26 de nov de 2015

DUÁ



Será no dia 11 de dezembro, sexta-feira, às 21h, no Studio Bar (Rua Guajajaras,  842 – Centro – BH – MG)  a noite de autógrafos e show de lançamento do CD DUÁ, do produtor musical, arranjador, multi-instrumentista e compositor, Sérgio Duá.  O evento também celebra o lançamento da Cerveja Duá Dunkel Weisbeer e do videoclipe da música Tarde Cinzenta. 
Recheado de referências diversas, “Duá” reflete a multiplicidade de ritmos e gêneros musicais que permeiam suas composições. MPB, xaxado, afoxé, rock'n roll, tango, baião, samba, choro e toques de pop, em boa medida,  se unem em um trabalho que se apresenta coeso e forte, com sonoridade refinada.
 O álbum revela 15 composições, compiladas que registram mais de 10 anos de intensa produção, em diversos projetos e viagens que ajudaram a moldar o seu trabalho de estréia. 
No repertório do CD: Ando Caducando, EFA (Me Fala), Queredo, Que Mulher, Bela que Beijo, Sol se Chover, Filha da Fruta, Tarde Cinzenta, O Porre do Pato, Menino de 11 Dedos, Nada Complicado, Fada, Sabia Sim e So Wonderful, alem de Bola pra Frente - Bonus Track)
Além de assumir a composição, guitarras, violões e vocais, Sérgio Duá assina também a gravação, produção e mixagem do trabalho, cuidando de todos os processos da concepção ao resultado final. 
No show, do dia 11, sobem ao palco: Duá (voz, violão e guitarra), André Mola (guitarra), Analu Braga (percussão), Vinicius Cavalo Doido (baixo), Thiago Oliveira (batera). 
O evento tem consultoria de produção de Celinha Braga. 
Informações adicionais e reservas de mesa: (31) 3047-1020.
Ingressos antecipados: www.sympla.com

SÉRGIO DUÁ
Duá é publicitário - graduado em publicidade e propaganda - , músico, arranjador e produtor musical. De família de músicos de São João Del Rey, com pai e avós com ouvido absoluto, desde criança Duá esteve no meio musical, tocando, cantando e ouvindo.
Não diferente, sua experiência profissional traduz sua relação com a música, que sempre foi alvo do artista:
Professor de violão e guitarra na Celinha Braga Oficina de Música em BH, traz em sua formação aulas de canto com Celinha Braga e Patricia Ahmaral e aulas de violão e guitarra na Pro Music e na Yamaha, entre outros registros.  
Duá é produtor de jingles, programa de rádio, DVD ao vivo (produção e edição de audio e vídeo), sound design para animação, produtor da animação: “Como Gravar o Seu CD Independente”. (youtube) e Editor de locução na HP Studio.  
Mestre em Produção de Áudio na University of Westminster em Londres (2007), foi músico contratado para tocar nas Ilhas de Chipre, no mar mediterrâneo em 2008; 
Operador do Pro Tools com certificado da Digidesign/Avid em Londres, tem na história, atuação como produtor musical, engenheiro de gravação, mixagem e masterização:  Play Recording Studios (Londres), Studio Vila (BH),  Studio Duá, com seu Pai, pianista Sílvio Assis (BH e Santos) e Pro Music (BH). 
Atualmente é professor de produção musical na Pro Music, tradicional escola de música da zona sul de BH; 
O artista fez o arranjo musical do espetáculo "Lago Brasil", releitura da trilha sonora do Lago dos Cisnes de Tchaikovsky, para a Cia de Dança SESIMINAS. Foi vencedor do concurso de marchinhas Mestre Jonas do carnaval de 2015 com a música:  Rejeitados de Guarapari (parceria com Flávio Caixeiro e Rai Medrado).


NOITE DE AUTOGRAFOS E LANÇAMENTO DO CD “DUÁ”
de SÉRGIO DUÁ
11 de dezembro, sexta-feira, às 21h
Studio Bar
Rua Guajajaras,  842 – Centro – BH – MG
Informações adicionais e reservas de mesa: 
(31) 3047-1020
Ingressos antecipados: www.sympla.com

24 de nov de 2015

RESULTADO PRÊMIO CIDADE DE BELO HORIZONTE - LITERATURA

A Fundação Municipal de Cultura divulgou as obras vencedoras do Concurso Nacional de Literatura Prêmio Cidade de Belo Horizonte, mais antiga premiação literária do país. A edição deste ano contemplou obras em duas categorias: conto e poesia.  

Na categoria conto, o vencedor foi Ricardo Henrique Hao, de 45 anos, paulista que reside em Marabá - PA, com a obra “Antologia Brutalista”. Segundo o júri, formado por Branca Maria de Paula, João Pombo Barile e Paulo Scott, “o autor é dono de uma linguagem singular, envolvente, densa e elaborada, que constrói, com pulso firme, narrativas refinadas e não panfletárias, que contemplam as contradições do nosso tempo, dialogando com diferentes temas e situações de forma segura e convincente”.

Na categoria poesia, o vencedor foi o belo-horizontino Estêvão Machado Gontijo, de 56 anos, com a obra “O rio no bolso”. De acordo com o júri, formado por Jorge Viveiros de Castro, Ricardo Aleixo e Sérgio Alves Peixoto, a obra é “bem estruturada e bem realizada, conjugando forma e conteúdo com linguagem original e amplo repertório de recursos poéticos”. Cada um deles receberá o prêmio de R$50.000,00 (cinquenta mil reais).

Prêmio de tradição
Criado em 1947, na comemoração do cinquentenário da capital, o Concurso Nacional de Literatura Prêmio Cidade de Belo Horizonte é o concurso literário mais antigo do país. Um de seus principais atributos é o fato de o concurso premiar apenas obras inéditas. A cada edição, o Prêmio Cidade de Belo Horizonte contribui para o surgimento de novos escritores e obras. Autores como Carlos Herculano Lopes, Antônio Barreto, Luis Giffoni, Roseana Murray, Maxs Portes, entre outros, integram a galeria de vencedores do concurso. A última edição do Prêmio Cidade de Belo Horizonte recebeu número recorde de inscritos (1712), com a participação de autores de todas as regiões do país e até de brasileiros que moram no exterior.

CELEBRAR 15 ANOS: Anthonio Escola de Canto comemora 15 anos de atuação em super show



          foto: Bruno Saldanha


Será no dia 10 de dezembro, quinta-feira, às 20h30, no Teatro Alterosa (Av. Assis Chateubriand, 499 – Floresta – BH – MG), o show “Celebrar 15 anos”, que comemora os 15 anos de vida da  Anthonio Escola de Canto.
Idealizada e coordenada pelo professor de técnica vocal, vocal coachcantor, e compositor mineiroAnthonio, a “Anthonio Escola de Canto” está localizada à Rua Ulhoa Cintra, 95/ 704 - Santa Efigênia, BH - MG e é, hoje, uma referência valiosa para artistas da música, em suas mais variadas plataformas de atuação. Através da Escola, Anthonio desenvolve trabalhos com cantores profissionais de vários estilos musicais, formando novos professores, atendendo projetos como vocal coach, direção geral e vocal de espetáculos, gravações de CDs e DVDs.
foto: Thiara Viggiano

Entre os artistas, grupos, espetáculos e projetos que já contaram com a expertise da Anthonio Escola de Canto, estão: Paula Fernandes, César Menotti e Fabiano, João Neto & Cesinha – Aracajú SE e Lu & Tchelo, no sertanejo;  Henrique Portugal – SKANK, no Pop Rock; Pe. Fábio de Mello, Eros Biondini, Banda Nova Aliança e Celina Borges, namúsica católica e secular; Antônio Nastácia –  Banda Tianastácia, Guto Santana – Vocalista da Banda Falunja – Brasília, Juliano Mourão – Vocalista da Banda Omeriah  - BH, Marcos Farrah – Vocalista da Banda Theveras – BH, Luiza Frad’s – Vocalista da Banda Frad’s, Banda premiada entre as melhores bandas de rock de Minas, Pedro Calais – Vocalista Banda Lagum e Bloco de Carnaval Bahianas Ozadas – BH, no segmento das bandas;  Túlio Mourão – Banda Mutantes, e um dos maiores compositores e pianistas do Brasil,  Janaína Moreno e Carla Gomes – vencedoras de um dos maiores concursos de samba da Lapa – RJ, Marcelo Veronez, Maíra Labanca, Silvia Gommes; Raya Hilal – cantora francesa e cantora do mundo Árabe, entre vários cantores da nova geração mineira.
Na esfera goespel, Banda Discopraise Brasilia, Lu Alone – BH, Ian Alone – BH, Lukão Carvalho – BH, Banda Pedras Vivas – Brasilia, Brenda Santos SP – Vencedora do Raul Gil Jovens Talentos, Bianca Batestini – RJ, Cássia Tavares – Nova contratada do Raul Gil - Patos de Minas e Denise Seixas – Bola de Neve – SP.
Também passaram por lá: Dani Morais – finalista do programa Ídolos eThe Voice, Jéssica Lima – finalista do programa Novos Talentos kids –Raul Gil, Lucas e Vitor – finalista do programa Novos Talentos kids – Raul Gil, Brenda Santos SP – vencedora do programa Jovens Talentos – Raul Gil, Guto Santana, Brasilia – The Voice e Luiza Lara – The Voice  e ainda uma nova cantora que fará sua extréia no próximo The Voice kids Brasil.
 Destacam-se, ainda, nesta história sempre ativa, atuações de Anthonio e direções de alguns espetáculos, oficinas e projetos como: Espetáculo de Milton Nascimento Tambores de Minas – RJ, Espetáculo Missa dos Quilombos – RJ, Turnê Urbana Música Preta pra Balançar – Léo Richard – BH, Grupo dos catadores de papel da Asmare – BH, Grupo vocal Cocoricoral – Divinópolis, Grupo do Beco – Teatro BH, Escola de Dança Dudude Herrmman - BH,  Festival de Artes Cênicas de Araxá.
Festival de Inverno – Poços de Caldas, Cia de Dança Gisa Carvalho – Poços de Caldas, Espetáculo Negramente Belo – Poços de Caldas, Espetáculo Belamente Negro -  Poços de Caldas, Projeto Conexão Telemig Celular, Projeto Conexão Vivo Espetáculo 100 anos de Arte – Divinópolis, Festival do Caribe – Cuba Festival de Valongo – Portugal, além de todos os espetáculos da Anthonio Escola de Canto, desde 2.000.

Os ingressos para o show do dia 10, já estão à venda na Anthonio Escola de Canto.  O espetáculo Celebrar conta com a participação de quase 30 cantores, que hoje estudam com Anthonio e num clima de festa, irão celebrar os 15 anos de história da escola, trazendo um repertório que passa por vários estilos musicais como a MPB, o samba, o funk, o sertanejo universitário e caipira, o jazz, o gospel, o pop nacional e internacional, o rock, clube da esquina, ritmos afro mineiros, e a bossa nova.
Ficha técnica do show:
Direção Geral, e preparador vocal: Anthonio
Banda: Marcílio Rosa na direção musical, guitarra, violões e guitarra, Julian Giles na acordeon e teclados, Juliano Nunes no baixo, e Tininho Silva na bateria.
Cenário: Léo Piló
Iluminação: Ivan Ferreira
Engenheiro de som: Fernando Cabrito
Realização: Anthonio Escola de Canto


O cantor e compositor mineiro, Anthonio, dono de uma voz privilegiada, tem um currículo que impressiona, não só pelo volume de trabalho, mas sobretudo pela qualidade dos espetáculos e parcerias.
Em sua trajetória, anthonio já dividiu o palco com importantes nomes da música brasileira como Elza Soares, Baby do Brasil e Milton Nascimento, com quem seguiu em turnê pelo Brasil destacando-se como solista do espetáculo “Tambores de Minas”.
Entre vários trabalhos significativos na carreira de anthonio destaca-se a interpretação no espetáculo da premiada trilha sonora do filme “O Viajante”, de Túlio Mourão; a “Missa dos Quilombos” (RJ) de D. Pedro Casaldáliga e Pedro Tierra e a ópera popular “A Fogueira do Divino”, de Tavinho Moura e Fernando Brant, além de suas apresentações em Festivais internacionais em Cuba, Itália e Portugal.
Em 2001,  lançou seu primeiro cd solo, "Anthonio", dirigido por Antônio Villeroy e Gastão Villeroy composto por canções produzidas em Minas Gerais por artistas de várias gerações.
Em 2002, participou como cantor do Bloco de Percussão do Tambolelê da Festa Gentileza, considerada a maior festa de rua de Belo Horizonte.
Em 2003, após apresentação de Mike Parsons, um dos melhores djs e produtores do tech house inglês, Anthonio apresentou-se ao lado de Humberto Seu Cabelo e dj Menorah, antecedendo o dj Anderson Noise.  Ainda em 2003, interpretou ao lado de Babaya as canções do álbum “O Velho Chico”, produzido por Marcus Viana e Nestor Sant’Anna.
Em 2004, Anthonio lançou o álbum "Candombe System", produzido por Ruben di Souza. Mesclando tambores à música eletrônica, em Candombe System anthonio dá um novo tom à música das Gerais. Em 2008, o álbum “Bricabraque”, onde interpreta canções do escritor e compositor Antenor Pimenta. Em 2011, Anthonio segue em turnê de seu quinto cd de carreira, “Amor, de Toda Forma”, lançado em 2.009, compartilhando este projeto com grandes nomes da MPB como Telo Borges, Luis Melodia, Maria Gadu, Sideral, entre outros, expressando sua musicalidade brasileira dentro de uma visão contemporânea para falar de todas as formas de amor, através da elaboração dos arranjos belíssimos produzidos por Ruben di Souza.
Ainda em 2011, em parceria com o pianista Bernardo Rodrigues, dá seqüência a sua turnê  “Água, pai e céu”, iniciada em 2.010, com shows importantes no interior de Minas, participando do Festival Internacional de Corais em Mariana e  Projeto Dois Duos, na sala Vila Lobos no Teatro da Biblioteca Nacional em Brasília,  além do relançamento do musical “Rosariando” ao lado do Grupo Oficina 33, entrelaçando bonecos congadeiros e melodias trançadas em fitas de cetim.
Em 2012, finalizando a turnê “Amor, de toda forma”, anthonio abriu os shows das bandas Detonautas, Marcelo Camelo – Los Hermanos, as bandas O Rappa, e Paralamas do Sucesso. No mês de maio, foi solista do espetáculo “Concerto Centenário” em Divinópolis, e projeto “Música no Parque” em BH, ambos acompanhado pela Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, com direção de Túlio Mourão. Em junho ministrou Oficinas de Arte, Oficinas de Técnicas vocais capacitando professores arte educadores e revelando novos talentos na cidade de Divinópolis, e ainda foi homenageado e fez o encerramento do espetáculo “100 PERDER O TREM”, contando a história do centenário de sua cidade natal, ao lado de 400 crianças , produzido pelo Projeto Fazendo Arte, de Divinópolis, projeto de premiação internacional como o maior projeto de resgate social infanto-juvenil do Brasil através da arte.  
Em 2013 e 2014, Anthonio deu continuidade a sua turnê nacional e gravação de DVD, com o espetáculo “Água, Pai e Céu” ao lado do pianista e compositor Bernardo Rodrigues, percorrendo BH, SP, RJ, Florianópolis, e 5 cidades mineiras e ainda foi um dos diretores do espetáculo, 100 anos de Arte, revelando novos talentos no centenário de sua cidade natal Divinopolis.
Em 2015 o artista mergulha em uma nova parceria ao lado do violonista Renato Saldanha para realização do espetáculo Haikai Brasil, além da captação de um projeto aprovado na Lei Estadual de Incentivo a Cultura, para viabilizar a gravação de seu novo CD.
Sua trajetória como professor de técnica vocal e ministrante de oficinas em experiências vocais e corporais se dão desde 1998, quando na Babaya Escola de Canto introduziu um novo conceito integrando o corpo e a voz de cantores e artistas.
Em 1998 ministrou shows e oficinas no Festival do Caribe em Cuba.
Em 2003 levou sua oficina “Musica de Corpo e Alma” para o Festival MIT em Valongo – Portugal. Desde o seu início profissional, Anthonio  leva sua experiência como cantor, professor de técnica vocal, ministrante de oficinas de consciência e pesquisa vocal e corporal para uma infinidade de pessoas, não só de Minas mas de outros estados brasileiros e outros países.
Em 2013, Anthonio conquista sua formação profissional como Vocal Coaching, com certificado internacional pelo BCI. (Behavioral Coaching Institute - NY),  através do Instituto Édson de Paula da Academia Brasileira de Coaching.
Anthonio, tem bacharelado em psicologia pela Puc Minas, estudo de canto lírico com Ronaldo Trigueiro BH, é formado em canto popular pela Babaya Escola de Canto BH, com Selma Bruno e Babaya; e apresenta em seu currículo a participação de inúmeros cursos livres com professores renomados.
Em suas vivências teve experimentações de teatro com a Cia de Arte Gesto e Voz – BH; com Madalena Bernardes SP.(A voz e o movimento); Fabiana Cozza – SP (A voz e seu eixo); Alexandrino Ducarmo - residente nos EUA (Teatro e dança); Felipe Abreu – RJ (Técnicas e estilos musicais); Agnes Moço RJ (Canto Lírico); Francesca di Mônica – Itália (Canto de câmara); Max Dolabella BH; Isabêh – Black music e a História da Música Brasileira Popular; Beto Sorolli – canto contemporary belting; Irene Ziviane - BH (Consciência corporal); Dudude Herrmann – Bh e Paula Águas - RJ (dança contemporânea e brasileiras); Evandro Passos - BH (Dança Afro); Ogan Forró – RJ (Maculelê, danças brasileiras e orixás); Sérgio Pererê (Experimentações vocais e corporais em sua ancestralidade); estudos com as fonos Janaina Pimenta -Espaço da Voz BH, Virgínia Teixeira – BH, Silvia Pinho – SP; e ainda fez o curso de PNL (Programação Neurolinguística), com o Master Coach Edson de Paula e Liliane Marrone - SP.
Há 15 anos, Anthonio coordena sua própria escola “Anthonio Escola de Canto”, hoje localizada à Rua Ulhoa Cintra, 95/704 – Santa Efigênia -  BH - MG, desenvolvendo trabalhos com cantores profissionais de vários estilos musicais, como professor de técnica vocal, formando novos professores, atendendo projetos como vocal coach, direção geral e vocal de espetáculos, gravações de CDs e DVDs.

 CELEBRAR 15 ANOS
Show comemorativo dos 15 anos da Anthonio Escola de Canto
10 de dezembro, quinta-feira, às 20h30
Teatro Alterosa
Av. Assis Chateubriand, 499 – Floresta – BH – MG
Ingressos: R$30,00 (já à venda na Anthonio Escola de Canto)
Informações adicionais: 31 99981-0903

FESTIVAL DE ARTE NEGRA COMEÇA AMANHÃ


Duas das maiores referências da música negra feita no Brasil, Tony Tornado e a banda Black Rio abrem amanhã, às 21 horas, com show no Sesc Palladium, o Festival de Arte Negra 2015. Realizado pela Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Fundação Municipal de Cultura, o FAN BH ocupa diversos espaços na capital mineira até o próximo domingo, com atrações variadas, como uma exposição do artista plástico Jorge dos Anjos e show de Gaby Amarantos. Além do Palladium, o Parque  Municipal, os teatros Francisco Nunes e Marília, o Circuito Liberdade, o Viaduto Santa Tereza e a Academia Mineira de Letras recebem atividades do festival.

Em comemoração aos seus 20 anos de existência, o FAN BH este ano foi pensado a partir do tema “Encontros”, reforçando o caráter intercultural e a riqueza dos povos. Outras atrações que movimentam o festival são Ilê Aiyê, Rico Dalasam e pratas da casa como Zaika dos Santos, Douglas Din, Carla Gomes, U Gueto, Samba da Meia Noite. OFAN BH também promove ações como o Ubuntu – Encontro da Diversidade Religiosa, Cortejo e Encontro de Blocos, além de palestras, exibição de filmes da Cinemateca Francesa no Centro de Referência da Moda. Toda a programação oficial é gratuita e serão cobrados ingressos somente em alguns eventos associados. O Festival de Arte Negra é correalizado pela Associação dos Amigos do Centro de Cultura de Belo Horizonte – AMICULT. As ações educativas são realizadas em parceria com a SMED – Secretaria Municipal de Educação.

Criado em 1995, no tricentenário de Zumbi dos Palmares, com o objetivo de dar visibilidade à vigorosa produção cultural dos povos africanos e seus descendentes, o FAN BH completa 20 anos de existência e sua celebração acontece em um momento icônico. A 8ª edição do festival ocorre justamente no primeiro ano da Década Internacional dos Afrodescendentes, cujo período é de janeiro de 2015 a dezembro de 2024. Trata-se de uma resolução da ONU, firmada em Assembleia Geral no ano de 2013, cujo objetivo consiste em promover o respeito, a proteção e a realização de todos os direitos humanos e liberdades fundamentais de afrodescendentes, como reconhecidos na Declaração Universal dos Direitos Humanos.

De acordo com Rosália Diogo, jornalista e pós-doutora em antropologia social, uma das responsáveis pela curadoria do FAN BH, todas essas “coincidências” motivaram o tema do festival este ano.  “É muito forte pensarmos que o berço da humanidade é a África. E encontramos manifestações de matriz africana em todas as partes do mundo. O Brasil é o segundo país no mundo em termos de população negra. O primeiro é a Nigéria, no continente africano e o segundo é o Brasil. A população de Belo Horizonte se constitui de mais de 51% de população negra. Esse tema Encontros avalia como está essa produção africana em Belo Horizonte, no Brasil e também fora”, explica.

Além da programação composta por shows e debates abertos ao público, Rosália destaca ainda a exposição do artista plástico Jorge dos Anjos, nascido em Ouro Preto e residente em Belo Horizonte há alguns anos. “Quando pensamos na exposição do Jorge dos Anjos, avaliamos que ele nunca teve um destaque dentro do festival, e ele é o que consideramos como o mais nobre artista plástico negro do estado de Minas Gerais, com várias obras espalhadas na cidade e que, muitas vezes, têm passado desapercebidas pela maior parte das pessoas e queríamos trazer uma luz sobre este trabalho tão importante”, enfatiza.

O ator e produtor cultural e também curador do FAN BH, Denilson Tourinho pondera que o FAN, nesses 20 anos, fomentou a produção e valorização das artes negras na capital mineira.

“Sou fruto desse processo. O festival contribui para as artes negras e nós contribuímos para que o festival se torne cada vez mais amplo no calendário oficial da cidade”, conta.

A Multiplicidade dos encontros
Segundo Leônidas Oliveira, Presidente da Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte, "um dos objetivos do festival é promover a convivência entre as várias manifestações culturais, não se restringindo apenas às provenientes de matriz africana, estimulando, dessa forma, a reflexão sobre a tolerância, respeito e diversidade". Um dos momentos que mais simbolizam o que representa o FAN BH é o “Ubuntu - Encontro da Diversidade Religiosa”, que será realizado no dia 28/11, às 14h30, no Parque Municipal, reunindo grupos diferentes ligados às religiões de matriz africana, católica, evangélica, muçulmana e judaica. A palavra Ubuntu é de origem africana e representa a filosofia de diversas tribos. O significado pode ser resumido como “eu sou o que sou por causa de quem todos nós somos”. O encontro prevê justamente o fortalecimento dessa diversidade religiosa, firmando a noção de união diante das diferenças, simboliza essa harmonia entre povos e crenças. O evento contará ainda com A hora do Chá, ação coordenada pela artista plástica, Thereza Portes.

Cortejo e Encontro de Blocos
Nos últimos anos Belo Horizonte presenciou a revitalização vigorosa e espontânea do seu carnaval e, ao mesmo tempo, o surgimento de novos e importantes blocos.
Fazendo jus ao tema “Encontros”, o local de encerramento do tema do 8o FAN BH não poderia ser outro que não a rua, espaço de apropriação, reconhecimento, construções e desconstruções. No domingo, dia 29/11, os blocos Afoxé Bandarerê, Baianas Ozadas, Bloco Oficina Tambolelê, Bloco Afro Fala Tambor e as Sambadeiras e Bloco Afro Magia Negra, realizarão cortejos oriundos de pontos diversos da região central da cidade e se juntarão aos integrantes do  Ilê Aiyê para que, todos juntos, sob a direção musical de Rafael Leite, celebrarem o grande encontro musical, à partir das 16h, na Praça da Estação. O Ilê Aiyê realizará sua apresentação às 17h, no mesmo local.

Ojá
Além das atrações que incluem artes cênicas, literárias e outras, o FAN BH tem como destaque o Ojá - Mercado de Trocas e Saberes, que conta com empreendedores de moda, arte, artesanato e beleza, com trabalhos voltados, principalmente para a temática afro-brasileira. O Ojá estará aberto ao público durante toda a programação do festival, de quinta a domingo, entre os dias 25 e 29 de novembro, no Parque Municipal. Quinta e sexta 18h às 24h, sábado 11h às 24h e domingo de 10h às 19h.

Fanzinho
Entre os destaques dessa edição está o “Fanzinho” cuja programação é voltada especialmente para o público infantil, com atividades como oficinas, filmes e contação de histórias. As atividades estão distribuídas por espaços como Biblioteca Pública Infantil e Juvenil e Parque Municipal.

Encontros Literários
Os Encontros Literários têm o objetivo de promover o debate em torno da literatura feita por escritoras e escritores negros. Nessa edição, o tema principal é a escrita feminina e negra, sobretudo seu caráter de resistência. Para discutir o assunto, as mesas contarão com romancistas, poetas e pesquisadores de destaque nos âmbitos nacional e internacional.

 Cinema no FAN
A programação de cinema do FAN BH traz mais de doze produções africanas originárias do Senegal, RD do Congo, Angola, Moçambique e Burquina Fasso. São vários os temas abordados bem como as linguagens utilizadas conferindo à programação uma diversidade que vale a pena conferir. Alguns filmes foram realizados em parcerias com a França, e o festival os exibe por meio da Cinemateca Francesa. A mostra acontece no Centro de Referência da Moda e no Memorial da Vale, de quinta-feira à sábado, 26 a 28/11
FAN BH - Festival de Arte Negra
Evento: 8o FAN BH – Festival de Arte Negra de Belo Horizonte
Data: 25 a 29 de novembro de 2015.
Informações pelo site:  www.fanbh.com.br
Shows e atividades gratuitas
Inscrições das oficinas pelo site

12 de nov de 2015

CURSO COM SÉRGIO CONDÉ - IDEA ESPAÇO CULTURAL

I CHING:
a teoria, a prática e a interpretação do antigo oráculo chinês,
em curso com Sérgio Condé, no IDEA Espaço Cultural



No dia 20 de novembro, sexta-feira, às 20h, o Auditório Nélida Piñondo IDEA Espaço Cultural (Rua Bernardo Guimarães, 1200 – Funcionários – BH – MG) recebe Sérgio Condé, em palestra aberta de seu curso “I Ching: a teoria, a prática e a interpretação do antigo oráculo chinês”.

Em seu trabalho clinico, Sérgio Condé usa o Eneagrama como uma visão espiritual do homem  e aplica técnicas que ajudam a aproximar a personalidade ao ser. Com uma ampla experiência na interpretação do I Ching, integra a sabedoria deste antigo oráculo chinês a vivências individuais e em grupo, voltadas para o autoconhecimento.
As inscrições para o curso que acontece de 21 a 28 de novembro, de 9h às 19h, já estão abertas. Informações adicionais e inscrições: (31) 33091518 e info@ideacultura.com.br
Mais do que o princípio subjacente a adequação dos símbolos,
em todos os oráculos sorteados ao acaso:
“Sincronicidade é a unidade organica do universo,
na qual todas as coisas estão conectadas de alguma forma,
além dos nossos conceitos de espaço e tempo.
Tudo que nos acontece é uma resposta ou um eco do que somos.
(Lama Anagarika Govinda)
Consultas ao I Ching:
O I Ching é um antigo oráculo e livro de sabedoria chinesa, que responde como um mestre a nossas perguntas. Suas respostas são textuais e de natureza simbólica e podem ser compreendidas, quando interpretadas em sintonia com o momento de vida de quem o consulta.
Estes símbolos somam 4096 possibilidades. Sorteadas ao acaso, iluminam a situação em questão descrevendo um relacionamento, entre o querer humano e a necessária estratégia de ação para aquele momento. Os temas universais descritos por estes símbolos, fazem com que experiências únicas, particulares, até desconcertantes adquiram coerência e significado.
Como o nosso crescimento e qualidade de vida dependem do significado que atribuímos as nossas experiências, é necessário atingir uma visão clara para que os momentos críticos resultem em positivos pontos de mutação e crescimento.
O trabalho do Ichinólogo é traduzir e interpretar os símbolos do I Ching em uma linguagem que abarque e vá além dos conflitos e dúvidas contidos em uma questão. Deve possibilitar uma tomada de consciência, um posicionamento compreensivo, capaz de uma nova direção.




Cálculo da Numerologia chinesa do I Ching:
Esta numerologia data do ano mil antes de Cristo. Aplicada ao nome e a data de nascimento ou a nomes dados a empresas, revela temas importantes e orienta quanto a melhor forma de conduzir, tanto o momento atual da vida quanto seus possíveis desenvolvimentos. O tempo chinês, além de cronológico é qualitativo, possui padrões cíclicos e mutáveis. A carta numerológica revela e situa estes padrões mostrando como fluir com eles. Na China, “Sorte é fazer a coisa certa, na hora certa, com a pessoa certa” (ou sendo a pessoa certa). É agir em sintonia com a Lei Cósmica. Sorte não acontece por acaso, é resultado de uma sabedoria em atuar ou não atuar de acordo com o tempo e suas qualidades em constante mutação.
Curso de Introdução ao I Ching
Aprender a acessar o I Ching através de moedas ou varetas é uma coisa relativamente fácil. Este curso ensina como fabricar de forma artesanal um conjunto de varetas para este fim. O desafio é interpretar os símbolos do I Ching em relação com a situação e a visão particular de quem pergunta. Para isso, teoria e práticas oraculares serão transmitidas com uma didática vivencial que parte do estudo das linhas e dos oito trigramas, (elementos gráficos básicos do I Ching) e também dos seus sessenta e quatro Hexagramas, buscando ampliar seus significados filosóficos e psicológicos não somente dentro de situações humanas, mas também na observação daquilo que natureza ensina. Como os símbolos do I Ching nos remetem à qualidades universais, estas podem ser reconhecidas através de vivências oferecidas pelo o curso. O curso ainda convida aos participantes à prática, em trocas de consultas ao I Ching, à partilha de suas vivências e percepções e assim, elaborar os temas reveladores que lhes forem trazidos pela ativação da sincronicidade. Todo processo será supervisionado pelo ichinólogo Sergio Condé.

CURSO
I CHING: a teoria, a prática e a interpretação do antigo oráculo chinês
com Sérgio Condé

Auditório Nélida Piñon do IDEA Espaço Cultural
Rua Bernardo Guimarães, 1200 – Funcionários – BH – MG

PALESTRA INAUGURAL GRATUITA:
20 de novembro, sexta-feira, às 20h

CURSO:
21 a 28 de novembro, de 9h às 19h

Informações adicionais e inscrições: (31) 33091518 einfo@ideacultura.com.br

POESIAS EM PÉROLAS ESSENCIAIS


 No dia 17 de novembro, terça-feira, a partir das 19h30, a jornalista e escritora Márcia Francisco realiza a noite de autógrafos e lançamento do seu segundo livro autoral.

“Pérolas Essenciais” é um livro de poemas e frases com sentido de reflexão útil, em inspirações do Sagrado Feminino, amor, fé (independente de crença religiosa) e intenções de luz. Fruto de seleção feita sobre a produção da escritora nos últimos dois anos, o livro chega em formato de oráculo, cujos textos se apresentam em  33 cartas de baralho e nos convidam a um passeio pelo universo da poesia, com direito a um tempo para reflexões pessoais.

O evento de lançamento acontece no O Audaz Botequim(Rua Leopoldina, 639 – esquina com Rua Cristina – Santo Antônio – BH – MG) e  tem entrada franca.

Márcia Francisco
Natural de Belo Horizonte, a jornalista, escritora e cantora Márcia Francisco, 45, se dedica a poesia há mais de três décadas.  O primeiro livro “Travessia dos Tempos”, foi lançado em 2008. A produção,  que celebrou 25 anos de poesia,  com poemas sobre o feminino e o amor, trouxe texto de abertura de Fernando Brant, texto de abertura dePaulinho Pedra Azul e aquarela de capa, de Fernando Fiuza, em elogiável projeto gráfico de Tavinho Bretas.Atualmente, o livro pode ser acessado em um dos três blogs da escritora:
 www.ofemininoemmim.blogspot.com O segundo livro, “Pérolas Essenciais”, foi concebido e produzido pela autora após um intervalo de sete anos nas publicações impressas. No período, a escolha de exercitar seus versos, unindo-os à  linguagens e plataformas relacionadas aos estudos do sagrado feminino, pauta de interesse pessoal da artista em estudos pessoais,  grupos, workshops e cursos diversos dos quais participa desde seus 11 anos de idade -  período que coincide com o início dos primeiros escritos poéticos.  Muitos dos textos foram escritos com um olhar sobre as redes sociais, nas intenções da transmissão de mensagens curtas e diárias, a exemplo do status do Facebook.  Na visão da escritora, uma forma de legitimar o contato através das redes sociais, valorizando o ser, a sensibilidade e o afeto, com a partilha de literatura, inspirações, emoções, pontos de vista, aprendizado e pensamentos.
Confira biografia completa:

“Pérolas Essenciais traz a poesia em agradável leitura, nos propõe e inspira encontros diários com a luz que brilha em cada um de nós e nos guia em cada escolha e caminho. Colha sua pérola essencial e,
simplesmente, ouça o som do seu coração”

 NOITE DE AUTÓGRAFOS E LANÇAMENTO DO LIVRO “PÉROLAS ESSENCIAIS”
da jornalista e escritora Márcia Francisco
17 de novembro, terça-feira, a partir das 19h30
O Audaz Botequim
Rua Leopoldina, 639 – esquina com Rua Cristina
Santo Antônio – BH  MG – (31) 994284913
ENTRADA FRANCA

28 de out de 2015

DEZ ANOS SEM MARIA HELENA BUZELIN


lançamento de selo alusivo à artista terá solenidade no Museu Histórico Abílio Barreto
    
Em solenidade aberta ao público, no dia l4 de novembro, sábado, a partir das l7h, no Museu Histórico Abílio Barreto (Av. Prudente de Morais, 202 – Cidade Jardim – BH – MG), será lançado umselo alusivo à grande artista Maria Helena Buzelin, falecida há dez anos.

Cantora lírica renomada, com projeção internacional, Maria Helena Buzelin deixou precioso acervo lançado in memoriam, em 2013, no Grande Teatro do  Palácio das Artes. “Memória Maria Helena Buzelin” traz seis discos, contendo trechos de óperas e música camerística, contemplando sua presença nos maiores teatros brasileiros, nos Estados Unidos, em Genebra e uma entrevista sobre sua carreira e vida.

O objetivo da solenidade do dia 14 é relembrar seus melhores momentos, nas vestes dos inúmeros personagens líricos empreendidos, sobretudo no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, no “Francisco Nunes”, em Belo Horizonte e  demais teatros do país e do exterior. A programação contará comexposição de acervo e vídeos, faixas dos aludidos discos.  

Comentários por José Carlos Buzelin, crítico de música e irmão da soprano, preencherão a programação. Na oportunidade, o público poderá  participar da palestra mediante intervenções, debates e esclarecimentos.

A atração é Wanda Werneck, festejada voz de Minas Gerais, celebrando tanta saudade, nainterpretação da ária “Mon coeur s’ouvre a tá voix”, da ópera “Sansão e Dalila”, de Saint Saëns.

Serão sorteados alguns exemplares do álbum da aludida “Memória” e haverá distribuição do seloem questão.

27 de out de 2015

FOGO & AR Cacá Lucena lança seu sexto disco autoral


O cantor e compositor Cacá Lucena  realiza no dia 9 de novembro, segunda-feira, às 20h, Oratório Bar (Av Brasil, 161, Santa Efigênia – BH), a noite de autógrafos e lançamento do seu sexto disco autoral “Fogo & Ar”.  O CD conta com a participação especial de: Paulinho Pedra Azul e Fernanda Lucena (filha de Carlos Lucena), que apresenta uma voz poderosa e afinada nas cinco faixas das quais participa, protagonizando ótimos momentos aos ouvintes.


CARLOS LUCENA (Cacá Lucena)

Cantor, compositor e instrumentista mineiro, natural de Joaíma-MG (Vale do Jequitinhonha). É um artista compromissado com suas raízes e dotado de uma imensa sintonia com as ansiedades do país. Manifestou interesse pela música ainda garoto, quando cantava nas matinais do Cine Eldorado em sua terra natal, interpretando músicas que ecoavam da “Jovem guarda”, “Tropicalismo”, Beatles, Bob Dylan, Taiguara, Gonzagão e do contexto regional. Mudou-se para Teófilo Otoni-MG aos sete anos de idade, quando começou a tocar violão e em seguida compôs as primeiras canções.  Venceu festivais em Minas e São Paulo, e gravou os dois primeiros discos na capital paulista quando lá morava no início dos anos 1980. Passou a viver em Belo Horizonte em 1983, buscando consolidação e outras perspectivas artísticas para sua carreira. Em 1989 foi morar novamente em Teófilo Otoni-MG e só retornou para BH em 2010, onde reside atualmente.

Conheci Cacá Lucena faz um bom tempo, ele era um garoto com um sonho na cabeça e um violão na mão. Desde a nossa primeira conversa, notei que mais que um violão,  ele trazia poesia e melodias que arejavam, que mostravam um jeito muito autêntico de expor sentimentos e nos fazer sonhar. Ouço agora com grande alegria seu novo trabalho, "Fogo e Ar", onde tenho a imensa felicidade de participar.  Ouçam com atenção, pois a poesia ainda habita lugares que certamente queremos estar e este CD é um deles”(Sérgio Moreira, cantor e compositor)

 O DISCO

Este é o sexto disco autoral de Carlos Lucena. Apresentando uma poética quase sempre voltada para questões sociais e temas místicos ligados à natureza, ele trata com delicadeza conflitos da existência humana. Na trajetória, registra a participação de valores como Lô Borges, Tadeu Franco, Paulinho Pedra Azul, Sérgio Moreira, Pereira da Viola, Fernanda Lucena, Dércio Marques, Mozart Mello e outros. Lançou seis discos – “Raízes do franco”, de 1982, “A dança das folhas”, de 1985, “Pomar dos deuses”, de 1992, “Brisa aos homens”, de 1999, “Jogo do jogo”, de 2007, e agora, “Fogo e ar”, de 2015.         
Lucena acredita que o maior diferencial da nossa música está no “jeito de fazer” do artista brasileiro, que ele chama de “unidade da mistura”, concebendo sem xenofobia a diversidade cultural do mundo, em um país que se consolida culturalmente pela capacidade do seu artista em absorver e processar informações. No novo CD,“FOGO E AR”, isso é evidente.

“As composições do CD “Fogo e Ar” foram elaboradas ao longo dos últimos sete anos, a partir da percepção, cada vez mais proeminente, dos rumos que a humanidade vem dando às suas relações sociais e afetivas e ao meio ambiente. Referem-se ao modo como estamos encaminhando e viabilizando as condições de vida em nosso planeta, e a qual herança estamos deixando paras as futuras gerações.
Com exceção das canções “Franco”(Carlos Lucena),composta e gravada na década de 1980 e constante do disco “A dança das folhas”, “Cafuzo”,de autoria de Sérgio Moreira, e do clássico “O trenzinho do caipira”, de Heitor Villa Lobos, a qual foi utilizada em um pot-pourri com amúsica“ Nos trilhos da baiminas” (Carlos Lucena) e conta a história da extinta estrada de ferro que ligava os vales do Jequitinhonha e do Mucuri ao mar, todas as demais composições são inéditas, incluindo uma em parceria com Paulinho Pedra Azul, a música “Vejo assim”.
As gravações foram realizadas sem nenhuma preocupação com compromissos que não fossem a valorização artística da composição, como as cores e os contornos que cada som poderia agregar às músicas. E, apesar do direcionamento que eu dava aos arranjos, todos os músicos tiveram liberdade na execução dos instrumentos e contribuíram de maneira brilhante para formatação dos mesmos.
O CD “Fogo e ar” representa para mim bem mais do que uma realização profissional. Representa, sobretudo,a confirmação de que a felicidade está na leveza despretensiosa dessa busca, sem ambicioná-la a qualquer custo. E “Terras pra que te quero”!...Commuita “Estrela-guia”  e a noite presa no luar !.. (Carlos Lucena)

Fogo & Ar traz  Carlos Lucena  (vozes,violões de  6 e 12 cordas, teclado, gaita e arranjo), Fernanda  Lucena(vozes e sax soprano), Jairo de Lara eBebeto(flauta), Sérgio Moreira(kalimba), Esdra Neném Ferreira, Leonardo Tomich eAllysson  Lopes (bateria), Carlos Aleixo (viola orquestral),Mozart Mello, Alex Lisboa, Leonardo Batista e Gabriel Maioline (violão e guitarra), Paulinho Pedra Azul(voz), Dinga, Telmo Rodrigues e Daniel Lucena (baixo), Zeca Magrão e Betho (percussão), Rodrigo Vasconcelos e  Clecinho Lucena(acordeão e escaleta), Sergio Vasconcellos e Rafhael Tomich(piano e teclado) e Passarinhada (Maria preta, Canário, Curió, Coleira e Sabiá). O disco tem ilustrações de Daniel Lucena e Wellington Lima e  arte final de Daniel Lucena. No repertório:Terras pra que te quero, Estrela-guia, Amor sem fim, O fogo da paixão, Na luta do seu dia, Cafuzo (Sergio Moreira),Vejo Assim (parceria com Paulinho Pedra Azul), Nas trilhas da baiminas/ O Trenzinho do Caipira (Villa-Lobos), Franco, Fogo & Ar e Pra que tanta pressa.
  
“É difícil encontrar um artista que faz da sua arte uma interligação com a própria vida. Grande parte dos artistas possuem duas ou mais imagens, e a que transparece no palco é bem diferente daquela apresentada no cotidiano. Com Lucena isso não acontece.  A sua arte é ele próprio. A sua proposta musical reflete o seu ideal de vida contida na sonoridade de sua música e de sua poesia. Romântico e essencialmente místico, Cacá Lucena acredita no aprimoramento do homem como ser sensitivo. Lucena goza de um respeito e prestígio que poucos artistas, mesmo vivendo em grandes centros não conseguem ter. É um artista extremamente talentoso, dono de uma voz bela e calibrada, e mantém a mesma simplicidade, transformando o ato de cantar numa atitude tranquila”. (Carlos Felipe, jornalista e folclorista)

 NOITE DE AUTÓGRAFOS E LANÇAMENTO DO CD “FOGO & AR”
de Cacá Lucena
9 de novembro, segunda-feira, às 20h
Oratório Bar
Av Brasil, 161, Santa Efigênia – BH
ENTRADA FRANCA