista, pela editora SENAC, em São Paulo, em 1998, atualmente na 3ª reimpressão. E organizou, entre outros livros, com Walnice Nogueira Galvão, o volume  Prezado Senhor, Prezada Senhora. Estudos sobre cartas, publicado pela Companhia das Letras, em São Paulo, em 2000. Publicou vários artigos sobre Clarice Lispector. E sobre essa mesma escritora escreveu Clarice, uma vida que se conta, leitura de vida e obra da escritora, que teve 5 edições em português, pela Ática, em São Paulo e uma sexta edição, revisada e aumentada, pela Edusp, em São Paulo, em 2009. E foi traduzido para o espanhol por Álvaro Abós, em edição da editora argentina Adriana Hidalgo, em 2007. Lançou em abril de 2008, o livro Clarice Fotobiografia, uma fotobiografia de Clarice Lispector, pela Edusp/Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, narrativa visual da história de vida e obra de Clarice Lispector, com 800 imagens, na sua grande maioria, inéditas. (Atualmente na 2ª. edição e a ser editado em espanhol, no México). No momento a professora e pesquisadora prepara a edição dos Diários da Condessa de Barral, em volume a ser publicado em breve. E a edição de Retratos antigos, de Elisa Lispector, a ser publicado pela Editora UFMG, em novembro próximo.

IDEA Palestras apresenta, também, no Auditório Nélida Piñon,  em  23 de setembro, quarta-feira, às 19h,: “Vícios e virtudes da vida contemporânea”. O convidado é o médico e musicista, Dr. João Gabriel Marques Fonseca, Professor adjunto da Faculdade de Medicina (Departamento de Clínica Médica) e da Escola de Música (Departamento de Teoria Geral da Música) da Universidade Federal de Minas Gerais. Fundador e Diretor Geral do SOMMOS - Centro de Promoção da Saúde (BH). Chefe do Serviço de Clínica Médica do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais. Ex-professor da Escola de Música da Universidade Estadual de Minas Gerais. Conferencista e professor de cursos de treinamento gerencial. Autor de dois livros texto e de várias dezenas de artigos em livros e periódicos médicos e musicais, nacionais e internacionais.
A palestra do dia 23 propõe uma análise de algumas das características centrais da vida contemporânea, como: pressa; grande densidade populacional; deterioração da qualidade das relações sociais; modificações no conceito de hierarquia; perda dos limites do público com o privado; inundação tecnológica e de informações; consumo desenfreado; fragilização de valores e instituições e perdas de referenciais existenciais seguros. 
Informações adicionais e inscrições: (31) 33091518 - info@ideacultura.com.br
Dando prosseguimento ao seu compromisso cultural, em breve,  a IDEA inaugura Livraria em sua sede.
VISITE:
IDEA ESPAÇO CULTURAL
A IDEA é lugar privilegiado de troca. “Aqui se estimula o debate entre as diferentes áreas do saber. Aqui se acredita na eficiência do diálogo, usando linguagem clara e metodologia eficaz e facilitadora de apreensão do conhecimento. Além disso, a IDEA é um centro do prazer de pensar, de se expressar e de aprender. A IDEA é um local de debates, palestras, livraria e editora, com intuito de disseminar a cultura, de forma clara e instigante, porém, criteriosamente fiel às obras dos criadores. Em ambiente extra-acadêmico, a IDEA oferece cursos livres e palestras nas áreas de artes, ciências sociais, filosofia, economia, história, música e literatura, reunindo renomados professores e conferencistas. Os cursos, de curta duração, apresentam o diferencial de serem ministrados em pequenos grupos, possibilitando maior troca de ideias e maior interação entre os participantes e os professores.”
Sob a gestão de Maria Inês Marreco,  inaugurada em maio de 2015, IDEA está sediada em um belo casarão, tombado pelo Patrimônio Cultural e, cuidadosamente, adaptado, em seu interior, para a nova finalidade. 
A inauguração aconteceu com um concerto realizado pelo soprano Rosana Orsini e pelo pianista Marco Brescia, em evento com participação da ilustre escritora Nélida Piñon, que dá nome ao auditório.
Graduada em Letras Português/Inglês,especialização em Inglês, Mestre e Doutora em Literaturas de Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais e doutora em Literatura Brasileira pela Universidade Federal de Minas Gerais, Maria Inês Marreco é autora de diversos livros e artigos científicos publicados em revistas de literatura no Brasil e no exterior.  É membro do Grupo de Pesquisa Letras de Minas da FALE/UFMG. No ano académico de 2015, Maria Inês Marreco é assistente da Dra. Nélida Piñon na Cátedra José Bonifácio da Universidade de São Paulo. É presidente da Academia Feminina Mineira de Letras, Cadeira nº 16.
Além do evento de inauguração, que contou com a presença do Secretário da Cultura do Estado de Minas Gerais,  Angelo Oswaldo de Araújo Santos,  para além de diversas personalidades da literatura mineira, entre ações realizadas na IDEA, registram-se:  palestra com Denise Damiani, Silvia Lacase e Betania Tanure;  mesa redonda sobre o autismo na infância, por Raquel Cavendish Porto, Juliana Gama Dadalto e Jeissy Conceição Andrade de Paula. A IDEA estabeleceu parcerias com o Instituto Aletria e com a Câmara Mineira do Livro,  para a realização de cursos sobre a arte de contar histórias.
O Auditório Nélida Piñon
O Auditório Nélida Piñón tem a capacidade para 67 pessoas e está equipado com iluminação de palco, tela e projetor para conferências, câmara e microfones para filmagem e gravação fonográfica dos eventos e um piano Yamaha de 1/4 de cauda para concertos de música de câmara. O Espaço oferece a possibilidade do acompanhamento de um técnico durante o evento,  para a operação de todo o equipamento e gravação audio-visual do mesmo. O local está aberto à avaliação de propostas de uso do espaço para produções temáticas afins.
O Espaço Idea abre suas portas para eventos como lançamentos de livros, confraternizações e bate papos com autores em uma ambiente agradável e descontraído.
O objetivo central da IDEA é a promoção das diversas formas de cultura e o estímulo a leitura. Assim foram criadas as Conferências Idea, eventos temáticos com 4 palestrantes convidados para mini palestras (de até 20 minutos) através das quais compartilham suas experiências e ideias em palestras breves e envolventes. Após o evento, um coquetel no Espaço Idea permite a interação entre o publico e todos os palestrantes convidados.

Após as palestras, bate papo com autores e lançamentos de livros,  será possível encontrar as obras dos autores, bem como obras indicadas pelos mesmos sobre os temas abordados na Livraria. Além disso, um acervo que une boa leitura e qualidade estará disponível para aquisição. 

BH RECEBE "CHACRINHA, O MUSICAL"

RODA, RODA, RODA E AVISA! 
Visto por mais de 200 mil pessoas no Rio de Janeiro e em São Paulo, o espetáculo “Chacrinha, O Musical” chega a BH nos dias 25, 26 e 27 de setembro. 
Com interpretações impecáveis de Stepan Nercessian e Pedro Henrique Lopes, no papel do Velho Guerreiro em fases distintas, o musical homenageia uma das figuras mais extravagantes e significativas do rádio e da TV brasileira, responsável por revelar grandes nomes da música nacional e inventor de bordões infames. 
A superprodução da Aventura Entretenimento marca a primeira direção teatral de Andrucha Waddington e conta com texto de Pedro Bial e Rodrigo Nogueira, direção musical e arranjos de Delia Fischer, coreografias e direção de movimento de Alonso Barros, figurinos de Claudia Kopke e direção de arte e cenografia de Gringo Cardia, remetendo desde às origens de Abelardo, em Pernambuco, ao lendário Cassino do Chacrinha. 

As apresentações acontecerão nos dias 25, 26 e 27 de setembro, sexta-feira às 21h, sábado às 16h e 21h, e domingo às 19h, no Grande Teatro do Palácio das Artes (Av. Afonso Pena, 1537 - Centro). Ingressos com valor entre R$ 25,00 e R$ 100,00. Informações pelo site www.ingresso.com. A trilha sonora reúne mais de 60 sucessos da música nacional.

ELKE CANTA & CONTA EM BH


10 de set de 2015

A VIDA NOS 50 ANOS DO MINEIRÃO




O Mineirão completou 50 anos e abriu as portas de sua Esplanada para uma festa que agitou a esplanada do gigante, durante 12 horas. Estima-se que cerca de 20 mil pessoas passaram por lá. 

Bandas musicais e outras atrações artísticas se revezaram nos palcos do evento, enquanto o público curtia food trucks e bares temáticos. Os cães de estimação puderam entrar e famílias inteiras podiam ser vistas se divertindo no local. As crianças tiveram à disposição brinquedos infláveis e outras atrações apropriadas à idade, tais como oficinas de pintura e cama elástica. 

  


A manhã começou com a corrida de 5km que deu medalha timbrada com a frase "50 - o Mineirão é nosso e mobilizou corredores animados em alto astral pelo sentido da data. Já habituado à provas como esta, o paratleta Juliano Costa cumpriu o percurso e, foi um dos presentes que deixou sua marca, mostrando que a festa era de justa inclusão. 







O Estádio não foi aberto ao público, mas, lá dentro,  Manoel Messias (foto), encarregado do campo, não se descuidou do gramado,  molhando tudo, na hora certa. Presidiário em condicional, com passagem por varios presídios de Minas, hoje usa tornozeleira de monitoramento e há três anos refaz sua vida cuidando do gramado do Mineirão.


Muitos funcionários e ex-funcionários aproveitaram o dia de festa com suas famílias. Um deles é O Sr. Zé França, podemos dizer que é mesmo uma das luzes que fazem a alma deste gigante! Ele começou no Mineirão , em março de 1961, como servente e prosseguiu até 2011, fechando a carreira como gerente operacional. Aos 76, foi celebrar o cinquentenário do Mineirão com filhos e netos. Pessoa de muito carisma que, literalmente, viu o estádio nascer, presenciando sua construção. 



Não há como visitar o nosso Mineirão sem experimentar o tradicional tropeiro. Então, nesta, visitei as instalações da cozinha, anfitrionada pela chefe: Na foto, comigo,  Sônia Maria da Costa. Dona Sônia é a mãe do tropeiro no Mineirão. Há trinta anos comandando a cozinha, tem 54 funcionários na casa, muitos, familiares construindo a vida por lá. Processo do tropeiro dá gosto de ver. Higiene total, afeto e sabor que fazem a história do prato indispensável nos dias de jogo. Viva! 




(antes do show, no Camarin, Familia Nastácia registrou  presença ao lado da banda)

A festa foi coroada com shows lindos, como o da Banda TiaNastácia. A turma, que há décadas faz música consciente, mostrou a que veio levantando a galera. Após o calor escaldante, TiaNastácia veio trazendo uma chuva refrescante que garantiu a animação geral. 


Do lado contrário ao gigante, arco-iris coloriu o céu. Mais tarde, Cesar Menotti e Fabiano, convidados de Minas ao Luar foram primorosos em show que fez todo mundo cantar. Não deixaram de lado o hit  "... pois não há lugar melhor que BH", levantando o coro de milhares. Festa honesta. Na história do estádio, na boca do povo: "o Mineirão é nosso". 

(por Márcia Francisco - texto e fotos)


4 de set de 2015

MINEIRÃO: 50 ANOS

O Mineirão completa 50 anos  e a festa acontece neste sábado, 05 de setembro.
Confira a programação e participe> 
http://www.mineirao50anos.com.br/festa



CONFIRA A OPERAÇÃO ESPECIAL DA BHTRANS PARA O DIA DO EVENTO: 

A BHTRANS realiza operação de trânsito no entorno do Mineirão, a partir das 19h de sexta-feira, dia 4/9 até às 2h de sábado, dia 5/9, para o evento 50 Anos do Mineirão, que acontece na esplanada do estádio. A previsão de público, segundo os organizadores do evento é de 17 mil participantes.

Faixas de tecido serão afixadas para orientação aos condutores. Agentes da Unidade Integrada de Trânsito (BHTRANS, Polícia Militar e Guarda Municipal) irão operar o tráfego na região. Para a segurança de todos, a BHTRANS orienta os motoristas a redobrar a atenção e respeitar a sinalização implantada durante a operação e os agentes de trânsito.

MEDIDAS OPERCIONAIS (Veja mapa)

- A partir das 19h de sexta-feira, dia 4/9, serão implantadas reserva de áreas (proibição de estacionamento) entorno do estádio para garantir a fluidez do trânsito.

- Para facilitar o acesso ao estacionamento será interditado o cruzamento da Avenida Cel. Oscar Paschoal com Avenida Antônio Abrahão Caram, a partir das 11h30 de sábado, dia 5/9.

TRANSPORTE COLETIVO

A BHTRANS orienta que os espectadores do show utilizem, preferencialmente, o transporte coletivo. Veja a relação de linhas que passam próximo ao Mineirão:

 
- Linha MOVE 51 (Estação Pampulha/ Centro/ Hospitais - Paradora);
- Linha MOVE 52 (Estação Pampulha/ Lagoinha - Paradora);
- Linha MOVE 63 (Estação Venda Nova/ Lagoinha)
- Linha MOVE 64 (Estação Venda Nova/ Assembleia via Carlos Luz)
- Linha MOVE 67 (Estação Vilarinho/ Santo Agostinho via Carlos Luz)
- Linha MOVE 68 (Estação Vilarinho/ Lagoinha)
- Linha MOVE 5250 (Estação Pampulha/ Betânia)
- Linha MOVE 5550 (Estação Pampulha/ Estação Ponto São José)
- Linha MOVE 6350 (Estação Vilarinho/ Estação Barreiro Via Anel)
- 5106 – (Bandeirantes/ BH Shopping);
- 5401 (São Luiz/ Dom Cabral);
- Circulares 503 e 504 (Santa Rosa/ Aparecida/ São Luís);
- Suplementares 51 (Circular Pampulha), 53 (Confisco/ Pampulha/ São Gabriel), 54 (Dom Bosco/ Shopping Del Rey);

VEÍCULOS PARTICULARES

Estacionamento Mineirão - O estacionamento interno do Mineirão conta com 2.800 vagas, gerenciada pela Minas Arena. Agentes de trânsito irão informar sobre a lotação.

É importante destacar que é proibido estacionar no entorno do Mineirão. Não será possível estacionar nas pistas interna e externa, que serão dedicadas ao acesso/saída do estacionamento do estádio. Desta maneira, os participantes devem ficar atentos e respeitar a sinalização de trânsito.

O Mineirão conta com 4.020 vagas para os torcedores. São 2.800 no estacionamento da Minas Arena, 900 no Mineirinho, 230 na Avenida Abrahão Caram (Sentido Antônio Carlos – Mineirão), além de 90 para vans e micro-ônibus. Mesmo como esse número de vagas, a prioridade da BHTRANS é incentivar o uso do transporte coletivo.


3 de set de 2015

VIRADA CULTURAL DE BELO HORIZONTE


Vinte e quatro horas, ininterruptas, de programação artística e cultural nas diversas áreas: música, teatro, dança, circo, audiovisual, literatura, artes plásticas, moda, gastronomia. Esta é a proposta da Virada Cultural de Belo Horizonte, um circuito que irá reunir o melhor dos artistas de Belo Horizonte a partir das 19h do dia 12 até as 19h do dia 13 de setembro de 2015.
Em sua terceira edição, a Virada traz à tona conceitos discutidos e apropriados pela cidade, como o uso do espaço público, sustentabilidade, mobilidade e novas vivências.
A programação contempla artistas selecionados, artistas convidados, projetos aprovados da Lei Municipal de Incentivo à Cultura. As apresentações oficiais serão gratuitas e realizadas em vários palcos pela cidade, além da programação associada em teatros, museus, centros culturais e outros espaços. Na música, o público vai poder conferir shows de ícones como Tianastácia, Sepultura e muito mais!
Veja a programação completa: CLIQUE AQUI

CIRCUITO VIVER BEM - ARAUJO - 2015


SAIBA MAIS: 
http://www.araujo.com.br

2 de set de 2015

“NÃO IMPORTA A PERGUNTA, A RESPOSTA É O AMOR”




Com entrada franca, será no dia 29 de setembro, terça-feira, às 19h, no Teatro de Câmara do Cine Theatro Brasil Vallourec (Av.Amazonas,  315 – Centro – BH – MG), a noite de autógrafos e Lançamento do Livro: “Não importa a pergunta, a resposta é o amor - Mano Down: mais relatos de um irmão apaixonado (autonomia, independência e sexualidade), de Leonardo Gontijo, com o show “No compasso do amor”, de Dudu do Cavaco e Banda.

Após o sucesso de “Mano Down: relatos de um irmão apaixonado” e “Quer saber? Eu quero contar: Aprendizados e lições na Síndrome de Down”, Leonardo Gontijo, irmão de Eduardo Gontijo, o Dudu do Cavaco, lança o livro “Não importa a pergunta, a resposta é o amor - Mano Down: mais relatos de um irmão apaixonado (autonomia, independência e sexualidade), pela Editora Ser Mais.  No livro, Leonardo abre espaço para histórias do irmão Eduardo Gontijo Vieira Gomes, o “mano down”, a partir dos seus 21 anos:  “Caçula de uma família que já tinha três filhos, ele chegou para agregar. Se no nosso primeiro livro, "Mano Down: relatos de um irmão apaixonado", falo sobre a sua chegada e seus primeiros passos rumo ao desenvolvimento, no novo livro, conto como o Dudu criou comigo o Instituto Mano Down, falo da nossa incansável maratona de palestras Brasil afora, do seu inquestionável aprimoramento musical, que o transformou no Dudu do Cavaco, e da nossa eterna luta para que o amor supere a exclusão.” (Leonardo Gontijo)

A produção literária, de 224 páginas, tem prefácio do Professor Dr. César Nunes e inclui 30 depoimentos de médicos, psicólogos e jornalistas.  Relatos de nomes reconhecidos publicamente, como: Zan Mustacchi, Marco Túlio (Jota Quest), Aline Calixto e Fernanda Honorato, estão presentes.  Capa: Carolina Mota e Desenho Editorial. Revisão: Samuri José Prezzi e Mirtes Helena Scalioni.

Irmãos
Quem entra em contato com os irmãos Leonardo e Dudu, o “Mano Down”, tem a oportunidade de experimentar, as maravilhas da prática salutar e espontânea da inclusão, no sentido mais justo da palavra. Esta dupla denota as maravilhas pessoais e comunitárias que o respeito ao ser humano e às suas diferenças podem construir. A simbiose de amor e luz que emanam de Eduardo e Leonardo Gontijo, deu origem ao Instituto Mano Down, que há alguns  anos realiza cursos, palestras e eventos diversos em todo o país, com o objetivo de esclarecer e conscientizar as pessoas em relação à Sindrome de Down e a justa inclusão necessária, das pessoas com Down.  Ao lado da riqueza deste trabalho, brilha o talento nato e ativo de Eduardo Gontijo, o Dudu do Cavaco que, por si próprio, deixa claras as possibilidades de sucesso e superação da pessoa Down. Nos palcos em palestras ou com seu cavaquinho companheiro, Eduardo Gontijo é um exemplo notável de astral contagiante.

O evento do dia 29 convida o público a uma noite de celebrações: além do lançamento do livro de Leonardo Gontijo, o show de Dudu do Cavaco, junto à sua banda, comemora a gravação de seu DVD de apresentação.  Trata-se do primeiro DVD gravado ao vivo por um músico com Down, bem como Dudu é o primeiro músico brasileiro com Down a ter banda própria, objetos de possível inclusão no Guiness Book.  O DVD demonstrativo vem no encarte do livro.

No show “No compasso do amor”, Dudu do Cavaco apresenta canções do disco gravado no Estúdio Na Trilha. O repertório de MPB inclui, clássicos como: Tristeza, Aquarela do Brasil, Pela luz dos olhos teus, Quem sabe isso quer dizer amor, Garota de Ipanema, Corcovado e Como é grande meu amor por você. O artista sobe ao palco acompanhado pela banda: Bill Lucas (percussão); Felipe Fantoni (baixo acústico); Márcio Brandt (violão), Bernardo Britto (teclados) e Alcione Oliveira (percussão e pandeiro).
“(...)Este livro é um convite! A reafirmar a fé na vida, na condição humana, na marcha libertadora da sociedade civil e da cultura brasileira recente! A sua leitura  transforma a nossa alma, muda nossos olhares sobre a pessoa com Síndrome de  Down, altera nossos rótulos esmaecidos pelo tempo! Do cavaco de Dudu, das palavras e orações de Leonardo se ergue um monumento de amor ao mundo, ao bem, ao irmão, à grandeza da existência de cada pessoa neste mundo!(...)”
(trecho do prefácio, por Professor Doutor César Nunes - Professor Titular de Filosofia e Educação da UNICAMP)

“Não importa a pergunta, a resposta é o amor”
por Leonardo Gontijo
Neste trabalho, abro espaço para as histórias do meu irmão Eduardo Gontijo Vieira Gomes a partir dos seus 21 anos. Caçula de uma família que já tinha três filhos, ele chegou para agregar. Se no nosso primeiro livro, "Mano Down: relatos de um irmão apaixonado", falo sobre a sua chegada e seus primeiros passos rumo ao desenvolvimento, neste “Não importa a pergunta, a resposta é amor (Mano Down: mais relatos de um irmão apaixonado) conto como o Dudu criou comigo o Projeto Mano Down, falo da nossa incansável maratona de palestras Brasil afora, do seu inquestionável aprimoramento musical, que o transformou no Dudu do Cavaco, e da nossa eterna luta para que o amor supere a exclusão.
Não queremos ser exemplo de nada, muito menos solucionar problemas de famílias semelhantes a nossa. Ao contrário, o que queremos é apenas oferecer nossa experiência de vida para afirmar que vale a pena lutar, acreditar e trabalhar pelas pessoas com Síndrome de Down. Não sou especialista no tema. Sou especialista na convivência com um irmão com SD, sou especialista em Dudu. E o que o Eduardo deseja e precisa não é  de piedade e sim de respeito, que todos o tratem como gostariam de ser tratados.
É notória a falta de literatura relacionada ao tema “Irmãos de pessoas com Síndrome de Down”. Andei recebendo questionamentos sobre o assunto e sempre ressalto que o que tenho é apenas a experiência de conviver com meu irmão. Sugiro sempre aos pais e parentes de pessoas com a síndrome que conversem sobre o assunto com elas. O silêncio e a falta de respostas às perguntas e questionamentos jamais formulados não levam ao crescimento. Pelo contrário, escondem situações que, muitas vezes, podem prejudicar o entendimento e o desenvolvimento de quem tem uma deficiência intelectual. O essencial é o incentivo a uma comunicação aberta, de forma a eliminar receios e esclarecer concepções muitas vezes errôneas sobre o assunto. Não há como negar que, em geral, os irmãos das pessoas com SD experimentam uma grande variedade de sentimentos. Nesse contexto, só o diálogo e a orientação permitem desenvolver o reconhecimento e a compreensão de tais atitudes. A consequência da falta de esclarecimento e de informação é, certamente, a ansiedade e o sofrimento de pais, irmãos e filhos.
Muitas vezes, o percurso do entendimento dos irmãos é uma trajetória solitária, já que o cotidiano familiar e social centra suas atenções na pessoa com Down, não oportunizando  um olhar cuidadoso para os demais irmãos. Qualquer mudança em um integrante da  família afeta todos os demais, dependendo do estado psicológico daquele grupo. Mas se abrirmos nossos horizontes e quebrarmos tabus, abre-se a possibilidade de ampliar vínculos de amor, solidariedade e companheirismo.
A convivência estreita com pessoas com Síndrome de Down é, com certeza, uma fonte inesgotável e constante de aprendizado. É preciso ficar atento e aprender conjuntamente.  Somente a informação séria, o diálogo e a transparência conseguem reverter mitos e tabus que rondam o imaginário de quem não tem a experiência de conviver com pessoas
com qualquer deficiência.
Neste momento, vale a reflexão: diversidade é o conjunto de diferenças e semelhanças que nos caracterizam, não apenas de diferenças. Diversos não são os outros que estão em situação de vulnerabilidade, desvantagem ou exclusão. Esta maneira de encarar a diversidade como uma característica de todos nós, e não de alguns, faz toda a diferença quando trabalhamos o tema. Não se trata de incluir os que ficaram do lado de fora porque eles são diversos. Eles ficaram de fora porque estamos cometendo injustiças.
Nas rodas de amigos, navegando na web e em artigos que leio, notei que muitos confundem preconceito com discriminação. Isso acontece porque o preconceito vem, muitas vezes, carregado de discriminação, pois por meio dele a pessoa vai moldar seu comportamento diante do outro. Mas preconceito, de acordo com o dicionário Aurélio, deriva de “pré”+“conceito” e significa “conceito ou opinião formados antecipadamente, sem maior ponderação ou conhecimento dos fatos; idéia preconcebida". Preconcebida, por sua vez, quer dizer “concebido ou planejado sem maior reflexão”.
Já discriminação refere-se ao ato ou efeito de discriminar – diferençar, distinguir, separar, apartar. Daí, podemos tirar nossas conclusões. Quase todas as pessoas têm conceitos preconcebidos. O que temos que evitar é, sem questionar nossos preconceitos, agir de forma discriminatória. Resumindo, preconceito é a ideia. Discriminação é a ideia colocada em "prática". Querem um exemplo? Você pode não gostar de homossexuais - esse é um preconceito. Mas a partir do momento que você passa a insultá-los ou agredi-los, ocorre a discriminação.
Neste trabalho, abro espaço para as histórias do meu irmão Eduardo Gontijo Vieira Gomes a partir dos seus 21 anos. Caçula de uma família que já tinha três filhos, ele chegou para agregar. Se no nosso primeiro livro, "Mano Down: relatos de um irmão apaixonado", falo sobre a sua chegada e seus primeiros passos rumo ao desenvolvimento, neste “Não importa a pergunta, a resposta é amor (Mano Down: mais relatos de um irmão apaixonado) conto como o Dudu criou comigo o Projeto Mano Down, falo da nossa incansável maratona de palestras Brasil afora, do seu inquestionável aprimoramento musical, que o transformou no Dudu do Cavaco, e da nossa eterna luta para que o amor supere a exclusão.

Leonardo Gontijo
Graduado em Engenharia Civil e Direito, pós graduado em Engenharia Ambiental Integrada com ênfase em Legislação Ambiental e Gestão de Projetos, Mestre em Administração, na linha de Pesquisa Responsabilidade Social, ex-diretor de Sustentabilidade da Verde Ghaia Consultoria, atualmente é professor universitário, em conceituadas instituições mineiras  e, por escolha, dedica-se ao Instituto Mano Down, do qual foi o idealizador  e é o presidente. Natural de Belo Horizonte, 36 anos, Leonardo é autor dos livros: “A Segurança no Trabalho como Responsabilidade Social das Empresas”, “Estratégia e Implantação do Sistema de  Gestão Ambiental” “Mano Down: relatos de um irmão apaixonado”, “Quer saber? Eu quero contar: Aprendizados e lições na Síndrome de Down” e do novo: “Não importa a pergunta, a resposta é o amor”, Editora São Jerônimo. 

Eduardo Gontijo, o Dudu do Cavaco
Eduardo Gontijo foi diagnosticado com Sindrome de Down, por ocasião do seu nascimento, em 1990, na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais.
Desde criança, Dudu, como é popularmente conhecido, tem vencido dia após dia, as barreiras, dificuldades e preconceitos que parte da sociedade possui acerca do diagnóstico. Exercício ativo que se dá com muita luta, esforço, força de vontade, amor, fé, carinho e dedicação à música, em especial no manuseio e aprendizado do cavaquinho. Ainda novo, por influência familiar, Dudu fez estudos de música e instrumentos musicais que culminaram com a formação do artista. Sua trajetória inclui participação em shows e discos de personalidades musicais reconhecidas. Sua vitoriosa trajetória deu origem ao livro Mano Down: relatos de um irmão apaixonado e ao lançamento de um CD pelo grupo Zumberê, com participação especial de Dudu. A força de superação e valores humanos de Eduardo Gontijo também deram origem a ao Instituto Mano Down, ação social de conscientização pública a respeito da Síndrome de Down e valores de inclusão. O Instituto tem divulgação  ampla e ações interativas tais como, palestras (ministradas por especialistas e pelo próprio Dudu), cursos, produção de agenda e calendário inclusivo, caminhadas e mais. Na música, o palco chama Dudu que se apresenta como solista ou junto à própria banda ou com o grupo Trem das Onze.

Instituto Mano Down
Esta entidade nasceu pela certeza do grande potencial das pessoas com down, cujo desenvolvimento depende de estímulos e oportunidades, bem como da participação ampla e irrestrita na sociedade.  O Instituto Mano Down tem como um dos seus principais objetivos o desenvolvimento das possibilidades e potencialidades das pessoas com down para a participação social.  
Missão: valorizar as potencialidades das pessoas com down e estimular suas habilidades, aptidões e competências.
Desenvolvimento das possibilidades e potencialidades das pessoas com down para a participação social.
PROMOVER MEIOS QUE FACILITEM O DESENVOLVIMENTO DAS PESSOAS COM SÍNDROME DE DOWN PARA A SUA INCLUSÃO PLENA NA SOCIEDADE
SAIBA MAIS!