30 de ago de 2012

MIMO OURO PRETO - PROGRAMAÇÃO

JORGE VERCILLO EM BH

Com o cd Como Diria Blavatsky, o cantor Jorge Vercillo chega a Belo Horizonte, no dia 30 de agosto, quinta-feira, às 21h,  no Grande Teatro do Palácio das Artes,  com o show que já percorreu o Brasil e também a Europa. Max Viana e Thiago Varzé são os músicos convidados a dividir o palco com Vercillo. No repertório estão as músicas Sensível Demais, Memória do Prazer, Nos Espelhos, Monalisa, Homem Aranha e Arco Íris.  Os ingressos estão disponíveis nas bilheterias e na internet. Informações adicionais: (31) 3236-7400 

SAULO LARANJEIRA - ASSUNTA BRASIL

Em  curta temporada, de 30 de agosto a 02 de setembro, quinta a sábado às 21h e domingo às 19h, no Teatro Alterosa, Saulo Laranjeira traz o espetáculo cênico-musical Assunta Brasil - Música, Humor e Poesia.
Através dos múltiplos personagens que interpreta, o artista convida o público a um passeio cultural pelo Brasil, apontando o caminho do riso e da emoção. Durante o show os personagens vão surgindo no palco criando um clima de imediata empatia com os espectadores.
O velho vaqueiro Zé da Silva, a benzedeira, Veia Messina, o caipira Geraldinho, o hippie Zé Roberto, o roqueiro Quelé, o maestro Sabiá, e o demagogo Deputado João Plenário, descortinam com muita espiritualidade as várias identidades do povo brasileiro. O espetáculo traz a versatilidade ativa de Saulo Laranjeira, unindo criatividade e muita arte de qualidade. Ingressos à venda na bilheteria do teatro. Informações adicionais: (31) 32376611



Antônio Roberto comemora aprovação da Lei Cultura Viva

A Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados aprovou por unanimidade, o parecer do Deputado Federal Antônio Roberto (PV/MG), como relator do Projeto de Lei 757/2011, de autoria da Deputada Jandira Feghali, que cria a Política Nacional de Cultura, Educação e Cidadania, consolidando o Cultura Viva e os Pontos de Cultura como política permanente de Estado.
A cultura é uma das  importantes frentes de atuação do Deputado Antônio Roberto, que descreve os procedimentos referentes à Lei:
"Acompanhando, permanentemente, a realidade nacional, vejo a clara e imediata necessidade de preencher qualitativamente as lacunas em todas as vertentes culturais no Brasil. Neste encontro, pois, destaquei dados do Ministério da Cultura que apontam que 92% dos brasileiros nunca frequentaram museu, 93% nunca foram a uma exposição de arte, 78% dos brasileiros nunca assistiram um espetáculo de dança, apenas 14% da população brasileira vai ao cinema no mínimo uma vez ao mês e 92% dos municípios do Brasil não tem cinema, teatro ou museu. Diante de tão sérias, notáveis e importantes constatações, já que o contato do povo com sua cultura estabelece condições essenciais para sua prosperidade, posso afirmar que o Cultura Viva estimula criatividade, potencializa desejos e cria um ambiente propício ao resgate da cidadania pelo reconhecimento da importância da cultura produzida em cada localidade. Um ponto inovador e valioso, no meu parecer oficial é determinar que os recursos para financiar a Política Nacional Cultura Viva serão transferidos diretamente para as organizações responsáveis pelas ações do programa.
Para que você compreenda um pouco mais da realidade da Lei Cultura Viva, como é conhecido o PL 757/2011, explico que trata-se de uma Lei que cria mecanismos permanentes e duradouros para uma política cultural baseada no reconhecimento e incentivo do estado ao conjunto das manifestações, linguagens e formas de expressão cultural do povo brasileiro. Entre outras medidas importantes, a lei vinculará o programa Cultura Viva de forma permanente ao Fundo Nacional de Cultura, garantindo o financiamento do programa em âmbito nacional através do Sistema Nacional de Cultura, descentralizando o repasse de recursos nos estados e municípios. A Lei permitirá avançar em temas sensíveis, como regulamentação dos mecanismos de repasse dos recursos para atividades culturais, procedimentos de avaliação, monitoramento e prestação de contas dos projetos, desoneração fiscal e tributária para as entidades culturais. Estas são algumas, entre outras medidas que a Lei Cultura Viva tem a oferecer como avanço não só para os Pontos de Cultura, como também para um amplo conjunto de iniciativas da sociedade civil."
Este Projeto de Lei segue agora para as comissões de Finanças e Tributação e Constituição e Justiça e depois será votado no Senado Federal.

22 de ago de 2012

FESTA DA MÚSICA

COMEÇA AMANHÃ!!!



* 23/08/2012, quinta-feira

PALCO SESC – PRAÇA DUQUE DE CAXIAS BH/MG

19h Paula Santoro – As Canções do Clube da Esquina

21h Marilton, Telo Borges e Rodrigo Borges – Convidado Especial: Cláudio Venturini  
FESTA DA MÚSICA - 23/08 A 02/09 EM BH!  









CONFIRA A  PROGRAMAÇÃO:
www.festadamusica.art.br


16 de ago de 2012

PAULA FERNANDES EM BH

Fenômeno de vendas, a mineira de Sete Lagoas, segue pelas estradas de todo o Brasil com sua recém-lançada turnê: MEUS ENCANTOS. No dia 24 de agosto, é a vez de Belo Horizonte receber Paula, às 23h, no Chevrolet Hall. O projeto, assinado pelo conceituado Gringo Cardia, deixa em evidência todo o romantismo e o universo da cantora que é categórica em dizer, “Não tenho medo de ousar. Show é entretenimento. Quero que a pessoas curtam, guardem a imagem, as sensações que tiveram, voltem e chamem os amigos”. Esta entrega fica clara durante todo o show. O conceito deste espetáculo é levar para dentro do palco o que é fonte de inspiração para cantora, como o romantismo, a poesia e os elementos da natureza. Falando nisso, a natureza é a mais forte ligação de Paula com a sua arte, é a sua grande inspiração, por isso, todas as suas características como a chuva, cachoeiras, flores e montanhas estarão o tempo todo no palco interagindo com sua música. “A natureza está o tempo todo presente em tudo o que ela faz. Ela vê a natureza como uma parte da vida e da arte dela”, diz Gringo.
Estas são apenas algumas das novidades que surpreenderão o público. LEDs, Moving Lights, projeções, efeitos 3D e telas de tule, deixam a apresentação mais dinâmica, moderna e repleta de recursos visuais que transformarão em mágica um espetáculo que ficará para a história do show business. “Show para mim é um espetáculo. A arte não tem fronteiras e o palco é o momento de experimentar outros recursos além do canto, como elementos cênicos e iluminação, para criar uma experiência inesquecível. Gosto muito do orgânico, que continua nesta turnê, aliado a opções mais modernas”, ressalta a cantora. Nesta turnê, cada música ganha vida com as histórias projetadas e a cada troca de figurino vídeos inéditos, alguns contracenados pela própria Paula, encantarão ainda mais a plateia.
No repertório do show, além das canções já consagradas e dos grandes hit´s, o romantismo, as modas de viola, guarânias, forrós e referências do country americano, são uma atração à parte. Neste espetáculo, cada centímetro ganhou vida e todos os seus componentes sublinham e dão sentido a cada canção interpretada. “O conceito deste show, é levar ao público o universo pop romântico e a poesia de Paula, é um show diferente, que não é só para dançar e sim, para se envolver e escutar bastante”, reforça Gringo.
Paula se envolveu em todos os detalhes da criação e em cada momento do show. Gringo Cardia extraiu a essência mais profunda da cantora e conseguiu transformá-la neste espetáculo. “Tivemos uma empatia imediata. A experiência dele com shows e espetáculos como o Circo de Soleil foi muito importante. Gringo conseguiu ver através do meu olhar. Estou muita animada”, comemora Paula. Na turnê MEUS ENCANTOS, o público será transportado para o mundo de Paula Fernandes e poderá ver, vivenciar e sentir sua arte sob a perspectiva e o olhar de uma artista que não tem medo de mostrar a grandeza de sua alma.
Ingressos:
Bilheterias do Chevrolet Hall
Tickets for Fun
(fonte: Chevrolet Hall)






DICAS PARA O FINAL DE SEMANA EM BH

MARIA RITA NO CHEVROLET HALL
Pela primeira vez em sua carreira interpretando sucessos consagrados na voz de sua mãe, Elis Regina, a cantora Maria Rita apresenta o show “Redescobrir” nos dias 18 e 19 de agosto, no Chevrolet Hall, em Belo Horizonte. A artista fez uma vasta pesquisa de repertório, trabalhou com sua banda nos arranjos durante um mês, pensou roteiro, figurino e cenário.

Os ingressos já estão disponíveis e podem ser adquiridos pela internet (www.ticketsforfun.com.br), pelo telefone 4003-5588 (válido para todo o País), e na bilheteria do Chevrolet Hall. O show é uma realização da TIME FOR FUN.
A cantora será acompanhada pela sua banda; Thiago Costa (piano e teclado), Sylvinho Mazzucca (baixo acústico e elétrico), Davi Moraes (guitarra) e Cuca Teixeira (bateria). No repertório canções como “Imagem/Arrastão”, “Como Nossos Pais”, “Águas de Março”, “O Bêbado e O Equilibrista”, “Tatuagem”, “Se Eu Quiser Falar Com Deus”, “Alô Alô Marciano”, “Redescobrir”, entre outras.
Maria Rita vem se dedicando a este trabalho desde dezembro do ano passado. Originalmente, o show foi criado para o projeto “Nívea Viva Elis” - que inclui também uma exposição multimídia itinerante que está rodando o Brasil. A primeira etapa da turnê passou por cinco capitais: Porto Alegre, Recife, Belo Horizonte, São Paulo e Rio de Janeiro. Cerca de 270 mil pessoas lotaram as apresentações, todas gratuitas.
Os milhares de pedidos daqueles que não puderam presenciar os shows para que outros fossem realizados e a calorosa recepção do público nas praças por onde o projeto passou surtiram efeito. Ao contrário do que foi inicialmente planejado, a mobilização dos fãs e o prazer demonstrado pela cantora em estar no palco celebrando a obra de Elis Regina resultaram na prorrogação da turnê.
“O que mais chamou minha atenção foi que o meu objetivo principal se concretizou. Redescobri-la. Reapresentá-la. Relembrá-la. Sim, os “re-” são necessários porque Elis é (in)consciente coletivo. Eu via crianças nos colos de avós, adolescentes nos ombros dos namorados, casais dançando, cirandas se formando, braços pro ar, olhos brilhando com saudades, com amor, com compreensão. E cantoria. Muita cantoria. Aquela voz da massa me atingia, me arrebatava, me orgulhava. Orgulho que só posso (tentar) traduzir com minhas lágrimas, diversas vezes esparramadas em cena. Devido ao tamanho dessa emoção e gratidão aos fãs, decidi seguir um pouco mais com a turnê, para que mais pessoas possam participar dessa homenagem à Elis” – comentou Maria Rita.






14 de ago de 2012

CASA DAS MATRYOSHKAS traz a BH:

MIRELLA FAUR
a autora ministra palestra e lança o livro
“CIRCULOS SAGRADOS PARA MULHERES CONTEMPORÂNEAS”


No dia 18 de agosto, sábado, às 10h, a Casa das Matryoshkas (Av. Cristóvão Colombo, 550, sala 409 – Savassi – BH – MG), traz a Belo Horizonte, Mirella Faur. A escritora romena realiza palestra e lança o livro “Círculos Sagrados para mulheres contemporâneas” – práticas, rituais e cerimônias para o resgate da sabedoria ancestral e a espitualidade feminina (Editora Pensamento). O evento gratuito, com vagas limitadas, tem inscrições via telefones (31) 95372226 e (31) 99818084.

MIRELLA FAUR
Mirella Faur é de origem romena, naturalizada brasileira, estudiosa e praticante das antigas tradições místicas, mágicas e oraculares, empenhada na reverência e divulgação de princípios e valores espirituais ancestrais para as mulheres contemporâneas. Autora dos livros “O Anuário da Grande Mãe. Guia prático de rituais para celebrar a Deusa” (Ed. Gaia), “O Legado da Deusa. Ritos de passagem para mulheres”, (Ed. Rosa dos Tempos), “Mistérios Nórdicos. Mitos. Runas. Magias. Rituais” (Ed. Pensamento), Ragnarök.O crepúsculo dos Deuses. Uma introdução à mitologia nórdica (Ed.Cultrix), além de artigos em várias publicações nacionais e estrangeiras, Mirella é conhecida pela sua dedicação na senda da Sacralidade Feminina. Em Brasília, onde residiu durante vinte e dois anos, iniciou e desenvolveu um trabalho pioneiro promovendo celebrações públicas dos plenilúnios e da Roda do Ano, realizando diversos ritos de passagem e jornadas xamânicas. Criou vários grupos de estudo e dirigiu círculos sagrados femininos, orientando igualmente a formação e condução de grupos em outras cidades. Inspirada na mitologia celta, nórdica, greco-romana, oriental, afro-brasileira e nativa norte-americana, Mirella atua como uma catalisadora da Tealogia adaptada para as mulheres do Brasil por meio dos seus livros, palestras e vivências.

O LIVRO:
Em Círculos Sagrados Femininos, Mirella Faur compartilha suas experiências e amplos conhecimentos sobre a formação, condução e preservação de um círculo cerimonial vivencial. Além de suas próprias vivências com grupos de mulheres durante os últimos quinze anos, ela menciona relatos e aprendizados de outras autoras ligadas ao movimento internacional do sagrado feminino e dos vários modelos de círculos.Redigido de forma didática e permeado por orientações práticas, rituais, celebrações e meditações, esta publicação pioneira e amplamente documentada fornece um precioso material informativo para as mulheres interessadas em iniciar, ampliar ou aprofundar as vivências circulares.São apresentadas diretrizes e premissas básicas para formar e preservar um círculo sagrado, organizar reuniões, resolver problemas e conflitos, avaliar e reformular objetivos e integrar a consciência de solidariedade e parceria no cotidiano. Uma grande parte do livro aborda aspectos ritualísticos e cerimoniais, descrevendo a jornada iniciática, os “Mistérios do sangue”, arquétipos e fases lunares, a conexão com a Mãe Terra, as celebrações dos plenilúnios e das Matriarcas na lua cheia e negra e de cerimônias na Roda Sagrada.O livro também contém inúmeras correspondências ocidentais, xamânicas e astrológicas - com os respectivos diagramas - além de sugestões para a celebração dos Festivais da Roda do Ano, com enfoque inédito e feminino, para diversificar e adaptar as habituais recomendações de autores tradicionais à realidade brasileira.

Saiba mais:
O círculo é um símbolo universal da unidade e totalidade, um padrão energético fundamental e natural. O universo é composto de ciclos e círculos, cósmicos e telúricos, entrelaçados e interagindo em um eterno movimento. Devido à sua natureza cíclica, a mulher é receptiva e facilmente alinhada com os ensinamentos espirituais, mágicos e práticos do círculo, podendo se integrar e colaborar na criação de uma nova mentalidade - de parceria, crescimento e expansão – pessoal e coletiva.Em um círculo sagrado as mulheres criam um espaço seguro e protegido para se conectarem aos profundos mistérios da espiritualidade feminina. Elas lembram e praticam antigos rituais, descobrem e manifestam seu potencial inato, harmonizam e fortalecem a auto-expressão, compartilham riso e choro, dança e canções, tecendo uma teia de apoio, solidariedade, confiança e amor, curando assim antigas feridas da alma feminina.Neste momento de profundas mudanças planetárias, os círculos sagrados femininos oferecem novas formas de pensar, ser, agir e interagir, reavivando o espírito da comunidade e parceria em uma estrutura isenta de hierarquia. No círculo, as mulheres modernas resgatam a ancestral conexão com as energias, ciclos e elementos naturais, celebram os pontos de mutação da Roda do Ano, vivenciam e reverenciam o retorno à Deusa e à Mãe Terra. Mudando prioridades e valores ultrapassados as práticas circulares ampliam a percepção sutil e expandem a visão, acelerando a evolução espiritual no nível individual e grupal. Ao perceber e descartar os vestígios do “patriarcado interior”, as mulheres conscientizam-se da sua condição de Filhas da Mãe Divina e empenham-se em viver e divulgar os princípios da sacralidade feminina, que têm como fundamento o poder do amor e o respeito por todas as formas de vida.

CASA DAS MATRYOSHKAS
A Associação Casa das Matryoshkas foi concebida com os objetivos de promover o estudo, a conscientização e a reflexão sobre temas relacionados à energia do sagrado feminino, além de propiciar o resgate e a divulgação das tradições, da cultura, do folclore, dos mitos e das lendas da Rússia e dos países situados na região do leste da Europa. Por meio de cursos livres, círculos sagrados de mulheres, palestras, seminários, oficinas, grupos de estudos, de reflexão e de meditação, a Casa das Matryoshkas busca realizar seus objetivos, conscientizando as pessoas acerca da existência da força transformadora que permeia todo o Universo, capaz de modificar positivamente o mundo.A Casa das Matryoshkas incentiva e apoia, ainda, a divulgação de artigos, textos e livros de focalizadores e estudiosos, de eventos e exposições que cuidem de temas pertinentes e relacionados a seus objetivos, além de viagens de cunho cultural e de estudos sobre os assuntos também correlatos.
CONHEÇA:
www.casadasmatryoshkas.org.br

8 de ago de 2012

MUSICA MINAS DIVULGA RESULTADO DO EDITAL DE CIRCULAÇÃO INTERNACIONAL

Programa promove participação de artistas mineiros nas feiras Womex (Grécia) e Mercado Música Viva de VIC (Espanha)


O Programa Música Minas, programa de fomento à produção e divulgação da música mineira, realizado em parceria pela Secretaria de Estado de Cultura e a Sociedade Independente da Música – SIM, representante do Fórum da Música de Minas Gerais, divulga o resultado do Edital de Circulação Internacional, que selecionou artistas com residência comprovada em Minas Gerais para participação em duas das mais importantes Feiras Internacionais de música, Womex (Grécia) e Mercado da Música Viva de VIC (Espanha). Ao todo, foram realizadas 54 inscrições. Dessas, 47 vieram de Belo Horizonte, 5 de Juiz de Fora, 1 de Contagem e 1 de Uberlândia.
Das propostas inscritas, somente duas foram desclassificadas na análise documental. Uma por ter sido postada após a data de encerramento das inscrições e outra por não apresentar a mídia ótica, conforme estava determinado no Edital.
A curadoria do Edital de Circulação Internacional foi indicada por votação em plenária realizada na segunda Consulta Pública do Programa Música Minas de 2012, que aconteceu no dia 23 de maio, no Conservatório de Música da UFMG. Gerald Seligman foi o curador escolhido para selecionar os artistas para a WOMEX e para o Mercado de Música Viva de VIC. Ex-diretor da WOMEX e profissional da indústria musical com mais de 25 anos de experiência, tanto na grande indústria como no mercado independente, é também presidente da Caravan Arts Consultancy onde colabora como consultor para feiras, festivais, empresas, governos e organizações da sociedade civil em todo o mundo.
Gerald Seligman enfatizou que a escolha foi baseada em critérios como a natureza dos eventos, levando em conta o perfil das feiras, qualidade musical e equilíbrio. Este último refere-se à própria diversidade, com o objetivo de contemplar a variedade da música produzida em Minas Gerais. A seleção final foi realizada pela curadoria das feiras, a partir da filtragem feita por ele.
A participação nas duas Feiras Internacionais marca um importante momento para o Programa e para a produção musical do estado.
Lailah Gouvêa, Coordenadora do Edital de Circulação Internacional Música Minas, acredita que a parceria firmada abre portas para toda a cadeia produtiva da música mineira. “A seleção não é importante apenas para os artistas contemplados, mas para tudo que o Programa vêm realizando ao longo destes quatro anos, na busca pelo posicionamento da nossa música mercado nacional e internacional”, conclui.

Artistas contemplados para a Womex:
Graveola e o Lixo Polifônico
Dentro do promissor cenário de novas bandas mineiras, o Graveola e o lixo polifônico é hoje a mais próxima de se posicionar entre as grandes da cena musical contemporânea. O grupo conta com elogiosas críticas aos seus trabalhos anteriores e um número crescente de fiéis seguidores em Belo Horizonte, diversas cidades do interior e outros estados. Composto por músicos irreverentes e atrevidos, o Graveola produz uma colagem musical instigante. Eles representam e defendem a estética do plágio e fazem humor levado a sério ao misturar o sofisticado ao popular a ponto de torná-los indistinguíveis.
www.graveola.com.br

Makely Ka
Makely Ka é um dos principais compositores de sua geração, com mais de setenta canções registradas em CD por diversos intérpretes no Brasil e no exterior. Ao lado dos parceiros Kristoff Silva e Pablo Castro, lançou o CD “A Outra Cidade” em 2003, considerado pela crítica especializada como uma das dez melhores produções do ano. Ao lado da cantora Maísa Moura, uma das grandes intérpretes da nova geração de cantoras mineiras, gravou o CD “Danaide”, lançado em 2006. O primeiro trabalho solo veio em 2008 com “Autófago” e para o segundo semestre de 2012, prepara o lançamento de seu próximo trabalho, “Cavalo Motor”.
http://makelyka.com.br
Thiago Delegado
Thiago Delegado é violonista, compositor e arranjador. Reconhecidamente um dos mais ativos e criativos músicos da cena contemporânea de Minas Gerais, se destaca também por sua dedicação, carisma e senso estético apurado. Segue a sofisticada tradição da música brasileira, mas sempre com os ouvidos atentos a tudo o que acontece pelo mundo, o que confere ao seu trabalho um som sem fronteiras.
http://www.facebook.com/ThiagoDelegado

Artistas contemplados – Mercado Música Viva de VIC

Kristof Silva
Natural de Belo Horizonte, é reconhecidamente um dos artistas mais versáteis de sua geração. Atua como violonista, cantor, compositor, professor de teoria musical e autor de trilhas para teatro e dança. Em 14 anos de profissão, já se apresentou ao lado de artistas como Caetano Velloso, Elza Soares, Zé Miguel Wisnik, do diretor teatral Zé Celso Martinez Correa, das cantoras Mônica Salmaso, Alda Rezende, Ná Ozzetti, Virgínia Rosa, além da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais e do grupo UAKTI.
http://www.myspace.com/kristoffsilva

Rafael Martini
Compositor, arranjador, pianista e multi-instrumentista, Rafael Martini é formado no Bacharelado em Composição pela Escola de Música da UFMG, aonde obteve uma formação ampla abarcando os universos da música instrumental, popular, erudita de vanguarda e cursou as disciplinas de composição, orquestração, harmonia, contraponto, piano e história da música. Em 2007, ganhou o 1º lugar e o prêmio de melhor arranjo no 1º Festival Instrumental de Guarulhos (SP), concorrendo com grandes nomes como Pedro Amorim e Alexandre Gismonti, obtendo o elogio do júri formado por nomes como Maurício Carrilho, Naylor "Proveta" e Toninho Carrasqueira. Em 2004, foi premiado no IV Prêmio BDMG Instrumental, o maior prêmio do gênero em Minas Gerais e, em 2006, foi finalista do Prêmio Nacional IBEU de composição para Big Band (RJ). Integra o grupo de música instrumental "Ramo", onde alia seu trabalho ao de mais quatro jovens compositores. Atua no grupo qUEbRApEdRA, que desenvolve um trabalho autoral de pesquisa da canção. Faz parte da Misturada Orquestra, grupo formado por vinte jovens músicos coordenado por Mauro Rodrigues. É arranjador do mais recente trabalho em disco da cantora Titane e faz parte do grupo do cantor e compositor Kistoff Silva.
http://www.myspace.com/rafaelmartini


Sobre o Música Minas
Desde o seu lançamento, em 2009, o MÚSICA MINAS beneficiou cerca de 740 artistas, por meio de 173 propostas selecionadas pelos seus editais. A iniciativa levou artistas mineiros para importantes festivais, cursos e eventos em todo o mundo, além de ter realizado ações de representação em feiras internacionais de música como: WOMEX (Copenhague/Dinamarca), BAFIM (Buenos Aires/Argentina), CMJ Music Marathon (Nova York/EUA), CMW - Canadian Music Week (Toronto/Canadá), Mercado da Música Viva De Vic (Espanha), Culturgal - Feiras das Indústrias Culturais da Galícia (Pontevedra/Espanha), entre outras.
O programa Música Minas é realizado por meio da parceria firmada entre o poder público, representado pela Secretária de Estado de Cultura e a sociedade civil, na figura do Fórum da Música de Minas Gerais, que une entidades organizadas e representativas da música como a AAMUCE (Associação dos Amigos do Museu Clube da Esquina), COMUM (Cooperativa da Música de Minas), FEM (Fora do Eixo Minas), Grupo Cultural NUC, Rede Catitu, SIM (Sociedade Independente da Música) e VALE MAIS (Instituto Sociocultural do Jequitinhonha).
Acesse os editais e saiba mais sobre as oportunidades geradas pelo programa no www.musicaminas.com

6 de ago de 2012

IES FAZ TRIAGEM PARA SERVIÇOS DE ORTODONTIA


pacientes podem colocar aparelhos com custo reduzido,
durante cursos de especialização da entidade

O IES Pós Graduação (Rua Penafiel, 420 - Bairro Anchieta - BH - MG) está cadastrando pacientes interessados em colocar aparelho dentário, mediante custos mínimos, em atendimento durante seus cursos de especialização para adultos ou crianças. Cobertura integral - gratuita, exceto despesas com a taxa de manutenção mensal = R$50,00 e taxa de confecção em caso de prótese móvel (a confecção de aparelho fixo não tem custo/o paciente paga somente taxa manutenção).Para participar do processo de triagem, agendamento via telefone (31) 3284 4545 - IES - Centro de Estudos da Saúde e Gestão Sérgio Feitosa: www.iesposgraduacao.com.br



5 de ago de 2012

BETHANIA (EN)CANTA CHICO

(por Márcia Francisco)

(foto: Márcia Francisco)

“Vou ser artista, minha mãe”
(Dona Canô, lembrando fala de sua filha Bethania, na infância)

Brasileira.
Sexta filha de Seu José e Dona Canô, mãe eterna que por bênção é viva. Dona Canô já contou que no convento, quando Bethânia era criança não cantava no coral, porque todo mundo achava a voz muito forte... É nascida em Santo Amaro da Purificação, cidade que nasceu, na Bahia, de um dos povoados mais antigos do Brasil. É irmã de Caetano Veloso. Caetano Veloso é seu irmão. E ele lhe deu o nome, vindo de uma canção consagrada na voz de Nelson Gonçalves, aquele maravilhoso cantor com voz de:...trovão.
Pretensão pensar em traduzir a grandeza de um ser humano e sua missão apenas própria pela sua biografia. Com Bethânia fica clara esta consciência. Ao vê-la e ouvi-la, se nos aquietarmos é possível estabelecer um contato direto com o significado de um termo que costumo utilizar para designar certas bênçãos com as quais tive a oportunidade de contatar: “através de”. Somos, todos, esse canal. Através de nós se expressa a divindade, a origem, o propósito, como queira denominar. Mas, esta expressão, só se dignifica por ser exata à sua devida grandeza, quando o ser humano se entrega ao exercício desta missão. O termo ‘entrega’, segundo o enorme verbete do Aurélio, entre suas descrições, se relaciona à “confiar”, “dedicar-se, consagrar-se e dar-se”.
“Eu de noite sou seu cavalo (Sem açúcar, Chico Buarque)
Peço licença, pois, à Bethânia, com quem não convivi além palcos o suficiente para retratá-la, para compartilhar minhas impressões, as que se amalgamaram na minha alma, através dos tempos (*divago, pensando, como Nicinha, a irmã que tanto a acompanhou devia conhecer...toda luz.). Aos 11, em minha adolescência, por presente divino e conceito familiar atento, já ouvia Bethânia e cantava, colegas achavam o repertório estranho e pouco contemporâneo às necessidades da pré-adolescência, nos idos dos anos 80. Ouvia, também, toda a efervescência de tendências da década, mas, aqueles LPs de Bethânia (na época sem o h), tocavam noutro lugar em mim. É que a “Abelha Rainha” já estava à décadas cuidando bem da sua colméia.
É que ser filha de Santo Amaro da Purificação, de “nossa querida” Dona Canô, ter fé católica e ser filha de Iansã, não traz missão para quatro paredes. É pauta universal.
Como seria para todos nós, também, se abraçássemos a real condição de estar aqui, com a entrega da lida diária e sua reverência possível. Bethania abraça.
Iansã é a rainha dos raios e dos ventos. Iansã é o vento, a brisa que alivia o calor, mas é também o calor. A senhora dona das ventanias é a guerreira. O elemento é o fogo, é dela o entardecer. Já ouviram Bethânia falar sobre o entardecer? Não falo do poema de Pessoa, consagrado em sua voz. Mas, de um trecho do documentário “Música é perfume”, com o qual Bethânia nos presenteou por ocasião dos seus 60 anos...
Iansã no sincretismo é Santa Bárbara. À ela a oração: “Santa Bárbara, que sois mais forte que as torres das fortalezas e a violência dos furacões, fazei que os raios não me atinjam, os trovões não me assustem e o troar dos canhões não me abalem a coragem e a bravura (...)
Desfiando meus rosários de pensamentos soltos para não nos podar em descrições, antologias eternas ou conclusões que limitam as sensações que constroem nosso ser.
Isso tudo para falar de “Bethânia interpreta Chico Buarque”. Um espetáculo ímpar que integra o Circuito Cultural do Banco do Brasil (traz, ainda: Sandy interpreta Michael Jackson e Lulu Santos interpreta Roberto e Erasmo) e viaja em turnê por cinco capitais. Belo Horizonte teve sua prévia em Julho, quando, no dia 29, trouxe Bethania a capital mineira.
A lenda de Yansã, ela, Oyá que dança a dança dos ventos encontra Xangô e dele recebe o poder dos raios e seu coração. Ver e ouvir Bethania cantando Chico é o coração. É puro amor revelado através da música. Duas grandezas, cuja reverência mútua, permite nos palcos e nos discos (como tantas vezes já vimos), a plenitude que a arte pode conter.
Descalça, como sempre atua, fio sagrado que transporta da terra ao céu ‘através de’ si; o ‘Pequeno Príncipe’. Bethania, encantadoramente vestida pelo estilista Ronaldo Fraga, que aliás, também a via, neste dia, de um dos 1700 lugares ocupados no Grande Teatro do Palácio das Artes, traz consigo a divindade. Não sou a primeira a dizer, esta senhora é uma entidade. Técnica exercitada no diário, músicos valiosos e comprometidos com seu ofício. Feito isso, na hora do show tudo isso é sublimado e brota o Ser. A senhora se agiganta, canta, dança, sorri, pronuncia-se, agradece. Ela agradece seu público com reverências, talvez, por experimentar o valor da unidade entre os seres. Ela brinca de cantar, canta sem brincar e nenhum de nós é capaz de afastar olhares dela.
Cantando Chico? A completude. Sem palavras, sinto dizer. Indescritível possibilidade que se confunde ao leve e cuidadoso cenário do espetáculo e sua iluminação exata, torna-se pura luz. Nenhum problema técnico arrancaria daquela senhora e, não arrancou, mais que olhares e palavras de respeito ao público que, em sua maioria jamais teria notado aspectos indesejáveis de som. Porque Bethania é o próprio espetáculo. De Chico, o presente da compreensão do universo do Sagrado Feminino. Mamão com mel. A “Abelha” reina nas interpretações, sem excessos, construindo com justa sutileza o sabor da geléia real que experimentamos.
"(...) apenas seguirei como encantado ao lado teu" (Chico Buarque)
Em um ponto do espetáculo, numa sequência de fôlego sem fim (em que o melhor das canções de Chico se sobrepunham, em interpretações incansáveis e notável escolha, quase sem pausas, encantando a assistência), no desenho de repertório tão bem traçado, conosco Bethania volta o olhar ao cenário que se abre em vídeo em mais recente gravação dela e Chico, lembrando os duetos das temporadas que fizeram juntos, em meados dos anos 70, no Canecão (RJ). Ela se senta, quase se deita, é o encontro e a reverência. Talvez o algo semelhante em referencia, ao que no Candomblé, chama-se “bater cabeça”... Na liberdade e no respeito de homenagear, reverenciar, Bethania nos coloca frente a uma cena de igualdade profunda, entre duas expressões artísticas que se fundem, pelo sacro presente. São duas entidades a serviço da luz. Termina “o ponto”, nós levantamos, público alimentado, fortalecido e grato. Ela volta, canta e canta novamente.
“(...)Ah, eu quero te dizer/ Que o instante de te ver/ Custou tanto penar/ Não vou me arrepender/ Só vim te convencer/ Que eu vim pra não morrer/ De tanto te esperar/; Eu quero te contar/ Das chuvas que apanhei/ Das noites que varei/ No escuro a te buscar/ Eu quero te mostrar/ As marcas que ganhei/ Nas lutas contra o rei/ Nas discussões com Deus/ E agora que cheguei/ Eu quero a recompensa/ Eu quero a prenda imensa/ Dos carinhos teus” (Chico Buarque)
Com sincera devoção à Nossa Senhora e respeito, faço minhas as suas palavras, quando em nossos dois breves encontros, tratamos sobre a bênção: “Nossa Senhora te abençoe”, Bethania! “Nossa Senhora nos abençoe”!

(foto: Márcia Francisco)

P.S..: me permito mais uma partilha. Ao lado destes dois ícones sagrados, há outro que, também, reverencio com muito respeito: Vejo, em Chico Buarque, o maior compositor brasileiro. Hoje, um mestre de sensibilidade próxima é definido por mim como o maior compositor brasileiro da atualidade, com semelhanças a Chico pela profundidade das letras e compreensão tão precisa da alma feminina, mas, cuja personalidade própria se revela facilmente no simples exame de sua obra. Estou falando de Vander Lee. Numa dessas “deusidências” da vida, pude presenciar nos bastidores o encontro de Bethania e Vander Lee, após o show do dia 29 de julho, no Palácio das Artes. Bethania que já gravou Vander Lee o recebeu calorosamente, em recíproca emocionante. Compartilho aqui, o vídeo amador que fiz, de um trecho deste encontro, quando Bethania canta “Estrela”, de Vander Lee, em recepção de delicadeza ímpar e cuja celebração genuinamente traduz um encontro verdadeiro. Nesta noite, mais um. Com gratidão e licença:

2 de ago de 2012



TITÃS NO MIX GARDEN

Os Titãs se apresentam no Mix Garden no dia 3 de agosto, sexta-feira. O show faz parte da turnê que comemora 30 anos do disco Cabeça Dinossauro, 3º álbum da banda. No repertório "Bichos Escrotos", "Polícia", "AA UU", "Homem Primata" e "Família" e outros hits.
O evento faz parte do projeto Aldeia do Rock e conta ainda com a participação de DJs e duas atrações locais, as bandas Falcatrua (especial Tim Maia) e The Rockers (especial Ultraje a Rigor).
Ingressos à venda no Chilli Beans (Pátio/ Diamond / BH shopping) ou www.centraldoseventos.com.br
Valores: 2º lote: Masc.: R$ 180,00 inteira e R$ 90,00 meia entrada/ Fem.: R$ 160,00 inteira e R$ 80,00 meia entrada

Mix Garden: Rua Projetada, 65 Nova Lima - Jardim Canadá - fone (31) 3581-3722