4 de jul de 2015

MULHERES EMERGENTES by TÂNIA DINIZ - 25 ANOS


Imagine falar em “mulheres emergentes”, há 25 anos atrás. Imagine,  agora, uma mulher guerreira e sensível, já à frente do seu tempo, onde remanescia o feminismo confundido com a negação do feminino, para se estabelecer. Assim nascia a expressão da poeta Tânia Diniz, que parecia prever a força da palavra e da intuição da mulher como sua força mais genuína.  Nascia o mural “Mulheres Emergentes” e, com ele, um conceito que através da partilha pública, uniria a arte poética de centenas de mulheres em suas mais diversas veias e versos.  Muita honra em ter meus versos integrando várias de suas edições.
Tânia Diniz, aproximou o profano do sagrado, o tímido do extrovertido, o básico do extraordinário, gerando um fio de luz em foco emergente, bodas de prata à sua frente. Sim, Mulheres Emergentes, desta ativista audaz , chega a 2015, com muita história para contar.  Neste breve registro, minha reverência à força de cura, inerente  na vida e na obra generosa de Tânia Diniz. Palmas, muitas. E todas as bodas, mais!

(Márcia Francisco, jornalista, escritora e cantora)

Tânia Diniz, que celebra também os 25 anos do jornal Mulheres Emergentes, é a convidada do projeto Terças Poéticas, do dia 7 de julho. O evento acontece às 19h, no Teatro João Ceschiatti. O  público confere a leitura dos contos e poemas de Tânia, além de um bate-papo mediado por Wilmar Silva de Andrade. Para completar os festejos, o Terças Poéticas conta com a exposição de exemplares do jornal mural Mulheres Emergentes, o sensual em cartaz. As publicações do jornal são compostas por autores consagrados e novos talentos, com circulação internacional. É considerado um trabalho pioneiro por enfatizar o feminino nas artes, a sensualidade, a condição de mulher e o olhar masculino que a aprecia.  Além disso, é fonte de pesquisas e tem sido estudado em diferentes universidades do mundo.
 Além de poeta, Tânia é contista, editora, haicaísta e professora. Em 1997, publicou pelo Mulheres Emergentes Edições Alternativas, a Coleção Almanach de Minas composta por 17 títulos de poesia, trazendo autores consagrados, como Adão Ventura, Vera Casa Nova, Wilmar Silva de Andrade, entre outros, em comemoração ao centenário de Belo Horizonte. Ministra ainda, oficinas de haicai e é idealizadora de exposições. É autora dos livros O Mágico de NósFlor do QuiaboRelato de Viagem à Marmelada, dentre várias publicações.
Informações adicionais: 31 3236-7400
fonte das informações do evento: Terças Poéticas

Nenhum comentário: