20 de dez de 2012

ENTREGA DAS OBRAS DE MODERNIZAÇÃO DO MINEIRÃO

Nesta sexta-feira, dia 21 de dezembro, às 16h, com a presença  da presidente Dilma Rousseff, o Governador Anastasia, o secretário extraordinário da Copa em Minas, Tiago Lacerda  e diversas autoridades e personagens do futebol, acontece a cerimônia de entrega das obras de modernização do Mineirão. Após passar pela reforma para receber jogos da Copa das Confederações, em 2013, e da Copa do Mundo, o Estádio ganha excelência e qualidade notáveis. Confira alguns aspectos:


O público que quiser conferir como ficou o estádio poderá trocar um quilo de alimento não-perecível, exceto sal e fubá. Serão disponibilizados 15 mil ingressos para o primeiro dia de festa. Às 16h, a esplanada será aberta, e a visitação no estádio será das 18h às 20h. No dia 22, a visitação será das 12h às 18h, e serão disponibilizados 20 mil ingressos. No dia 23 de dezembro, a visita será das 10h às 16h, também com 20 mil ingressos disponíveis para o público.
A troca dos alimentos por ingressos acontece no Mercado Central e na Cidade Administrativa, sede do Governo de Minas e termina nesta quinta-feira, às 17h. Os visitantes poderão percorrer parte da arquibancada, atrás de um dos gols.

A BHTrans, Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte, fará um esquema de trânsito especial, com linhas especiais de ônibus e três pontos de táxi.A linha de ônibus especial, que terá o preço de R$ 2,65, poderá ser paga com dinheiro e com o cartão BHBus. Na sexta-feira, dia da entrega do estádio, os ônibus sairão da rua Rio Grande do Sul, esquina com rua Tupis. De 20 em 20 minutos, em média, partirá um veículo em direção ao Mineirão. O serviço será entre 15h30m e 23h, após o término do show do Jota Quest, previsto para 22h. Nos dias 22 e 23, sábado e domingo, os ônibus sairão do mesmo local, com circulação entre 8h e 20h.

O show do Jota Quest será na esplanada, já que o gramado ainda não permite que seja montada uma estrutura sobre ele. A esplanada tem 80 mil metros quadrados e será utilizada como espaço de lazer no novo Mineirão. Além da apresentação da banda de pop rock, outros artistas mineiros se exibirão antes do show. A única observação é que o público não poderá vestir qualquer camisa de clubes de futebol.

18 de dez de 2012

Fundação Municipal de Cultura lança o Concurso Nacional de Literatura Cidade de Belo Horizonte

A Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Fundação Municipal de Cultura (FMC), abriu hoje as inscrições para a edição 2012 da premiação literária mais antiga do país: o Concurso Nacional de Literatura Prêmio Cidade de Belo Horizonte. O concurso irá premiar obras inéditas, de autores brasileiros, nas categorias Conto, Dramaturgia, Poesia e Romance. As inscrições podem ser feitas até o dia 22 de março de 2013.
O regulamento pode ser consultado no Diário Oficial do Município – DOM (www.pbh.gov.br/dom) e no site da FMC (www.pbh.gov.br/cultura), a partir desta terça-feira.
Uma das grandes atrações desta edição do Concurso é a premiação. A obra vencedora em cada categoria receberá um prêmio de 50 mil reais, um dos maiores já pagos em concursos literários. Podem participar do concurso apenas pessoas físicas brasileiras, natas ou naturalizadas. Os autores menores de 18 anos devem apresentar uma autorização escrita dos pais ou responsáveis legais. Além de inéditas, as obras inscritas devem ser escritas em língua portuguesa.
Criado em 1947, na comemoração do cinquentenário da capital, o Concurso Nacional de Literatura Prêmio Cidade de Belo Horizonte é o concurso literário mais antigo do país. Um de seus principais atributos é o fato de o concurso premiar apenas obras inéditas. A cada edição, o Prêmio Cidade de Belo Horizonte contribui para o surgimento de novos escritores e obras. Autores como Carlos Herculano Lopes, Antônio Barreto, Luis Giffoni, Roseana Murray, Maxs Portes, entre outros, integram a galeria de vencedores do concurso.

Outras informações: premiocbh@pbh.gov.br

10 de dez de 2012

DONA JANDIRA INAUGURA SEU ESPAÇO MULTICULTURAL

além de nos brindar com sua voz,
valorizando a arte e a cultura,

a cantora inaugura espaço multicultural, em Itatiaia-MG


Será no dia 15 de dezembro, sábado, às 11h, somente para convidados, a pré-inauguração do Espaço Multicultural Dona Jandira. Localizado à Rua Santo Antônio, 484 – Itatiaia – Povoado de Ouro Branco- MG, o Espaço, que será aberto ao público geral na segunda quinzena de Janeiro de 2013, vai oferecer gastronomia típica mineira sustentável em cardápio assinado pela Chef Ana Nogueira, shows, exposições de arte, espaço para artesanato, oficinas e workshops culturais, apresentações de teatro, dança e muito mais.

No dia 15, Dona Jandira recebe os convidados, celebrando a pré-inauguração, com seu canto, em show que terá entre os convidados especiais: Cássia Conceição, Filhas da Mãe, Eda Costa.
No espaço da Dona Jandira,
o restaurante: faz referência a cozinha Mineira.
Sentindo o cheirinho da comida feita no fogão a lenha.
A cozinha mineira tradicional com um toque inovador, sem deixar de fortalecer a tradição.
Em nosso fogão você vai encontrar desde o tradicional e maravilhoso frango com quiabo a versões deliciosas da nossa velha conhecida costelinha de porco.
A cada fim de semana um prato especial “puxará a fila” para as delícias servidas que se completam com sobremesas que deixarão lembranças inesquecíveis.

Gastronomia sustentável considerando o não desperdício de alimentos com práticas econômicas, de responsabilidade social e ambiental, além de estimular a integração.”
(Chef Ana Nogueira)

Informações adicionais: (31) 86262102
espacoculturaldonajandira@gmail.com



27 de nov de 2012

MORRE CHANINA


Lamentavel perda: morreu nesta madrugada, aos 85 anos de idade, o grande artista Chanina.
Doente há mais de um ano, com hérnia que lhe trouxe complicações pós cirúrgicas. Internado, sofreu infecção generalizada. e derrame.
Da Escola Guignard para a respeitabilidade de uma arte própria, um polônês "brasileiro", "mineiro", "belo-horizontino", universal, que nos presenteou com sua arte.  
"Natural da Polônia, onde nasceu em 1927, Chanina emigrou para Belo Horizonte, com seus pais, aos nove anos de idade. Considerado um dos mais representativos artistas da chamada Geração Guignard - Em 1946 ele ingressaria na escola de arte então dirigida por Guignard na capital mineira -, tal pintor há muito ocupa o lugar que é o dele na história da arte em Minas Gerais.
Marcada por intenso colorismo e apoiada numa visão poético-onírica em que a fantasia e a criatividade formam a tônica dominante, sua obra inclui temas como paisagens, figuras, palhaços, cavalos, abstrações, retratos e outros mais. No entanto, as mulheres - apontadas pelo crítico Frederico Moraes como "as mais fascinantes de toda a pintura brasileira" - ocupam lugar especial.
Tais informações, além de outras obras de cunho biográfico e artístico, acompanhadas da fortuna crítica do pintor e da reprodução em cores de mais de 300 quadros, poderão ser encontradas no livro Chanina: arte e trajetória, de autoria de Renato Sampaio, publicado em julho de 2003, em Belo Horizonte, pela Rona Editora." (www.chanina.com.br)



23 de nov de 2012

MARISA, UMA VERDADE

(foto Márcia Francisco)
Um show maravilhoso, que traz ao palco Marisa terna e forte, mãe e mulher, com voz e recados de leveza, elegância, delicadeza. Músicos maravilhosos, banda, cordas que rasgam a alma, de tão bem casadas às melodias. Luxo de ter Dadi e os "meninos" do Nação Zumbi, aprender ou relembrar que Marisa compôs ECT com Nando Reis e Carlinhos Brown, tão consagrada na saudade de Cássia... tão mágica na interpretação de Marisa. O novo disco é maturidade que permite entrega e emoção...No decorrer do espetáculo, passear por sucessos eternos, lembrando a primeira vinda de Marisa em "Mais", na década de 80, tribalizar por aí, mergulhando neste infinito particular que sabe tão bem, mesclar, voz e instrumentos, presença de palco com luzes bem imaginadas, tão imaginárias e recursos visuais, íntegros, apropriados e devidamente creditados em ficha técnica e leitura pela própria Marisa, mencionando os artistals plásticos brasileiros envolvidos no processo. Marisa é palco interativo com links para pensamentos e redes virtuais sacramentadas na realidade que pede amor e gentilezas...Profeta lembrado, em suas tão bem ministradas aulas de "loucura" lúcida, "pintada de cinza" pour outros distantes da sua verdade. Cinza é preto no branco, que Marisa revela manualmente sob nossos olhos, desvendando essências e trilhando possibilidades. Nos bastidores, recebe flores do Governador e, meia hora antes dos espetáculo, solicita a possibilidade do agradecimento direto. É que para quem exercita o amor, sobe morros e desce rampas para desenhar seus sambas, já é sabido: "gentileza gera gentileza". "o que você quer saber de verdade?"

(por Márcia Francisco, com reverência de aprendiz,   acerca da estréia belo-horizontina de  "Verdade, uma ilusão", mais novo show da cantora Marisa Monte, em temporada na capital mineira e turnê nacional - em 23 de novembro de 2012)

21 de nov de 2012

LYA LUFT LANÇA "O TIGRE NA SOMBRA", EM BH

 O Sempre Um Papo recebe a escritora Lya Luft para o debate e o lançamento do livro “O Tigre na Sombra” (Ed. Record). O novo romance explora a história da menina Dolores, filha mais nova de uma mãe amarga e um pai dócil, que nasceu com uma perna mais curta do que a outra. A deficiência faz com que a criança cresça solitária, convivendo com a indiferença da mãe. O evento ocorre no dia 27 de novembro, terça-feira, às 19h30, no Auditório da Cemig (Av. Barbacena, 1200).
Neste impactante livro, Lya Luft retorna ao romance, para alegria de seus leitores. Seu último livro de ficção foram os contos de “O Silêncio dos Amantes”, de 2008, que virou peça de teatro com enorme sucesso.
O “Tigre Na Sombra” é um romance impactante no qual Lya Luft de maneira surpreendente cria um universo de mistério, magia e dramas humanos muito reais, com os quais qualquer leitor é capaz de se identificar e se emocionar. Apresentando personagens marcantes e um final completamente inesperado, a veterana Lya Luft consegue aqui se renovar mantendo intacta sua magistral capacidade de contar histórias.
Lya Luft começou sua carreira literária em 1980, aos 41 anos, com a publicação do romance As parceiras, seguido por A asa esquerda do anjo (1981), Reunião de família (1982), Mulher no palco (1984), O quarto fechado (1984), Exílio (1987), O lado fatal (1988), A sentinela (1994), O rio do meio (1996, Prêmio da Associação Paulista de Críticos de Artes), Secreta mirada (1997), O ponto cego (1999), Histórias do tempo (2000), Mar de dentro (2002), Perdas & Ganhos (2003), Pensar é transgredir (2004) e, no mesmo ano, Histórias de Bruxa Boa, sua estréia na literatura infantil, tema que retornaria em 2007 com A volta da Bruxa Boa. Em 2005, publicou o volume de poesias Para não dizer adeus e, em 2006, a reunião de crônicas Em outras palavras. Em 2008, após quase uma década afastada da ficção, Lya retorna ao gênero com O silêncio dos amantes. Formada em letras anglo-germânicas e com mestrados em Literatura Brasileira e Lingüística Aplicada, Lya trabalha desde os 20 anos como tradutora de alemão e inglês, e já verteu para o português obras de autores consagrados, como Virginia Woolf, Günter Grass, Thomas Mann e Doris Lessing, além de ter recebido o prêmio União Latina de melhor tradução técnica e científica em 2001 pela tradução de Lete: Arte e crítica do esquecimento, de Harald Weinrich. Desde 2004, assina a coluna Ponto de vista, da revista Veja.
Sempre Um Papo com Lya Luft
Data: 27 de novembro, terça-feira, às 19h30
Local: Auditório da Cemig (Av. Barbacena, 1200)
Informações: 31 3261.1501 – sempreumpapo.com.br

Fundação Municipal de Cultura cria Centro de Referência da Moda

(foto: Miguel Aun)
 A partir do dia 21 de novembro, o Centro de Referência da Moda está aberto à visitação e recebe a sua primeira exposição intitulada “A Fala das Roupas”, uma amostra de seu amplo e diversificado acervo. O novo espaço criado pela Fundação Municipal de Cultura está instalado no Centro de Cultura Belo Horizonte e reunirá desde luxuosos vestidos de gala, fraques e finas lingeries, até extravagantes chapéus, trousses, luvas e outros acessórios, itens vindos da Coleção Vestuário do Museu Histórico Abílio Barreto (MHAB).
Para marcar a abertura do Centro, na última semana de novembro, acontece o I Seminário do Centro de Referência da Moda com três dias dedicados ao tema: Memória, Negócios da Moda e Criação e Desenvolvimento. O evento contará com a participação de palestrantes renomados, como João Braga (historiador de moda); Maria Prata (diretora de redação da Harper's Bazaar Brasil); Astrid Façanha (professora da Faculdade Santa Marcelina e gerente geral da Netshoes); Maria Tereza Leal (fundadora da Coopa-Roca); Vera Lima (criadora do acervo de moda do Museu Histórico Nacional); Mary Arantes (da Mary Design) e Tereza Santos (estilista mineira). As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pessoalmente até o dia 22, das 10h às 17h, no CCBH, que fica na Rua da Bahia, 1149, esquina com Av. Augusto de Lima e também no MHAB, situado na Av. Prudente de Morais, 202

A Fala das Roupas
Horário de visitação: de segunda a sexta, das 10h às 18h
Centro de Cultura Belo Horizonte – Rua da Bahia, 1149, Centro
Informações: (31) 3277-4384

I Seminário do Centro de Referência da Moda
Dia 27, das 14h às 19h
Memória
Vera Lima: O acervo de trajes do Museu Histórico Nacional
João Braga: Visão da História da Moda brasileira no período de 1897 a 1980
Soraya Coppola: Restauração e conservação de tecidos e trajes
Dia 28, das 14h às 19h
Negócios da Moda
Terezinha Santos e Tereza Cristina Hohs: Negócios da Moda
Omar Hamdam: Fashion City - o novo empreendimento da Moda
Maria Tereza Leal: Coopa-Roca, uma cooperativa vitoriosa
Astrid Façanha: O futuro das lojas físicas em vista do desenvolvimento das lojas virtuais
Dia 29, das 9h às 12h50
Criação e Desenvolvimento
Mary Arantes: A Poesia da criação
Andrea Marques: Tendências não são imposições; como pensar a cartela de cores, as estampas e a silhueta de cada estação
Maria Prata : O papel do passado na Moda do futuro

CIRO GOMES EM BH


O ex-ministro da Fazenda e ex-governador do Ceará, Ciro Gomes, é o convidado da reunião de amanhã, às 9 horas, na Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH).
Durante o encontro, Ciro Gomes fará palestra com o tema “Brasil em Perspectiva”. O evento contará com a participação de diversos políticos mineiros, entre eles o prefeito Marcio Lacerda.



11ª MINAS TREND PREVIEW

SAIBA TUDO:


13 de nov de 2012

RECUERDOS DE UNA VIDA

Acontece nos dias 22, 23 e 24 de novembro, quinta-feira a sábado, 21h30, no Espaço Cultural Pátio Espanhol (Avenida do Contorno, 4035 – São Lucas - esquina com Av. Carandaí / BH – MG), o espetáculo “Recuerdos de una Vida”: uma história bailada “al compás del flamenco” que retrata de forma emocionante três momentos de uma vida: a alegria dos sonhos, a dor das perdas e a vitória da superação e recomeço. A história é contada através da música e da dança flamenca, trazendo os mais puros e genuínos sentimentos. Tempo de nascer! Tempo de celebrar a vida e de se entregar à juventude. Tempo de perder. Tempo de sofrer e de se remoer na dor. Tempo de renascer! Superar as dores da vida e se entregar ao tempo!

A Companhia Pátio Espanhol, dirigida pela bailaora Elisa Soares, nasceu em agosto de 2011, a partir do desejo de difundir a arte flamenca através de apresentações por todo Brasil. Na trajetória da Companhia, neste primeiro ano de vida, apresentações em festas, festivais e projetos culturais em Minas Gerais, entre eles: Projeto Plataforma da Arte SESC/MG, Festival Gastronômico de Brumadinho/MG, ASTTTER Associação dos Servidores do Tribunal do Trabalho da Terceira Região, Corrida da Longevidade e Festival de Inverno de Congonhas/MG. Integram o elenco:Alessandra Miranda, Aline Coelho, Ana Cristina Carmo, Ana Pires, Danielli Dias, Jessica Walter, Liliane Colen, Lorena Mercês, Luciana Soares, Renata Furtado e Thaís Maia.
Elisa Soares: Professora, bailarina, coreógrafa e diretora artística da Companhia Pátio Espanhol e de flamenco. Especializou-se com grandes nomes nacionais e internacionais do flamenco atual. Psicóloga, coloca como prioridade elevar a autoestima e autoconfiança, motivar e trabalhar a qualidade das relações, considerando o potencial de cada um. Elisa é a idealizadora do Pátio Espanhol – Gastronomia, Cultura & Escola de Dança, inaugurado em Agosto de 2011. A realização de um sonho. Um espaço em Belo Horizonte especialmente criado para a apreciação da cultura espanhola e da arte flamenca!

RECUERDOS DE UNA VIDA
FICHA TÉCNICA
Direção Geral e Concepção de Espetáculo: Elisa Soares
Direção Artística e Solistas: Elisa Soares e Ana Pires
Toque e Direção Musical: Micael Pancrácio
Cante (Espetaculos de Novembro): Carol Romano
Bailaoras: Elisa Soares, Ana Pires, Alessandra Miranda,
Aline Coelho, Ana Carmo, Danielli Dias, Jessica Walter,
Liliane Colen, Lorena Mercês, Luciana Soares,
Renata Furtado, Thaís Maia
Fotografia: Natália Nunes
Figurino: Valma Alves, Flamenco Riatitá, Flamenco Molina

Reservas e informações adicionais: (31) 3324-4035/9809-5955
CONHEÇA:
www.patioespanhol.com.br


PADRE FERNANDO LOPES LANÇA SEU PRIMEIRO CD

(FOTO: MARIANGELA CHIARI)

Será no dia 13 de novembro, terça-feira, a partir das 19h, na Livraria Leitura BH Shopping (3º piso), a noite de autógrafos e lançamento do CD "Rastro de Luz", do Padre Fernando Lopes. No ano em que celebra 15 anos de vida sacerdotal, Padre Fernando fortalece sua missão e exercício constante de evangelizar através da música, através deste registro fonográfico. Pároco Paróquia Santo Inácio de Loyola (Bairro Cidade Jardim, BH/MG), há 14 anos; Coordenador da Rede Catedral de Comunicação Católica e Coordenador da campanha Faço Parte da Arquidiocese de Belo Horizonte, Padre Fernando Lopes apresenta em "Rastro de Luz", composições próprias e parcerias que evocam a luz amorosa divina que se propaga e se comunica, gerando alegria, saúde, paz e harmonia. Ao lado do aspecto religioso, cuidadosa expressão artística para apreciação do público geral.

RASTRO DE LUZ
(por Padre Fernando Lopes)
"Sempre considerei e utilizei a música como importante instrumento de evangelização, em minha vida sacerdotal. Desde jovem, trago escritos e poemas, muitos deles 'transformados' em música. A principio, nunca havia pensado em registrar esses trabalhos em CD, mas com o estimulo constante de amigos, fui me convencendo deste outro horizonte evangelizador, sem nunca abrir mao de outras tantas atuaçoes como sacerdote. No período em que passei a refletir mais serenamente sobre esta questão - já determinado em meu sacerdócio e não me vendo um padre cantor, mas, como alguém que lança mão da música para ampliar a evangelizaçao.

O fio condutor escolhido para contemplar um conjunto de poemas meus, girou em torno da temática da Luz. Todos nós somos filhos da Luz, ou seja de Deus. Deus é luz amorosa que se propaga, se comunica, gerando alegria, saúde, paz, harmonia. Ele mesmo, um dia afirmou para nos que Ele é o caminho. Seguindo seu rastro de amor, seremos também homens e mulheres que deixaremos rastros na história, de tal forma que outros possam mirar nossos bons exemplos. A luz nunca procede de nós, somos instrumentos dela, para que na liberdade possamos sempre colaborar com o bem comum, com a Paz. Diante de tantos de amigos, paroquianos que ao terem contato comigo me recordavam desta luz em mim, pensei em relembrar a todos que temos a luz de Deus em nós e por isso, temos o poder de dissipar todas as trevas que por vezes nos assombram e nos entristecem. Basta ter fé e agirmos na direção desta luz, com sabedoria e determinação.

As letras deste CD inaugural falam, também, da minha vocação, meus sonhos, minhas percepções, inquietações humanas presentes nas diversas fases de minha vida.

As músicas refletem, pois, minha vocação ao sacerdócio, minha felicidade e alegria em servir a esta causa tão nobre, e mostra ainda as mudanças indispensáveis que passamos em nossas vidas para que possamos nos configurar com a Sagrada Face de Deus.
'Rastro de luz', com 5 faixas, proporcionou viabilidade de produção, dentro das minhas possibilidades financeiras reais e permitirá que pelo menor número de canções, as composições possam ser melhor comtempladas pelos ouvintes." (Padre Fernando Lopes)

Gravado nos Estúdios Bemol (BH/MG), entre fevereiro em março de 2012, o disco tem produção independente e traz 5 faixas, com origem em poemas feitos pelo padre, antes e após sua ordenação, que ganharam melodias e tornaram-se cantos. A escolha do Padre em apresentar 5 músicas, fez com que o disco se tornasse uma realidade acessível às possibilidades e investimentos financeiros do pároco, que contou com apoio de particulares que já conheciam e acreditavam neste trabalho de evangelização pela música, há muito realizado por ele. Além das composições apresentadas, já existem outras, aguardando patrocínio para um próximo disco.

O repertório traz: Magia do Amor (Padre Fernando Lopes/Rogério D'Avila), O chamado (Padre Fernando Lopes/Rogério D'Avila), Rastro de Luz )Padre Fernando Lopes/Rodrigo Grecco), Sagrada Face (Padre Fernando Lopes/Adelso Freire) e Vai (Padre Fernando Lopes/Rogério D'Avila).

"Rastro de Luz" traz produção executiva de Saulo Sabino, capa de Júlio Corradi, arte final de Beatriz Marinho e fotografias de Mariângela Chiari e Andréa Lopes (paisagens).

PADRE FERNANDO LOPES
Natural de Jequeri/MG, Padre Fernando Lopes teve como uma de suas primeiras expressões participativas nas celebrações em sua infância e adolescência, fazer leituras bíblicas nas celebrações e cantar era sua alegria. Na adolescência e juventude, foi criando gosto pela escrita de poemas, que continham reflexões e pensamentos. Talvez fossem as primeiras expressões relacionadas à futura vida sacerdotal.

Oriundo de família interiorana e simples. Convivendo com pais, avós, irmãos e com a comunidade Fernando Lopes aprendeu que ser membro da Igreja é ter uma vida pautada em muita oração e envolvimento social. Seus pais e avós sempre foram atuantes na Conferência São Vicente de Paulo que salva, através da solidariedade, muitos irmãos carentes e miseráveis.

Aos 18 anos, enquanto fazia curso de Técnico Metalúrgico em Ouro Preto, sentiu um forte apelo em ser padre, principalmente por ver tantos jovens de sua minha idade se perdendo no uso de drogas, numa vida cheia de futilidades e banalidades, como constatou.

Com o apoio familiar iniciou seus estudos em preparação ao Sacerdócio na Congregação Salesiana e, há 15 anos, foi ordenado na Cidade de Jequeri, MG, pelo Cardeal Dom Serafim Fernandes de Oliveira e com a presença do bispo auxiliar Dom Décio Zandonadi. Os estudos acadêmicos aconteceram na Puc Minas e no Instituto Santo Tomás de Aquino (ISTA).

Antes de sua ordenação fez o curso de Letras na Puc Minas e exerceu um trabalho pastoral no CESAM (Centro Salesiano do Menor), em 1981; em 1982, fez o Noviciado Salesiano na cidade de Barbacena e atuou no trabalho pastoral com crianças e jovens carentes no Oratório Festivo de Dom Bosco; em 1985, no período que cursou Filosofia, atuou pastoralmente na Paróquia Cristo Luz dos Povos BH; em 1986, fez estágio pastoral em Cachoeira do Campo (MG) e trabalhou com internato de Crianças carentes; em 1987, fez estágio Pastoral em Resende (RJ) e trabalhou assessorando a Pastoral da Juventude na Diocese de Volta Redonda (RJ); em 1990- Trabalhou na Paróquia Santa Maria Mãe de Deus, no bairro União (BH). Neste período trabalhou como professor no Colégio Marista, Dom Silvério; de 1995 a 2005, coordenou a Pastoral da Juventude na Arquidiocese de Belo Horizonte. Há 14 anos é pároco Paróquia Santo Inácio de Loyola; Coordenador da Rede Catedral de Comunicação Católica e Coordenador da Campanha Faço Parte. Utilizando a música como um instrumento de evangelização, Padre Fernando prossegue sua missão sacerdotal e lança, em 2012, o CD "Rastro de Luz".

Os discos já se encontram à venda na Paróquia Santo Inácio de Loyola, Lojas Mãe da Igreja (Centro e Lourdes), Lojas Paulinas (Centro e Funcionários) e Leitura BH Shopping.

No dia do evento, o CD será comercializado à R$15,00.
Na mesma data, entra no ar o site:

29 de out de 2012

XVIII Bazar de Arte Belvedere


este tradicional encontro de arte e bom gosto abre a temporada de bazares de final de ano


De 08 a 11 de novembro, quinta a domingo, acontece a XVIII edição do Bazar de Arte Belvedere. O consagrado bazar, criado pela artista plástica Sônia Toledo, apresenta ao público, sempre em primeira mão, uma seleção primorosa de boas opções em arte para decoração e presentes.

Sônia Toledo apresenta suas esculturas e cerâmicas decorativas, Elisa Pena e Fred Pena trazem telas e esculturas; Domingos Sávio Gariglio, jóias em prata, Rota do Quilt apresenta patchwork e peças para enxoval; Sandra Matos, artesanato e Mada Ligieri, mosaicos.

Com entrada franca, o tradicional Bazar funcionará na quinta e sexta, das 14h às 22h e no sábado e domingo, das 10h às 22h, Informações adicionais: (0xx31) 3286 2588







11 ANOS DA FOTOS & FESTAS TERÁ BRIGADEIROMANIA NO CAFÉ DA MANHÃ

Danniella Farias e sua Brigadeiromania prometem adoçar a boca dos presentes nas comemorações de 11 anos da Revista Fotos & Festas.

Fundada em outubro de 2010, em Belo Horizonte, a Brigadeiromania Brigaderia Gourmet by Danniella Farias é a primeira brigaderia mineira. Com produção totalmente artesanal e utilizando o mais puro chocolate, a carta de brigadeiros da Brigadeiromania é composta por mais de 40 sabores que vão do tradicional ao exótico e que estão satisfazendo os paladares mais sofisticados.

O super evento, que terá como anfitrião o carismático comunicador social e empresário Pedro Paulo Machado de Souza, acontecerá no dia 8 de novembro, quinta-feira, a partir das 20h nos salões do Automóvel Clube, em beneficio das obras da ONG Proação.

Danniella Farias, tecnóloga em Gastronomia, com certificação em supervisão e gestão de restaurantes, especialista em Estratégia Empresarial e proprietária da Brigadeiromania, promete surpresas especiais para enriquecer café da manhã dos convidados do Pepê e sua Fotos &Festas.

24 de out de 2012

A NOITE DOS MAGOS

Baile beneficente, com concurso de fantasias e presença do DJ Augusto


Promovido pela Ordem Rosacruz AMORC, acontece no dia 26 de outubro, sexta-feira, às 21h, no Espaço Cultural da Associação dos Magistrados de Minas Gerais - AMAGIS (Rua Albita, 194 - Bairro Cruzeiro - BH - MG), o Baile à Fantasia "A Noite dos Magos". Aberto ao público, o evento, animado pelo DJ Augusto tem como objetivo angariar fundos para reforma do telhado da entidade. Haverá concurso de fantasias e a noite promete diversão e muita alegria. Os ingressos já se encontram à venda. Informações adicionais: (31) 8835 7402
A Ordem Rosacruz AMORC é uma organização de caráter místico-filosófico, tradicional e iniciático, cujas origens remontam ao Egito Antigo, por volta de 1500 anos antes da Era Cristã, quando reinava Tutmés III. Mas foi sob o impulso de Amenhotep IV, mais conhecido pelo nome de “Akhenaton”, que ela assumiu sua verdadeira dimensão. Há séculos, ela perpetua, sob forma escrita e oral, o Conhecimento que os Iniciados vêm transmitindo ao longo das Eras. A Ordem Rosacruz não é uma seita, nem uma religião, sendo seu único propósito o de contribuir para a evolução da consciência e para a regeneração física, mental e espiritual da humanidade. Ela é apolítica e tem como seus membros pessoas pertencentes a todas as categorias sociais. De acordo com seu lema: “A mais ampla tolerância na mais irrestrita independência”, ela não impõe quaisquer dogmas, mas propõe os seus ensinamentos a todos aqueles que se interessam pelos mistérios da existência.
CONHEÇA:
www.amorc.org.br

A NOITE DOS MAGOS - Baile à fantasia
com DJ AUGUSTO
26 de outubro, sexta-feira, às 21h
Espaço Cultural da Associação dos Magistrados de Minas Gerais
Rua Albita, 194 - Bairro Cruzeiro - BH - MG
Ingressos à venda:
R$80,00 (adultos)
R$60,00 (até os 16 anos)
Venda antecipada: 91961735/ 91387971
Informações adicionais: (31) 8835 7402

MARCELO GENEROSO MISSA DE 7º DIA

Caros amigos,

Informamos que a missa da ressurrreição do jornalista e colunista social Marcelo Generoso será realizada nesta quinta-feira, dia 25 de outubro, às 19h, na Paróquia Nossa Senhora de Fátima (Praça Carlos Chagas, nº 33 - BH - MG *Praça da Assembléia).

Contamos com a presença de todos.

20 de out de 2012

MORRE MARCELO GENEROSO

MINAS PERDE MARCELO GENEROSO


Caros amigos, uma perda súbita e irreparável, para o jornalismo mineiro, para a sociedade e amigos.

Morreu, esta noite, o querido amigo, jornalista Marcelo Generoso, ao 39 anos de idade Sem palavras, Marcelo, acabou de voltar de Las Vegas, onde acompanhou, uma vez mais Ivete Sangalo. Morreu em casa, vítima de morte súbita, ataque cardíaco, no auge da vida com planos familiares, mudanças e muita vida pela frente, sob nosso olhar. Houve busca de socorro do filho-irmão de coração Pedro e atendimento em vão. Virou estrela eterna o colunista tão querido.

Seu espirito aberto, livre, educado e responsável deixou legado de luz, na brevidade do seu tempo e será lacuna irreparável na história do colunismo mineiro.

O ENTERRO será 15h, no Cemitéiro da Colina, onde o corpo está sendo velado.

MARCELO GENEROSO, 33 anos, era jornalista colunista social em MG por 11 anos. Assinou coluna em 31 jornais brasileiros, 01 revista de Brasília(FRADE) e 01 revista de São Paulo(TURISMO BRASILEIRO) além da revista ÀPICE em Minas. Comandava o Programa MARCELO GENEROSO, veiculado em 08 rádios mineiras, rádios essas em cidades pólo, sendo o programa ouvido em 62 cidades mineiras, próximas às cidades pólo que sediam as rádios. Também comandou o Programa MARCELOGENEROSO RSVP no canal 14 da NET.

Era diretor-presidente da MGM Comunicação e Eventos e realizava vários shows e eventos em Minas. De tradicional família de políticos mineiros, Marcelo Generoso era sobrinho do ex-governador do Distrito Federal, Ministro e embaixador José Aparecido de Oliveira.

Marcelo Generoso foi o autor e viabilizou o Projeto Generoso, que levou 60 jovens médicos e dentistas recém formados, para atendimento gratuito a comunidades carentes do Vale do Jequitinhonha, durante as férias de dezembro e janeiro.

Conhecido como o Generoso de todos os amigos, Marcelo Generoso tinha trânsito e amizades em várias gerações, convivendo com vários jovens e pessoas dos 18 aos 80 anos, em virtude de sua profissão como jornalista, assessor parlamentar, colunista e empresário do setor de eventos.Nascido na cidade mineira de Conceição do Mato Dentro, foi o mais jovem da história a receber o Título de Cidadão Honorário de Belo Horizonte, tendo recebido a mesma honraria em mais 06 cidades mineiras. Recebeu várias medalhas e comendas entre elas a Carlos Drummond de Andrade, no centenário do poeta, e a Pedro Aleixo, respeitado político e jurista mineiro.

19 de out de 2012

6ª CineBH – Mostra Internacional de Cinema de Belo Horizonte

6ª CineBH – Mostra Internacional de Cinema de Belo Horizonte

BrasilCineMundi – 3rd International Coproduction Meeting
18 a 23 de outubro de 2012


Programação traz 126 filmes nacionais e internacionais, retrospectivas de Leos Carax, Nicolás Pereda e do coletivo mineiro Teia; 3º Brasil CineMundi recebe profissionais da indústria audiovisual mundial para conhecer o cinema brasileiro independente

Começou na quinta-feira, 18 de outubro, a temporada cinematográfica na capital mineira – é a 6ª edição da Mostra Internacional de Cinema de Belo Horizonte (Mostra CineBH) , no Grande Teatro do SESC Palladium com homenagem à produtora mineira Teia. Ao longo dos seis dias de evento, o público poderá assistir a 126 filmes nacionais e internacionais, em todos os gêneros e formatos, muitos deles premiados em importantes festivais internacionais e que terão a primeira exibição no Brasil. Toda programação é oferecida gratuitamente ao público.

Para a abertura da 6ª Mostra CineBH, a Teia preparou em parceria com o grupo O Grivo um Cine-Concerto inédito a partir das imagens dos filmes realizados pela produtora nos seus 10 anos de existência. A trilha sonora foi executada ao vivo pelo Grivo, parceiro em vários dos trabalhos do coletivo.

O Cine-Concerto “O Grivo Teia” propôs potencializar a diversidade de procedimentos de montagem com duração de 35 minutos. “Os filmes escolhidos reúnem, a partir de um determinado tema ou ‘atmosfera’, fragmentos de vários outros filmes. O Grivo preparou, a partir daí, ideias musicais que partem de uma mesma fonte: uma espécie de metrônomo digital que aciona vários sons via alguns softwares”, comentou Nelson Soares, do O Grivo.

Mantendo o propósito de valorizar os cinemas de bairro,ampliar os espaços de exibição e o acesso do público à sua programação, a Mostra CineBH chega também a duas salas do Usiminas Belas Artes e ao Circuito Cultural Praça da Liberdade, local que será sede do evento, do Brasil CineMundi, de oficinas e debates. Integra também o circuito de exibição do evento o tradicional Cine Humberto Mauro, o SESC Palladium– que receberá a abertura oficial do evento em seu Grande Teatro (plateia 1310 pessoas), além de realizar exibições nacionais e internacionais em sua sala de cinema –, e o Inhotim, que contará com a exibição de filmes temáticos sobre meio-ambiente e artes plásticas, além de ser o anfitrião da comitiva de convidados nacionais e internacionais.
A Mostra CineBH cumpre seu papel de ser instrumento de formação, reflexão, difusão do cinema brasileiro em intercâmbio com o mundo, amplia a rede de contatos e negócios, aproxima profissionais da indústria audiovisual e dá visibilidade para a produção independente”, afirma a coordenadora da Mostra CineBH, Raquel Hallak.

A programação de filmes está dividida em nove mostras temáticas, incluindo três grandes mostras retrospectivas inéditas no Brasil. A primeira será dedicada ao cultuado diretor francês LeosCarax, premiado em festivais como Berlim, Cannes e Locarno. O diretor de Sangue Ruim e Os Amantes da Pont-Neuf terá uma retrospectiva completa em película de seus longas, além de Tokyo! (filme em segmentos dirigido em parceria com Joon-hoBong e Michel Gondry) e sua mais recente produção, o polêmico Holy Motors, seu retorno à direção depois de mais de uma década de silêncio, premiado no último Festival de Cannes.

O mexicano NicolasPereda, de apenas 28 anos e sete filmes no seu currículo, incluindo prêmios em Veneza, Locarno, Valdivia, Toulouse e Guadalajara, também terá uma retrospectiva completa e inédita de sua obra, incluindo a exibição em película de seu último filme, Los Mejores Temas, que estreou no último Festival de Locarno. O diretor estará presente à mostra, para discutir com o público o seu processo criativo e as particularidades de sua filmografia.

A produtora mineira Teia, homenageada do evento, contará também com uma retrospectiva–serão exibidos cinco longasrepresentativos da carreira de cada diretor do grupo. Filmes como O Céu Sobre os Ombros(2010), de Sérgio Borges; Balança Mas Não Cai(2012), de Leonardo Barcelos; Girimunho(2011), de Helvécio Marins Jr e Clarissa Campolina; A Falta que me Faz(2009), de Marília Rocha; Acidente(2006), de Pablo Lobato eCao Guimarães, além de duas sessões com nove dos curtas mais significativosda trajetória da produtora.


Na Mostra Contemporânea, o público poderá conferir o melhor da recente produção brasileira, além dos grandes destaques dos principais festivais de cinema do mundo. Serão ao todo oito longas, dois médias e um curta nessa programação. Entre os brasileiros, os destaques ficam por conta do mais recente filme de Bruno Safadi, Éden, projeto viabilizado graças ao prêmio recebido no último Brasil CineMundi, e O Que Se Move, de Caetano Gotardo, um dos principais destaques do último Festival de Gramado.

Já a programação internacional trará os novos filmes dos mestres Frederick Wiseman(CrazyHorse, selecionado para os Festivais de Londres, Toronto e Nova York) e William Friedkin (Killer Joe, que concorreu ao Leão de Ouro no último Festival de Veneza), além de obras de realizadores como Federico Veiroj(La Vida Util, Melhor Filme do Festival de Havana) eBrillanteMendonza (Em Nome de Deus, concorreu ao Urso de Ouro no último Festival de Berlim).

3º BRASIL CINEMUNDI ABRE AS JANELAS DA COPRODUÇÃO INTERNACIONAL
Além da programação de filmes, a MostraCineBH realiza, pelo terceiro ano consecutivo, o BrasilCineMundi, programação que conta com a presença e participação de convidados internacionais, nacionais e representantes da indústria audiovisual mundial. O evento representa uma importante ferramenta de capacitação, formação e treinamento de profissionais da área do audiovisual, visando a inserção da produção independente no mercado internacional, além de contribuir para o desenvolvimento da indústria cinematográfica no Brasil.
O encontro trará a oportunidade de realizadores e do público em geral debaterem com convidados como Isabelle Huige, diretora de programação da Arte France, Thierry Lenouvel, dofundo francês de financiamento de Amiens, e GudulaMeinzolt, do festival suíçoVisions du Réel, além de produtores e realizadores da França, Alemanha, Holanda, Espanha, México, Suíça, Chile, Colômbia, Argentina, EUA e Portugal.
Os encontros abordarão temas como Fundos de Investimento, Estratégias de VendasInternacionais e PromoçãoemFestivais, o Conteúdo Audiovisual para TV, o Desafio da Produção em Curtas e Médias, além dos Diálogos do Brasil com a América Latina e o Mundo. Completando a programação, haverá ainda dois estudos de caso de coproduções recentes bem sucedidas: Tabu, de Miguel Gomes, vencedor do Prêmio da Crítica no último Festival de Berlim e que contará com a participação do produtor brasileiro FabianoGullane e do produtor português Luis Urbano; além do filme Girimunho, de Helvécio Marins Jr e Clarissa Campolina, que terá na mesa, além dos diretores, os produtores brasileiros, alemães, espanhóis e suíços.
Toda programação do evento é oferecida gratuitamente ao público.

Acompanhe a 6ªMostra CineBH e 3º Brasil CineMundi
:www.cinebh.com.br



VEM AÍ...



15 de out de 2012

Mêrcks Paulo se apresenta em BH


Será no dia 20 de outubro, sábado às 21h, no Boi Lourdes Savassi (Av. Getúlio Vargas, 1238 – Savassi – BH – MG), o show do cantor, violonista e compositor, Mêrcks Paulo. Natural de Jacinto, Baixo Jequitinhonha/MG, o artista que em 2013 celebra 25 anos de carreira fonográfica, dá início as comemorações de aniversário, levando ao público canções autorais e outras que marcaram sua história. Mêrcks está em fase final de produção do seu terceiro disco, “Jardim Particular”, que será lançado em breve. O show do dia 20 conta com as participações especiais de Pablo Leite e Geovani Sassá (Tambolelê). Reservas e informações adicionais: (31) 30779562.
Mêrcks Paulo, violonista, cantor e compositor, é natural de Jacinto (baixo Jequitinhonha, nordeste de Minas Gerais). Em 2013, o artista celebra 25 anos de carreira fonográfica. Mêrcks divide o exercício de seu dom musical com outra atuação especial: é também advogado atuante, formado pela Faculdade de Direito Milton Campos, em Belo Horizonte/MG. Na música, venceu o primeiro festival de música aos 12 anos, participou de inúmeros festivais de música por toda Minas Gerais, sendo finalista e vencedor em vários deles. Na trajetória, abriu shows do cantor e compositor Belchior em várias cidades mineiras, e realizou inúmeros shows próprios em Belo Horizonte, Jacinto, Almenara, Rubim, Governador Valadares, Teófilo Otoni, Jaboticatubas, Santa Luzia, Lagoa Santa, Betim, Lavras, Contagem, entre outras. Na capital, sua arte já foi mostrada em shows no saudoso Cabaré Mineiro, Teatro da Imprensa Oficial (Clara Nunes), Teatro ICBEU, Teatro da PUC Minas, Teatro Marília, Feiras do Servas, Saraus Culturais da Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG), Espaço Usiminas e AABB (Associação Atlética Banco do Brasil), entre outros espaços.
Sua discografia traz: o vinil “Entre o Real e a Fantasia” (1988), e o CD “O Mapa do Tesouro” (2002).
Mêrcks Paulo está em fase final de produção do seu terceiro álbum, que contará com as participações de Paulinho Pedra Azul, Márcia Francisco e Marcelo Jiran e, produção, arranjos e direção de Marcelo Jiran.

14 de out de 2012

Sense of "Quiet" Minas

Sense of "Quiet" Minas - música expressiva e calma para o mundo ser mais bonito e pacífico


Em 18 de outubro, será realizado em Belo Horizonte a versão mineira do festival internacional de música sense of "Quiet", com a presença de seu criador, o produtor japonês Yoshihiro Narita (www.nrt.jp), trazido ao Brasil pelo Programa de Intercâmbio Música Minas e Secretaria de Cultura do Estado de Minas Gerais.

Contando com grandes nomes de Minas Gerais identificados com a proposta "Quiet" de música, o sense of "Quiet" Minas pretende, em suas edições, atrair artistas de vários países,

tornando-se polo de integração de pessoas e culturas utilizando a música como linguagem universal.

O sense of "Quiet" Minas promoverá encontros inusitados como o do bossa-novista Bob Tostes cantando com Regina Souza, interpretando juntos canções gravadas por eles em seus álbuns. Na segunda parte, Leonora Weissmann (voz) e Rafael Martini (piano e voz), que acaba de lançar seu primeiro disco solo, Motivo, recebem Sérgio Pererê (voz e percussão); o trio também fará um repertório quiet-autoral. Para finalizar, o duo Renato Motha e Patricia Lobato, que também lançou recentemente o álbum Sunni-e, dedicado ao universo dos mantras, receberá a cantora Leopoldina, intérprete revelação da música mineira, e também o Coro Kirtan, mostrando ao público canções do novo disco.

Programa sense of "Quiet" Minas - Festival

18/10/12 - Quinta-feira - 20:30h - Teatro Sesiminas
1) Bob Tostes e Regina Souza / Renato Motha - violão e vocal
2) Sérgio Pererê, Rafael Martini e Leonora Weissmann / Frederico Heliodoro - baixo acústico
3) Renato Motha, Patricia Lobato, Leopoldina e coro Kirtan / Ricardo Passos - Percussão e vocal

O sense of "Quiet" Festival no Japão

O festival de música sense of "Quiet" foi realizado em maio de 2012 com a intenção de, através da música, elevar a estima dos japoneses fragilizada após o tsunami seguido do acidente nuclear de Fukushima, ocorridos em março de 2011.

Com atmosfera mágica, sense of "Quiet" aconteceu em 13/05 no Templo de Komyoji, em Kamakura, e nos dias 15 e 16/05 no Sogetsu Hall, em Tóquio. O evento foi um grande sucesso, encantando a todos os presentes, e revelando que não só o Japão, mas o mundo está carente de um momento "Quiet".

No Japão, o festival contou com a participação das japonesas Tamami Tono e Ichiko Aoba, dos argentinos Carlos Aguirre e Quique Sinesi, além dos mineiros Renato Motha e Patricia Lobato, que já lançaram 7 álbuns naquele país, e fizeram neste ano, a terceira turnê por lá.

Agora, o produtor Yoshihiro Narita almeja tornar o festival anual no Japão, bem como realizar versões dele em outros países. Começando pelo Brasil, ele ancora em Minas Gerais o sense of "Quiet" Minas no próximo dia 18 de outubro, no Teatro Sesiminas em Belo Horizonte.

Assista,  aqui , 2 vídeos da apresentação de Renato Motha e Patricia Lobato no sense of "Quiet", em Tóquio:
- "Ong Namô" http://youtu.be/7Z3uIl6NV7E

- "Ong Sohong" http://youtu.be/WEemnmzeOlk

19 de set de 2012

ANTONIO VILLEROY EM BH

Será no dia 27 de setembro, quinta-feira, 22h, na Utópica Marcenaria (Av. Raja Gabaglia, 4700 – Santa Lúcia – BH – MG – 3296 2868) o show de Antonio Villeroy – José e a Coleção de Hits, traz show de abertura de Marcella Fogaça e participações especiais de Affonsinho e Chico Amaral. Reservas de mesa e informações adicionais: (31) 32962868.

O ENCONTRO
Antonio e Marcella se conheceram em 2010, no Rio, quando o cantautor gaúcho gravava seu CD José, pela gravadora Biscoito Fino. Naquele momento, a mineira Marcella, que também é publicitária, jornalista e atriz, começava a se apresentar em casas noturnas no Rio e, na sequência, gravaria seu primeiro CD, Te Virar do Avesso.
Da amizade, começou uma colaboração profissional, cada um participando dos shows do outro, além de duos espontâneos em saraus e, posteriormente, as composições em parceria. Por enquanto, são duas canções finalizadas, Amor ao Acaso e Samba da Magrela, além de outras ainda em construção.

O SHOW
O show será dividido em duas partes. Primeiro, Marcella sobe ao palco acompanhada de Fred Nascimento (Cazuza, Legião e Capital Inicial), para cantar músicas do seu CD, ainda inédito, mostrando, em suas composições, a mescla de pop rock com MPB que tem cativado públicos mais variados, do Ceará ao Mato Grosso do Sul, passando por Sergipe, Minas, São Paulo e Rio de Janeiro, onde recebeu da Revista Época o título de “a queridinha da noite carioca”. Na segunda parte, Antonio, que está começando as gravações de seu sétimo álbum, desfia, de voz e violão, o repertório de seu disco, José, acrescentando hits consagrados na sua voz e na outros artistas, como Maria Bethânia, Gal Costa, Zizi Possi, Maria Gadu, Mart’nalia e, principalmente, Ana Carolina que já gravou 24 canções de sua autoria. Entre um número e outro, Antonio chamará dois de seus parceiros musicais mineiros, Affonsinho e Chico Amaral, cada um participando de duas canções, entre elas, CoraCão, com Affonsinho e Para Lô Lennon e Paul, com Amaral. No final, Antonio chama Marcella para fazerem suas duas parcerias.

ANTONIO VILLEROY
Um dos mais requisitados hit makers da atualidade, Antonio tem suas canções nas trilhas da teledramaturgia brasileira em mais de vinte novelas da Rede Globo, Record, Rede Bandeirantes e SBT e em vários filmes nacionais, como Amores Possíveis (Sandra Werneck), Sexo Amor e Traição (Jorge Fernando), Sonhos Roubados (Sandra Werneck), Casamento de Romeu e Julieta (Bruno Barreto), Divã (Daniel Filho) e, entre outros, a trilha completa de Enquanto a Noite não Chega de Beto Souza e Renato Falcão. Nos EUA, sua canção From Ruins of a Town (parceria com Fernando Paiva), foi o tema principal do filme Neptune’s Rocking Horse do nova-iorquino Robert TateVilleroy teve duas canções indicadas ao Grammy Latino, São Sebastião em 2005 e Rosas em 2007.
Após quatro discos independentes, em 2006 lançou pela Warner Music o seu primeiro DVD, Sinal dos Tempos (também em CD), que o projetou nacionalmente como intérprete de suas criações.Em 2010, lançou seu 6º álbum de carreira, José, pela gravadora Biscoito Fino. Atualmente está rodando um documentário sobre o processo de composição com autores de diversos países, das Américas, Europa e África. Desde 1994 realiza turnês pela Europa, e já contabiliza mais de 300 apresentações em países como Portugal, Espanha, França, Itália, Suíça, Alemanha, Áustria e Inglaterra. Além de sua língua de origem, ele também compõe e interpreta em francês, italiano, inglês e espanhol. Entre seus parceiros musicais estão os americanos John Legend, Jesse Harris, Don Grusin, Jeff Franzel e Eve Nelson, os italianos Chiara Civello e Antonio Galbiati, os africanos Lokua Kanza (Congo), Alune Wade (Senegal) e Blick Basse (Camarões), os latino americanos Descemer Bueno (Cuba), Jorge Villamizar (Colômbia) e Juan Carlos Perez Sotto (Venezuela) e os brasileiros Ana Carolina, João Donato, Ivan Lins, Seu Jorge, Elisa Lucinda, Jorge Vercillo, Bebeto Alves, João Nabuco e Eugênio Dale, entre outros.Entre suas atividades paralelas, Antonio produziu, de 1996 a 2006, na cidade da Sanary sur mer, na França um dos maiores festivais de música brasileira da Europa, onde já se apresentaram nomes como Gilberto Gil, Milton Nascimento, Lenine, Jorge Benjor, Chico Cesar, Elba Ramalho, Daniela Mercury, Ana Carolina, Olodum, Carlinhos Brown, Fernanda Abreu, Skank, Paralamas do Sucesso e Trio Mocotó, entre muitos outros.
www.antoniovilleroy.com
www.myspace.com/antoniovilleroymusic
Links Marcella Fogaça
Um de seus projetos, ilustrando seu lado multimídia, foi seu primeiro clipe, da música “Pés no Chão. Ela mesma filmou, em Paris, propositalmente no celular e editou. Confira no link abaixo:
http://www.youtube.com/watch?v=qUeKpBZ5pDg
Confira também a música de trabalho, “Te Virar do Avesso”
http://www.youtube.com/watch?v=WTHNEzf3Oi8

ANTONIO VILLEROY
show de abertura de Marcella Fogaça e participações especiais de Affonsinho e Chico Amaral
27 de setembro, quinta-feira, 22h
Utópica Marcenaria
Av. Raja Gabaglia, 4700 – Santa Lúcia – BH – MG – 3296 2868
Entrada:
R$40,00 - no evento
R$25,00 - na “lista amiga” da Utópica Marcenaria, disponível
no site www.utopica.com.br e facebook do local
Reservas de mesa pelo telefone: 3296 2868

18 de set de 2012

MORRE RAUL BELÉM MACHADO

Noticia triste, amigos, novamente.. esta semana BH está nos deixando órfãos de muitos queridos. Comunico o FALECIMENTO, hoje,  do cenógrafo, figurinista, arquiteto teatral e professor, querido RAUL BELÉM MACHADO. O Teatro perde um de nossos maiores talentos em todos os tempos.
O velório será na Funeral House, de 15 ás 18h

TODA LUZ, MESTRE. Um cenário de bençãos acolha vc na nova morada.

15 de set de 2012

MORRE HELENA PENNA

Gratidão pessoal à imprensa e amigos que tanto apoiaram Helena durante esta luta.
Que ela descanse na luz do amor e da beleza transparente do seu sorriso. Minha imagem de Helena será a da alegria que expressou, ainda em sua cadeira de rodas e cercada de médicos, na porta central interna do lotado Grande Teatro do Palácio das Artes, onde, com a linha do palco que cantou por ela, formava a pirâmide do amor e da solidariedade que ela própria nos ensinou. Imagem que registrei na foto a seguir.Todo amor, Helena!

Depois de longa enfermidade decorrente do diabetes e de três AVCs, a cantora Helena Penna morreu na noite de sexta-feira, no Hospital da Unimed, onde estava internada há várias semanas. O velório está sendo realizado neste sábado, no Bonfim, e o sepultamento será às 15h30, no Cemitério da Paz.
Helena nasceu em São Bernardo do Campo, SP, e se mudou muito cedo com a família para Diamantina, onde cresceu ao som das tradicionais serestas. Já em Belo Horizonte, tornou-se cabeleireira, formou-se em História, estudou técnica vocal, cantou em coral, bares, teatros e praças.
Em meados da década de 1980, integrou o Grupo Tecla – Teatro Clube da Amizade, sob a direção do teatrólogo Wenceslau Coimbra Filho. Atuou em espetáculos premiados como “Morte e Vida Severina”, “Chico Viola” e “Chico Rei”, participou de filmes e comerciais de TV. Em 1995, gravou o disco “Marias”, com o qual conquistou o Prêmio Sharp de cantora revelação da MPB. Em 1997, lançou o CD “Belôricéia”, em homenagem ao centenário de Belo Horizonte.
Em 12 de julho deste ano, vários músicos realizaram o show “Todos por Helena Penna”, lotando o Grande Teatro do Palácio das Artes com o objetivo de angariar fundos para ajudá-la nas despesas do longo tratamento. Na ocasião, lançaram a “Coletânea Helena Penna”, reunindo algumas de suas melhores interpretações. A iniciativa foi do escritor Jorge Fernando dos Santos, com apoio dos músicos Geraldo Vianna, Jairo de Lara e do assistente de produção Tão Rodrigues.
A família contou com a ajuda de amigos e fãs da cantora para cobrir despesas com o tratamento e isso levou os músicos a realizarem o show em sua homenagem. Participaram do evento 38 artistas mineiros, entre eles Toninho Horta, Vander Lee, Amaranto, Fernando Brant, Chico Lobo, Dona Jandira, Kadu Vianna, Ladston do Nascimento, Lígia Jacques, Waldir Silva, Ausier Vinicius, Célio Balona, Rodrigo Delage, grupo Tempera Viola, entre outros.
A carreira coroada com o Prêmio Sharp não foi suficiente para garantir à cantora o devido sustento na dor e na doença. Vítima de diabetes, Helena Penna sofreu três AVCs e perdeu os dois rins, o que a obrigava a fazer hemodiálise três vezes por semana. Como se não bastasse tudo isso, contraiu uma infecção na bexiga e recentemente teve que amputar a perna esquerda.
Para o radialista Acir Antão, da Rádio Itatiaia, “Helena Penna lembra uma outra Helena, a Ribeiro, que pontificou no rádio mineiro cantando na Inconfidência e na Guarani. Ambas da mesma cor e com o mesmo timbre de voz, a mesma bossa e o mesmo balanço”.
O jornalista, pesquisador e ex-colunista de música Carlos Felipe destacou na cantora seu potencial de voz: “Helena apresenta aquele timbre meio a meio, entre o contralto e o barítono, reforçado por uma sonoridade que impressiona a todos os que a ouvem cantar”.
Por essas e outras, o Prêmio Sharp foi conquistado por unanimidade, despertando elogios de jurados como Cássia Eller e Cauby Peixoto. Na condição de presidente do júri, o produtor e pesquisador Zuza Homem de Mello comentou na ocasião que “Helena Penna é uma das maiores revelações da MPB. Ela é a grande cantora que o Brasil precisa conhecer”.
O resultado imediato da premiação foram participações em programas de rede nacional, como Sem Censura, apresentado por Leda Nagle pela TVE, e Jô Soares Onze e Meia, pelo SBT. Em março de 1998, Helena abriu o show de Elba Ramalho na Praça da Estação, em comemoração ao Dia Internacional da Mulher. Também se apresentou em Cuba e na Itália, e foi coroada rainha conga em Diamantina, tendo como rei o bailarino e coreógrafo Evandro Passos. Seu nome é verbete no Dicionário Cravo Albin da MPB.
O violonista e produtor Geraldo Vianna, que cuidou dos arranjos e da direção artística de seus dois CDs, lembra que “há cantores que cantam e encantam... Helena, quando em estúdio, entoou as primeiras notas de ‘Caprichos do destino’ e me fez chorar. No peito, o coração calou e repensou a arte. A ela eu rendo meus sinceros agradecimentos por ter me feito transcender as barreiras da técnica e da sensibilidade, buscando e acreditando no sentido maior da arte: o amor”.

14 de set de 2012

JORGE FORBES EM BH


Sempre um Papo apresenta
Jorge Forbes 17/09, segunda-feira, às 19h30
no Teatro João Ceschiatti do Palácio das Artes
Lançamento e debate do livro “Inconsciente e Responsabilidade – Psicanálise do Século XXI”

A publicação não traz soluções prontas e padronizadas, tais como os livros de autoajuda almejam ou as mensagens pregadas hermeticamente pelos bispos e pastores que invadiram os canais de televisão. “As mídias sociais são a maior prova desse mundo onde nos arriscamos a cada segundo. Em 140 caracteres temos que enviar um pensamento nosso, um sentimento, uma angústia, uma percepção e não há como voltar atrás. O mundo é sem garantias, a favor ou contra. Por isso não se aplicam mais os discursos padrões”, diz.

Para Jorge Forbes, o homem contemporâneo perdeu a sua bússola, já que não existe mais um norte certo e comum para todas as pessoas. “Perdemos a referência das coisas e temos que abandonar a ideia de que a nossa ação possa se basear em uma razão garantidora. A vida é risco para quem não queira ser genérico, plastificado, irrelevante”, esclarece o autor. O livro é tema de reflexão para todos aqueles que sentem que no mundo atual nada é mais como já foi um dia. “Não se nasce, se educa, se ama, se casa, se constitui família, se trabalha e se morre como antes”, conta. O psicanalista vai além: “Hoje, vemos casos em que as pessoas alegam que foi o inconsciente que a fez agir de tal forma, que ele estava fora de si. Ela pode não ter culpa, mas é responsável pelos seus atos”.

“Inconsciente e Responsabilidade – Psicanálise do Século XXI” é uma obra para ser aplicada nos consultórios por psicanalistas ou estudada por universitários da área. No entanto, apesar de originar-se de uma tese de doutorado, também é livro de provocações para um jurista, um sociólogo, um antropólogo. “O jornalista, o educador, o empresário podem encontrar aqui insights de compreensão do novo laço social em que vivemos. Enfim, é para quem almeja encontrar soluções não em fórmulas padronizadas de qualidade de vida, mas sim na responsabilidade por uma vida qualificada”, conclui.

“[...] O inconsciente do qual vamos tratar é aquele que leva o ser falante a responsabilizar-se pela invenção de seu estilo singular de usufruir de seu corpo e de sua vida. No discurso da psicanálise difundida nos meios de comunicação, responsabilidade e inconsciente não são termos que aparecem conjugados, chegando a ser considerados excludentes. Assim, a responsabilidade estaria associada à consciência plena e onde houvesse inconsciência não poderia haver responsabilidade. Diante de um ato que cometeu – voluntária ou involuntariamente – e sobre o qual estranha a própria participação, é comum a pessoa dizer: ‘Só se foi o meu inconsciente’. No século xxi, o psicanalista que acredita no inconsciente irresponsável não trata o sintoma e não cura. É urgente considerar a responsabilidade pelo que é inconsciente, pois já não podemos mais contar com as ficções – tais como a do mito paterno – que, até o século passado, nos permitiam escapar, dizendo: ‘Foi por causa de papai’. Também a clínica psicanalítica, por essas mesmas razões, atravessa um novo momento. […]” - Trecho da Introdução

Jorge Forbes é psicanalista e médico psiquiatra, atuante em São Paulo, curador e conferencista do Café Filosófico da TV Cultura. Doutor em Ciências pela Universidade de São Paulo. Doutor em Teoria Psicanalítica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Mestre em Psicanálise pela Universidade Paris. É um dos principais introdutores do ensino de Jacques Lacan no Brasil, de quem frequentou os seminários em Paris, de 1976 a 1981. Teve participação fundamental na criação da Escola Brasileira de Psicanálise, da qual foi o primeiro diretor-geral. Preside o Instituto da Psicanálise Lacaniana e o Projeto Análise (www.projetoanalise.com.br). Dirige a Clínica de Psicanálise do Centro do Genoma Humano da USP. Tem artigos publicados no Brasil e no exterior. É autor, dentre outros livros, de “Você Quer o Que Deseja?”, em que trata de uma psicanálise além do Édipo, própria ao novo homem desbussolado da globalização. É coautor de “A Invenção do Futuro”, em que pensa soluções para viver na era de quebra dos ideais.
mais: www.sempreumpapo.com.br


PAULA SANTORO: NESTE MAR TEM MINAS

(por Márcia Francisco)

(foto; Márcia Francisco)

Se, como afirmou, Paula Santoro seguiu sua intuição ao criar seu novo álbum “Mar do meu mundo”, atesto que ela está em plena sintonia com seu tempo, com o melhor da música brasileira, com os sons universais e algo mais.
“Mar do meu mundo” faz acreditar que a Música Brasileira é valiosa, ainda que muitas vezes, algumas expressões que surgem por aí, pudessem nos fazer crer o contrário.
Mineira, radicada no Rio, há alguns anos, Paula canta o mar de seu mundo, deixando claro que neste “mundo, vasto mundo”, tem Minas.
Tem Minas, não somente nas composições que escolheu, cantando, por exemplo Leo Minax, Chico Amaral, Makely Ka, Kristoff Silva, Antônio Loureiro ou sobre arranjos do Uakti, convidado especial, mas, principalmente na sonoridade intrínseca nas interpretações de Paula, sua alma jazzística traz veias e teias tecidas nas inconfundíveis montanhas mineiras. E, não somente por eu ser mineira, mas, isso é mesmo um elogio, quando se trata de música. A qualidade rara da música que vem de Minas, não se restringe às melodias, celebra algo mais que nos toca profundamente.
Paula é, sem dúvida alguma, uma das mais belas vozes de Minas Gerais, das intérpretes mais preciosas que conheço, por sua irreverente entrega contínua  que rasga na voz os sons das partituras e imprime sua marca na precisão exata de seu timbre, notas perfeitamente executadas – ouvido absotuto, acabamentos perfeitos e, além da técnica dominada com louvor: um quê de verdade que só as almas que se entregam à sua missão têm.
É honra ver Minas cravada nas interpretações de Paula Santoro para Ivan Lins, Danilo Caymmi (que também é Minas), Sivuca e Glória Gadelha.
Quem diz que Minas não tem mar, percebe em Paula, mar aberto para a inclusão e o todo.
Com o Selo Borandá, o CD Mar do Meu Mundo, produzido por Rafael Vernet com direção musical dele e a própria Paula, traz o casamento perfeito entre os dois artistas. Vernet é de uma sensibilidade ímpar, pianista do primeiro time, capaz de compreender este universo amplo que a música de Paula permite abranger. “Mar do meu mundo” traz a revelação do mar intenso de Paula, com suas irreverências e mistérios.
A maré é mãe, maré cheia no ventre livre” (Mauro Aguiar e Paula Santoro)
Um momento singular do novo CD é o encontro de Paula com Uakti. O arranjo do Grupo para “Mar deserto” proporciona à Paula o exercício de seu dom de cantar fluindo livre sobre flautas, marimbas e mistérios “uaktianos”. Ouvir a faixa, nos remete à luz dos pirilampos no verão mineiro, à dança de dervixes circulando mágicos sobre areias desérticas. Viagem pessoal? A arte genuína, feita com compromisso, nos permite recriações e antologias mil.
O show de lançamento de Paula Santoro, no Teatro Alterosa, em BH, em 12 de setembro, comprova a imensidão litorânea da arte da cantora. Paula interpretou Cais, de Milton Nascimento, com propriedade diferente de tudo que já ouvi, lindamente.
No palco, acompanhada pelos músicos Rafael Vernet (piano), Guto Wirtti (contrabaixo) e Kiko Freitas (bateria), Santoro ainda nos presenteou com as participações sempre especiais de Marco Lobo (percussão) e Maurício Tizumba (tambor de congado), em interações sublimes com a platéia.Cantou “Não é céu” de Vitor Ramil e outras seletas que unificaram com primazia disco e show.
Mas, ao cantar (à) Yemanjá, fez soprar brisa de mar ao seu redor. Se não for filha de Yemanjá, erraram nos búzios, porque Paula, sagrada está na maturidade de sua arte bem vivida e nas bênçãos da Rainha do Mar. Odoiá.

11 de set de 2012

CAUBY PEIXOTO EM BH!

No dia 15 de setembro, às 21h, no Grande Teatro do Palácio das Artes, Cauby Peixoto se reencontra com o público mineiro. Para ocasião, ele escolheu o repertório do show “A voz do violão”. O cantor, que completa 60 anos de carreira, havia se apresentado em Belo Horizonte pela última vez há 12 anos.
Em "A Voz do Violão", Cauby canta apenas acompanhado pelo violão de Ronaldo Rayol, que dirige outros projetos do cantor. No repertório, estão canções em vários idiomas, recriando seus grandes sucessos e apresentando canções nunca interpretadas por ele, de autoria de Chico Buarque, Edu Lobo, Caetano Veloso e Gonzaguinha.

Repertório:
01. Guerreiro menino (Gonzaguinha)

02. As vitrines (Chico Buarque)

03. Bastidores (Chico Buarque)

04. Granada (Augustin Lara)

05. Minha voz, minha vida (Caetano Veloso)

06. Modinha (Sérgio Bittencourt)

07. Eu sonhei que tu estavas tão linda (Lamartine Babo)

08. Todo sentimento (Chico Buarque e Cristóvão Bastos)

09. O que tinha de ser (Tom Jobim e Vinicius de Moraes)

10. Hoje (Taiguara)

11. Adie (Pra dizer Adeus) (Edu Lobo e Torquato Neto – Vs. Cauby Peixoto)

12. Lembra de mim (Ivan Lins e Vitor Martins)

13. Viola enluarada (Marcos e Paulo Sérgio Valle)

14. A voz do violão (Francisco Alves e Horácio Campos)

15. Ilusão à toa (Johnny Mathis)

16. Il Mondo (Jimmy Fontana)

17. All the way (Albert Cahn)

18. Conceição (Dunga e Jair Amorim)


>> Os ingressos estão disponíveis nas bilheterias e na internet.
Preços: Platéia I – R$150,00 (inteira) e R$75,00 (meia)

Platéia II – R$130,00 (inteira) e R$65,00 (meia)

Platéia Superior – R$110 (inteira) e R$55,00 (meia)

NOITE BRANCA NO PARQUE MUNICIPAL!

No dia 14 de setembro, durante uma noite, das 18h as 6h, o Parque Municipal Américo Renné Giannetti e o Palácio das Artes serão palco de um evento inédito no Brasil. Trata-se do Noite Branca, que irá oferecer ao público 12 horas de imersão na arte contemporânea. Realizado pelo Governo de Minas, por meio da Fundação Clóvis Salgado, esta edição conta com a direção artística de Paulo Pederneiras. Toda a programação é gratuita.


Pela primeira vez, o Parque Municipal e o Palácio das Artes estarão abertos à visitação pública durante toda a noite, oferecendo uma vasta programação da arte contemporânea com exposições, instalações artísticas, mostras de vídeos, feira de publicações, apresentações cênicas e musicais. Ao todo, trabalhos de mais de 60 artistas irão interagir com o público, proporcionando uma fruição cultural diferenciada.

Inspirado no “Nuit Blanche”, de Paris, o evento visa proporcionar uma experiência noturna mediada por diversas proposições e intervenções artísticas. Criada em 2002 pela prefeitura de Paris, a “Nuit Blanche” promove durante a madrugada apresentações artísticas em diversas partes da cidade, como instalações de arte contemporânea, concertos e apresentações de artes cênicas, convidando o cidadão a desenvolver uma nova relação com o espaço urbano. Atrai milhares de turistas à capital francesa, inspirando outras cidades do mundo a realizar festivais semelhantes, como Madri, Miami, Tóquio e Montreal.

Noite Branca

Local: Palácio das Artes / Parque Municipal

Data: 14 a 15 de setembro

Horário: 18h às 06h

Entrada: Gratuita

Classificação: Livre

Informações: 3236 7400
 http://www.noitebrancamg.com.br


PARTICIPE DO BRAZILIAN MUSIC DAY

O MÚSICA MINAS, programa de fomento à produção e divulgação da música mineira, realizado em parceria pela Secretaria de Estado de Cultura e a Sociedade Independente da Música - SIM, representante do Fórum da Música de Minas Gerais, convida os músicos, pesquisadores e jornalistas do estado para participarem do Brazilian Music Day. O projeto tem o objetivo de identificar e catalogar a multiplicidade da música brasileira. A campanha de coleta do material vai até o dia 21 de setembro. Mais informações no site www.musicaminas.com


O Programa Música Minas irá receber CDs, DVDs, LPs, livros, documentários, pesquisas e outros registros relacionados à música e enviar para o ARChive of Contemporary Music, com sede em Nova York. O ARC é considerado a maior coleção de música popular do mundo. Além disso, os trabalhos serão catalogados em um site dedicado à diversidade da música produzida no Brasil.

Os músicos e pesquisadores interessados devem encaminhar 2 ou 3 cópias dos seus respectivos materiais. O envio da terceira cópia é opcional e será uma doação para a instituição. Enquanto as duas primeiras cópias irão para o acervo da ARC, a terceira pode ser vendida para ajudar na manutenção do trabalho desenvolvido. Importante frisar que a ARC não aceita recursos governamentais ou de empresas privadas e sobrevive de seus leilões de música e doações de sua diretoria.
O material deverá ser encaminhado para o endereço: Programa Música Minas/Biblioteca Arc – Caixa Postal 100 – CEP 30.161.970, Belo Horizonte, Minas Gerais.

Música Popular do mundo
Em 2011 foi lançado o primeiro World Music Day, com foco na música Islâmica. O site do projeto foi acessado por mais de 3 milhões de pessoas na época de lançamento da campanha e ainda recebe mais de 2000 visitantes por dia. A iniciativa foi premiada pela prestigiada Mesa Redonda dos Arquivistas de Nova York, como projeto mais inovador do ano.
Baseado nesse sucesso a ARC está desenvolvendo o primeiro Brazilian Music Day (BWMD). O projeto terá como um de seus resultados um site que irá apresentar e promover a rica cultura musical brasileira. O BWMD irá disponibilizar músicas, vídeos, shows, palestras, pesquisas, seminários, arte de capas de álbuns, fotos, links, etc, com o intuito de valorizar a beleza da música brasileira, ampliando o acesso da audiência global aos seus muitos gêneros e facetas.

Música Minas
Desde o seu lançamento, em 2009, o Programa MÚSICA MINAS beneficiou cerca de 740 artistas, por meio de 173 propostas selecionadas pelos seus Editais. A iniciativa levou artistas mineiros para importantes festivais, cursos e eventos em todo o mundo, além de ter realizado ações de representação em feiras internacionais de música como: WOMEX (Copenhague/Dinamarca), BAFIM (Buenos Aires/Argentina), CMJ Music Marathon (Nova York/EUA), CMW - Canadian Music Week (Toronto/Canadá), Mercado da Música Viva De Vic (Espanha), Culturgal - Feiras das Indústrias Culturais da Galícia (Pontevedra/Espanha), dentre outras.
O programa Música Minas é realizado por meio da parceria firmada entre o poder público, representado pela Secretária de Estado de Cultura e a sociedade civil, na figura do Fórum da Música de Minas Gerais, que une entidades organizadas e representativas da música como a AAMUCE (Associação dos Amigos do Museu Clube da Esquina), COMUM (Cooperativa da Música de Minas), FEM (Fora do Eixo Minas), Grupo Cultural NUC, Rede Catitu, SIM (Sociedade Independente da Música) e VALE MAIS (Instituto Sociocultural do Jequitinhonha).

10 de set de 2012

MILTON NASCIMENTO - DOUTOR HONORIS CAUSA



O Conselho Universitário da UEMG entrega, nesta segunda, dia 10, às 17h, em solenidade a ser realizada no Auditório JK, da Cidade Administrativa, o título de “Doutor Honoris Causa” ao cantor e compositor Milton Nascimento, que está completando 50 anos de carreira. A solenidade acadêmica terá a presença do governador Antônio Augusto Anastasia e será presidida pelo reitor, professor Dijon Moraes Júnior. Toda a programação está sendo coordenada por uma comissão tendo à frente a vice-reitora, professora Santuza Abras e a solenidade será aberta ao público. Milton Nascimento é reconhecido mundialmente como um dos mais influentes e talentosos cantores e compositores da MPB.
O estilo musical de Milton pode ser classificado como Música Popular Brasileira, surgido de um desdobramento do movimento da bossa nova, com fortes influências desta, do jazz, do jazz-rock e de grandes expoentes do rock, como os Beatles, Bob Dylan e com pitadas tanto da música hispano-americana de Mercedes Sosa, Violeta Parra e Victor Jara, quanto dos sons caribenhos de Pablo Milanes e Silvio Rodrigues. Ao mesmo tempo, o estilo de Milton nascimento não deixa de beber nas fontes regionais brasileiras, nos cantos folclóricos de Minas Gerais e de outros estados.
Participou de festivais em 1966 e 67, quando obteve o segundo lugar com "Travessia", sua e de Fernando Brant, e ganhou o prêmio de melhor intérprete. Gravou o primeiro disco nesse mesmo ano, viajando em seguida para os Estados Unidos, onde grava "Courage", em 1968. A partir daí gravou discos que marcarm época, como "Milton", "Minas", "Gerais" "Milagre dos Peixes" e os dois volumes de "Clube da Esquina", que acabaram intitulando toda a geração mineira emergente; Lô Borges, Beto Guedes, Toninho Horta, Wagner Tiso, Nivaldo Ornellas, Nelson Ângelo, Tavito e outros. Nos anos 70 teve algumas músicas censuradas pelo regime militar e gravou outros discos nos EUA, com a participação de Airto Moreira, Herbie Hencock, Wayne Shorter e outros. É considerado, tanto no Brasil quanto no exterior, um dos maiores cantores da música brasileira, além de ser um compositor consagrado, que influenciou toda uma geração de músicos. Em 1998 ganhou o Grammy na categoria World Music com seu disco "Nascimento". Entre seus maiores sucessos estão "Caçador de Mim" (Luís Carlos Sá/ Sérgio Magrão), "Nos Bailes da Vida", "San Vicente", "Bola de Meia Bola de Gude" (com F. Brant), "Canção da América" (com F. Brant), "Coração de Estudante" (com W. Tiso), "Fé Cega, Faca Amolada" (com Ronaldo Bastos), "Maria Maria" (com F. Brant), "Paula e Bebeto" (com Caetano Veloso), "Ponta de Areia" (com F. Brant), "Milagre dos Peixes" (com F. Brant), "Beijo Partido" (com Toninho Horta), "Tudo Que Você Podia Ser" (Lô Borges/ Márcio Borges), "Sentinela" (com F. Brant), "Um Girassol da Cor do Seu Cabelo" (L. Borges/ M. Borges), "Cais" (com R. Bastos), "Encontros e Despedidas" (com F. Brant), "O Cio da Terra" (com Chico Buarque), "Calix Bento" (Tavinho Moura), "Nada Será como Antes" (com R. Bastos), "Fazenda" (com Nelson Ângelo) e "Cravo e Canela" (com R. Bastos).

6 de set de 2012

INAUGURAÇÃO DO PARQUE DA SERRA DO CURRAL

Paula Santoro lança o CD "Mar do meu mundo"


Mar do Meu Mundo. Esse é o título do quinto CD de Paula Santoro que será lançado em espetáculo no dia 12 de setembro, às 20h,  no Teatro Alterosa (Av. Assis Chateaubriand, 499 – Floresta - BH - MG - 3237.6611). A intérprete será acompanhada pelos músicos Rafael Vernet (piano), Guto Wirtti (contrabaixo) e Kiko Freitas (bateria), e ainda contará com as participações especiais de Marco Lobo (percussão) e Maurício Tizumba (tambor de congado).
O repertório é formado por canções com a temática marinha, um conceito que surgiu de maneira espontânea. Durante a pré-produção do trabalho, Paula notou que a maioria das músicas que havia selecionado para o repertório tinha essa característica, então decidiu focar nesse tema. “Não é apenas o mar como elemento da natureza. Refiro-me também ao mar interior, pessoal – de turbulências, calmaria e mistérios”, revela.
Guanabara (Fred Martins), Alegria (Léo Minax e Chico Amaral), Homem ao Mar (Zé Paulo Becker e Mauro Aguiar), Samburá de Peixe Miúdo (Sivuca e Glória Gadelha), Flor (Frederico Demarca e Marcelo Fredá), Mar Deserto (Kristoff Silva e Makely Ka), Arabesco (Danilo Caymmi e Alice Caymmi), Luz da Terra (Antonio Loureiro), Joana dos Barcos (Ivan Lins e Vitor Martins), Água Salobra (Eduardo Neves e Mauro Aguiar) são as músicas do CD e do espetáculo.
O CD Mar do Meu Mundo foi produzido por Rafael Vernet e tem a direção musical também assinada por Vernet e a própria Paula. O CD está sendo lançado neste mês de setembro/2012 pelo selo Borandá.
Paula Santoro é uma das grandes intérpretes da sua geração. Nasceu em Belo Horizonte (MG) e há anos está radicada no Rio de Janeiro. Com diversos trabalhos em palco, estúdios de gravação e televisão, ela ganhou maior projeção a partir de 2002, quando conquistou o terceiro lugar no V Prêmio Visa de Música. Além dos quatro álbuns solo já lançados, sua discografia agrega dezenas de colaborações nos discos de artistas como Guinga, Nivaldo Ornelas, Pacífico Mascarenhas e Eduardo Neves.

***Capacidade do Teatro: 302 lugares Acesso para pessoas com deficiência

INFORMAÇÕES ADICIONAIS: www.boranda.com.br/paulasantoro


EU TE AMO TRAZ ALEXANDRE BORGES E JULIANA MARTINS A BH

O espetáculo 'Eu te amo', escrito por Arnaldo Jabor e protagonizado pelos atores Alexandre Borges e Juliana Martins será apresentado nos dias 8 e 9 de setembro, sábado às 21h e domingo às 18h, no Teatro Sesiminas (Rua Padre Marinho, 60 – Santa Efigênia - BH - MG) . Depois de ganhar os cinemas na década de 80 a história está de volta com adaptação da protagonista.


Juliana interpreta Maria, papel que foi de Sônia Braga nas telonas. Uma moça que se formou em Letras que não consegue emprego na área e vai trabalhar como gerente de uma loja de chocolates. Seu único relacionamento 'estável' é com um homem casado, um piloto de avião chamado Ulisses. De saco cheio da sua vida, ela resolve vestir o vestido do seu baile de debutante, fingir que é Mônica, uma garota de programa, e transar com o primeiro cara que aparecer: Paulo (Alexandre Borges).

Alexandre Borges encarna Paulo, que acabou de levar um 'pé na bunda clássico' de Bárbara, atriz, com quem morou por três anos - ela foi embora há um mês e ele nem sai mais de casa, onde também funciona sua produtora de cinema falida. Ele se diz um cineasta interrompido sem dinheiro para nada. E fica por ali bebendo, navegando na internet e curtindo mulheres virtuais até que conhece Mônica.

Nesta 'queda na real' que se encontra toda a consistência da peça. Quando os personagens são honestos um com o outro, qualquer vestígio de afeto acaba, ou talvez nada realmente tenha começado.

Ingressos à venda na bilheteria do Teatro.