7 de nov de 2013

NO MAIOR PIQUE: Marco Aur leva o repertório deste delicioso disco infantil em show, com entrada franca, na FNAC BH Shopping



O músico Marco Aur convida toda criançada para conhecer No maior pique. Com entrada franca, um pocket show do CD homônimo que acontece no dia 9 de novembro, sábado, às 16h, na FNAC BH Shopping. O álbum é marcado por ritmos brasileiros como o baião de Luiz Gonzaga, rockabilly sessentinha de Elvis Presley e Beatles. Canções que fazem doer o coração adulto e tocam profundo nas grandes questões infantis, com personalidade, muita alegria e alto astral. O CD traz participação especial de Chico Lobo, Luciana Pires e Renato Boechat.  No show, participação especial da cantora Laura Souza e Ester Antunes. Informações adicionais: (31) 3878 2000.
Com participações especiais do violeiro Chico Lobo e da cantora Luciana Pires, o CD Nos três dias de show de lançamento do CD,  o público teve que correr para garantir os ingressos,  pois "no maior pique" os  shows lotaram o Teatro de Bolso do Sesc Palladium,  revelando a força e qualidade do  primeiro trabalho do artista, que  sai pela gravadora Kuarup.
O DISCO:
Fruto de suas experiências como educador, suas viagens e suas inquietações pedagógicas e musicais, o projeto do cantor brinca e explora de maneira divertida, diversificada e lúdica com um universo infantil tão amplo trazendo uma mistura de gêneros musicais pouco explorados por profissionais ligados ao mercado voltado para as crianças. Longe de ser um repertório popular, o disco traz um caldeirão de ritmos combinados a experiências e histórias de aventuras vividas por alunos em sala de aula. O disco abre com Pé de Moleque, rockabilly com reminiscências vocais a Elvis Presley e bateria que lembra o ex-Beatle Ringo Star em inicio de carreira. A canção rock nos chama para as pistas de dança e anuncia o que vem por aí: música para curtir de montão, música que gruda na gente, música que transpõe a novos mundos. Em seguida aparece a canção Música na Cabeça, comentando o fenômeno da memória involuntária, muito típico das melodias populares. É um chorinho, com direito a pandeiro, clarineta e violão, apitos e até buzina de bicicleta. Tudo isso pra exorcizar o incômodo das canções que insistem em povoar nossa cabeça. Meu Dodói, terceira melodia do disco é hit. Não é possível passar ileso por este samba, sem um tropico, sem um arranhão. “Eu amo o meu dodói, ele é tudo pra mim”. Tanta importância assim tem muitos significados: como é duro machucar, como doeu, como eu preciso de carinho, mas também, que aventura eu passei, como eu sou forte e corajoso! É uma música cheia de ironia e humor. Alfafa, quarta canção do CD é um baião rasgado, reverenciando Luiz Gonzaga logo de cara. Sanfona, triângulo, violões e vozes. O som do sertão está no ar e nos convida para um rastapé. Bruna, faixa cinco do trabalho não espera. Se enfeita, se emboneca, se refestela. E vai ser de todas as bruxas, a feia mais bela. Vibrafone, bateria, concertina e risadas horripilantes, loops ácidos de Reason e cordas: um feitiço muito moderno de instrumentos e sons.  Se Você Quiser, a sexta canção entra e vai direto ao coração. Pai, mãe, menino e menina. Deveria ser, mas não é normal o pai pedir para brincar com o filho. A composição transforma sonho em atitude, muitas possibilidades, uma afeição concreta. Quem sabe é a criança que ensina e nos deixa entrar no seu mundo. Lembrando o grupo Uakti, um xilofone introduz a música, ritmando com as cordas do aço do violão e com o pandeiro. A clarineta, o baixo fretless e ao final uma irrupção de sons de djembes e guisos não assustam, a música excede. O Tubarão do Maurilo, faixa sete, é um haikai extraído do livro Rimarinhas de Maurilo Andreas. Não era para ser música porque a letra pequena desenvolve pouco, mas ela tem fôlego de bicho grande e muitos ruídos aquáticos que chamam a atenção. Clima de suspense e participação de Renato Braga narrando uma bela caçada. A seresteira Oh Mamãe é música de admiração e estima. Canção para se cantar alto com o coração pleno. A oitava canção do CD conta com a participação da cantora paulista Luciana Pires. Me Abraça, faixa nove,  não era música, era um relato de experiência em sala de aula. Foi um fato. Triste, pois a criança sofrida não era capaz de um abraço, feliz, pois as aulas de música e a presença afetuosa de adultos fazem a diferença. Virou canção, pois as palavras foram ineficientes e pediram socorro. Novamente a música diz coisas indizíveis. A viola de repente nordestino introduz Bananeira, a faixa dez do CD. Executada pelo músico violeiro Chico Lobo, ela traz um ponteado típico do sertão que climatiza a música. Escala modal, triângulo, efeitos, violão seco e agudo e ao final, pífanos para novamente voltar à viola dinâmica nordestina. Suspensão, terra, sol e a infância plena. Você Sabe Me Dizer, última canção do álbum, foi criada em momento divertido, sobre uma cama, de barriga para ar e muita vontade de brincar com os significados das palavras. A base rítmica feita com percussão corporal e beatbox foi criada naquele momento. Depois vieram o copo, os sacos, o pirex, o “lata drum” e outras pirações. O disco termina com a participação de Renato Boechat nos vocais.
Trata-se de uma produção imprescindível ao universo infantil.

Nenhum comentário: