30 de nov de 2008

TRAVESSIA DOS TEMPOS
Caros leitores, com alegria, convido vocês para o lançamento do meu primeiro livro de poesias. 'Travessia dos Tempos', registra 39 poemas, coletados em minha trajetória até o presente. O livro traz textos de abertura de Fernando Brant e de Paulinho Pedra Azul, aquarela do artista plástico Fernando Fiúza e projeto gráfico de Otávio Bretas.
Espero vocês!



















NÃO PERCA!
é maravilhoso!





























LEILÃO PARA FERNANDO FIUZA

No dia 02 de dezembro, terça-feira, às 20h30, acontece, na Galeria de Arte Carminha Macedo (Rua Bernardo Guimarães, 1200 - Funcionários - BH - MG), um leilão de obras de arte de vários artistas, cuja verba será integralmente repassada ao artista plástico e fotógrafo Fernando Fiuza. O acervo do Leilão contém trabalhos realizados em desenho, pintura, gravura, cerâmica, escultura e fotografia. Parte das obras já podem ser vistas online: CLIQUE AQUI
Saiba mais: (31)32263712









SÉRGIO MOREIRA, CLÓVIS AGUIAR E SERGINHO SILVA

O cantor e compositor Sérgio Moreira realiza show, em única apresentação, no dia 04 de dezembro, quinta-feira, 21h30, no Arrumação (Av Assis Chateaubriand 524 - BH - MG - em frente ao Teatro Alterosa). Com um repertório especial,à luz de energias positivas e alto-astral, Sérgio Moreira (voz), se apresenta com Clóvis Aguiar (piano). Convidado especial: Serginho Silva (percussão).Couvert: R$15,00. Reservas e informações adicionais: (031) 3088 3052
(FOTO S.MAGALHÃES)

LANÇAMENTO ESPECIAL
OITAVO PECADO: TUDO SOBRE A FALTA DE EDUCAÇÃO
Após 5 anos de pesquisas, Bismarcker e Santiago lançam livro de etiqueta



Num conceito mais abrangente, a etiqueta social hoje é uma forma de impor limites a pessoas (e povos) sem limite, num mundo que prima pelo gosto pelas coisas materiais em detrimento do ser humano e da pureza nos relacionamentos. E a palavra "etiqueta" passa a ter a ver com "ética", que desde Platão é o respeito pelo outro e pela outra, sem machismos, e por Direitos Humanos que deveriam ser iguais para todas as raças e classes sociais. Tudo o que fere, que prejudica e machuca, da mentira numa relação amorosa ou na amizade (traição) às grandes guerras que acabam com culturas inteiras (como no Iraque) é considerado no livro como "Falta de Educação", como indelicadeza, falta de preparo, de amor ao próximo, ausência de civilidade. Não incomodar é regra básica, e isto começa dentro de casa, nos conflitos entre gerações, nas escolas, na rua onde esbarramos e nem pedimos desculpas.
A arrogância de classe e o racismo são outras faltas de educação graves, mas que já estão sendo questionadas em nível mundial, haja vista a eleição de um político negro à presidência dos EUA. Sinal dos tempos, sem dúvida.
Agora, saber vestir-se faz bem ao olhar alheio; saber montar uma mesa corretamente denota civilidade. Saber escolher as cores certas é etiqueta visual e denota bom gosto. Tudo remonta à busca de um sucesso local interpessoal que adentra a possibilidade do sucesso nacional e internacional e, para tal, há regras. Ou máscaras - que são opções de comportamento para conseguir-se o que se quer na vida; e somos responsáveis por toda e qualquer decisão. Por outro lado, o livro também ressalta a importância do comedimento e do controle: toda mulher deve evitar transformar-se na "mulher perua" (demie-mondaine), e todo homem deve evitar ser um "homem pastiche", aquele tipo das calças apertadas, beirando a vulgaridade, exibindo-se. Ou ainda: se quiserem ser assim, não será da conta de ninguém, pensam alguns. A Arte, então, (o livro tem obras de artistas mineiros consagrados), surge como forma de tornar homens e mulheres sensíveis ao BOM GOSTO (um conceito também analisado na obra), mas também para o respeito pelo diferente, pelo diverso de nós, mas sem o exagero das formas que gritam em vez de acariciar, embora, em casos de denúncia, nada impeça o grito e a defesa contra todo tipo de agressão e censura. O livro é isto: um ensaio, uma reflexão, um passeio pelas formas da educação (ou da deseducação) que nos fazem ser o que somos em 2008. Bons e maus cidadãos, abertos a todo tipo de informação.
O equilíbrio e a elegância, não restam dúvidas, levam à convivência entre partes iguais e mesmo díspares, numa atmosfera de crescimento, seja no nível local ou no internacional. Isto constitui esta análise de 328 páginas, da Editora Anome Livros, impresso na SOGRAFE (dos portugueses João e Isabel Lopes). Como escreve Lena Brandão, um "overdrive" de informação em alta rotatividade, com bela formatação de Tamira Ferreira, inserida na capa magnífica do premiado Túlio Oliveira em torno do texto de Rogério Zola Santiago a partir do projeto ETIQUETA NÃO É CARETA, da chapeleira Lenice Bismarcker. (FOTO ELIANE TORINO)
EM TEMPO: promoção de Natal para aquisição do livro: (031) 30473339 ou 32930745


GUSTAVO BRACHER EM DIÁLOGO COM NIETZSCHE
Músico mineiro apresenta, pela primeira vez, canções compostas a partir
de textos do filósofo alemão. Concerto terá convidados especiais, como o conterrâneo Aliéksey Vianna e a sérvia Lina Radovanovic
(clique na imagem para ampliá-la)


A leitura das obras de Friedrich Nietzsche afetou o músico mineiro Gustavo Bracher de forma muito particular. Ao mergulhar no universo do filósofo alemão, Bracher se viu imbuído de um espírito criador que lhe rendeu um conjunto de peças inspiradas, justamente, no pensamento nietzschiano. Isso no ano de 2006. “Considero os textos de Nietzsche muito musicais”, afirma o músico, que, no próximo dia 4 de dezembro, apresenta, pela primeira vez, o resultado desse trabalho no concerto “Brincadeira, Astúcia, Vingança e Outras Histórias”, que será realizado no Conservatório da UFMG, às 20h.
Assim como os escritos que as inspiraram, as canções que Gustavo Bracher reuniu para o concerto são, intrinsecamente, contraditórias e propõem uma viagem sonora no limite entre o lúdico e o desafiante. “Ao compor, eu busquei a dualidade da qual Nietzsche fala. Para isso, misturei, tecnicamente falando, princípios como o tonalismo e o atonalismo, espectralismo, o microtonalismo e o serialismo, procurando fazer com que esses princípios, técnicas e estilos convivessem harmonicamente, apesar de antagônicos”, explica o músico, ressaltando o caráter contemporâneo. “Um concerto constituído por obras contemporâneas de um mesmo compositor é algo raro em Belo Horizonte”, comenta ele.
“Brincadeira, Astúcia, Vingança e Outras Histórias” foi para Gustavo Bracher, artisticamente, um desconstruir para, depois, reconstruir. Explica-se: ele, que toca diversos instrumentos de cordas dedilhadas – violão, guitarra, baixo, guitarra barroca, alaúde -, decidiu que iria compor para outros instrumentos. “Quis expandir meus horizontes como compositor e instrumentista. Quando se tem muita intimidade com um instrumento, como eu tenho com os que toco normalmente, as soluções composicionais costumam vir de maneira quase automática à cabeça, parece que os dedos já sabem o caminho da roça. Não quis essas facilidades artísticas. Estudei muito outros instrumentos para saber como compor para eles e como explorá-los ao máximo. Busquei uma composição mais livre”, conta.
Ao todo, o concerto terá 10 peças, cada uma com caminho estético próprio. Tem composições para flauta solo, para piano e oboé, para trio de vozes, quarteto de cordas... Gustavo Bracher tocará apenas uma composição para violão de oito cordas. “Como nos concertos de compositores antigos, compus para músicos convidados”, explica Bracher. Assim, ele receberá no palco grandes parceiros como Aliéksey Vianna, Alexandre Barros, Mônica Pedrosa, Fernando Araújo, Guida Borgoff, o alemão Frank Hammer e a sérvia Lina Radovanovic.
A partir deste debute, Gustavo Bracher quer ampliar o caminho de “Brincadeira, Astúcia, Vingança e Outras Histórias”. “O concerto será gravado. Depois, quero gravar essas peças em estúdio”, anuncia o músico.
O ARTISTA
Gustavo Bracher iniciou seus estudos de musica e violão clássico na Fundação de Educação Artística e, posteriormente, estudou no Conservatório Mineiro de Musica. Em 1998, ingressou na Escola de Musica da UFMG, para o bacharelado em violão, no qual foi discípulo de Fernando Araújo. Estuda atualmente Composição na Escola de Musica da UFMG, depois de ter tido aulas com Jorge Antunes, Turíbio Santos e outros mestres do Brasil e do exterior – em seu currículo contam passagens pela pela Alemanha e por diversos países da América Latina, onde aprofundou seus conhecimentos e fez concertos.
Bracher ainda integra o trio instrumental Konfusion, como guitarrista, e é professor do curso de extensão em música da UFMG, na cadeira alaúde.




25 de nov de 2008

BELO HORIZONTE MUSIC STATION
a estação do som, um trem diferente

ESTAÇAO CENTRAL - BH - MG 29/11 - 13/12 - 06/12 - 20/12
saiba mais e embarque nessa:
SITE BH MUSIC STATION

RODRIGO AQUINO

O compositor, poeta, escritor e cantor, Rodrigo Aquino lança seu primeiro CD “O que você tem a dizer?”, no dia 11 de dezembro, quinta-feira, às 21h, no Teatro Dom Silvério (Av. Nossa Senhora do Carmo, 230 – Savassi – BH – MG). O disco traz 7 composições autorais, que revelam a personalidade atual, consistente e inovadora do artista. Com uma influência clara do tradicional balanço brasileiro, as canções tratam de temas peculiares extraídos do cotidiano com um misto de inteligência, irreverência e crítica – Há experimentações conscientes de ritmos e timbres sonoros, tudo criativamente bem elaborado. A produção musical e arranjos são de Alexandre da Mata, supervisão de conceitos, Nestor Sant’Anna e preparação vocal de Babaya. O show do dia 11 traz Rodrigo Aquino (direção musical, voz e violão) acompanhado pelos músicos: Alexandre da Mata (direção musical, guitarras e violão), João Márcio (direção musical e baixo), Daniel Diniz (teclados), Caio Silva (bateria), Gladsson Rocha (percussão) e Fabiano Martins (saxofone). Na mesma data entra no ar o site www.rodrigoaquino.com.br. A proposta multimídia vai mostrar os trabalhos do cantor e compositor e, ainda, seus feitos poéticos e literários. Os ingressos para o show já estão sendo vendidos na bilheteria do Teatro.


























FEIRA NACIONAL DE ARTESANATO
26 a 30 de novembro - Expominas - BH - MG
mais: CLIQUE AQUI



EM BUENOS AIRES
Juarez Moreira e a musicista carioca, radicada na Argentina, Adriana Rios, apresentam "Brasil entre mar y montãna - Jazzologia", na Sala Enrique Muiño do Centro Cultural Gral. San Martín, em Buenos Aires. O evento acontece no dia 25 de novembro, às 20h30.
No dia 29, o violonista mineiro realiza outra performance em Buenos Aires, desta vez com outro notável, do gênero: Juan Falu.

(Clique na imagem seguinte para ampliá-la e confira a programação)


21 de nov de 2008



NOSSO ETERNO REI

Após quatro anos sem vir a BH, o eterno rei Roberto Carlos se apresenta no dia 22 de novembro, sábado, às 21h30 no Ginásio do Mineirinho (Av. Abrahão Caram, 1001 - Pampulha - BH/MG). Acompanhado por sua orquestra e coral, regidos pelo maestro Eduardo Lages, Roberto Carlos vai relembrar os grandes sucessos, que marcaram sua quase cinqüentenária carreira artística. O repertório: Emoções, Como é grande o meu amor por você, Além do Horizonte, Detalhes, Outra vez, Não quero ver você triste, Eu estou apaixonado, Aquele Beijo, Splish Splash, Negro gato, Coisa bonita, O calhambeque, Eu sou terrível, Taxista, As curvas da estrade de Santos, 120...150...200... quilômetros por hora, Chuva no pára-brisa, Camioneiro, Por isso corro demais, Parei na contramão, Calhambeque, Mulher de 40, Proposta, Cavalgada, É preciso saber viver e Jesus Cristo. (FOTO LUIZ GARRIDO)

4 de nov de 2008

"HISTÓRIAS DE UM BALEIRO"

Será no dia 19 de novembro, quarta-feira, às 21h, no Teatro Alterosa (Av. Assis Chateubriand, 499 – Floresta – BH – MG), a estréia do espetáculo “Histórias de um Baleiro”, realização da Celinha Braga Oficina de Música. Trata-se de um passeio pela obra de Zeca Baleiro, um dos mais geniais e irreverentes cantores e compositores da atualidade. O musical remonta os caminhos que fizeram de Baleiro um ícone da nova MPB. Dos primeiros acordes na pequena Arari aos grandes palcos da América e do mundo, o espetáculo costura a vida do artista entre canções e textos de sua própria autoria, na interpretação de 11 cantores mineiros da nova geração, apresentando bem mais que um simples olhar para a trajetória do artista maranhense. “Histórias de Um Baleiro” é uma iniciativa da Celinha Braga Oficina de Música, com direção geral de Celinha Braga e direção artística de Allyson Vissá. A banda é formada pelos músicos: Felipe Fantoni (direção musical e contrabaixo) Luciano Soares (violão e guitarra), Tatá Sympa (acordeon e piano), Analu (percussão) Luis Patrício (bateria) e participação especial de Samir (gaita) Figurinos: Júlia Braga e Eduardo Macedo. Cenário: Sétima Produções (Carolina Oliveira). Fotografia: Birô de Idéias (Fernanda Sá Motta). No elenco de cantores: Adriana Pedersoli, Celinha Braga, Daniela Vaz, Dete Mosqueira, Edna Muniz, Juliana Melo, Allyson Vissá, Daniel Renna, Ricardo de Paula, Thiago Riquette e Vlamir Freitas. Os ingressos para o espetáculo já estão à venda na Celinha Braga Oficina de Música (Av. Alfredo Camarati, n°279 – Pampulha –BH – MG – 031 3441 3465) e na bilheteria do Teatro. (FOTO FERNANDA SÁ MOTTA)
EM TEMPO: Em encontro com Zeca Baleiro, no dia 08 de novembro, o elenco de “Histórias do Baleiro”, contou com a boa receptividade e incentivo do compositor, com grata alegria pela homenagem recebida.


9º ENCONTRO DAS LITERATURAS
de 11 a 16 de novembro, das 9h às 22h, no Chevrolet Hall
4º SEMINÁRIO BEAGALÊ, 11º ENCONTRO DA ARTE DE LER E CONTAR HISTORIAS.
HISTÓRIAS NA PRAÇA, OFICINAS, ENCONTRO COM AUTORES, TEATRO, MUSICA E MUITO MAIS.
ENTRADA GRATUITA




FORUM DAS LETRAS
Em cartaz em Ouro Preto/MG, de 5 a 9 de novembro, a 4ª edição do Fórum das Letras, idealizado pela competente Guiomar de Grammont, traz uma programação seleta e gratuita para adultos e crianças, com a proposta de promover um diálogo entre autor e público, atraves de temas que envolvem o melhor da literatura. Neste ano, uma novidade: quem não for a Ouro Preto, poderá conferir ao vivo, alguns dos debates. É só acessar o site do evento
Participe!

NÃO PERCA!



Noite dupla:
Marcelo Vouguinha lança o CD “Estrada do Tempo” e
Roberto Francisco lança o livro “Onde é lá?”
em noite de autógrafos na Cozinha de Minas


Será no dia 17 de novembro, segunda-feira, a partir das 19h30, na Cozinha de Minas (Rua Gonçalves Dias, 45 – Funcionários – BH – MG), a noite dupla de lançamentos: o poeta e compositor Marcelo Vouguinha lança o CD “Estrada do Tempo” e o cronista e poeta Roberto Francisco lança o livro “Onde e lá?”. A inusitada combinação das obras é fruto de uma amizade de trinta e dois anos, regada a muita conversa e boas doses de sonho e poesia.
“Estrada do Tempo” traz música, letras, projeto e direção de Marcelo Vouguinha, na voz de Sérgio Marques, com arranjos, execução e produção de Marin Gonzaga.
“Onde é lá?” traz crônicas escritas para um público real, colaboradores da empresa belo-horizontina PLANSIS, em um período de 100 dias. Os textos foram escritos primeiro para uma intranet, depois para a web, gerando um material colhido ao longo destes cem dias e depois revisitado, para expressar o sentido do Essencial de uma forma coesa. Na proposta do autor: uma jornada para a construção de um novo modelo de empresa, de sociedade, de equipe. (FOTO MÁRCIA FRANCISCO)































PARAOLIMPICOS EM FORTALEZA


Levando a força de Minas Gerais na bagagem, a Equipe Paraolímpica Mattioli de Natação, acompanhada por seu coordenador e técnico Ricardo Mattioli e pelo técnico Gustavo Portugal, viaja para Fortaleza-CE, onde partipará do Circuito Loterias Caixa - Brasil Paraolímpico. O evento acontecerá de 7 a 9 de novembro, sexta a domingo, no Clube Náutico União e reunirá os 140 melhores atletas da natação paraolímpica brasileira. A etapa Fortaleza vale como critério para competições internacionais que ocorrerão em dezembro e em 2009. Da equipe Mattioli, estarão presentes os paraatletas Marina Paiva, Fernanda Paiva, Filipe Esteves, Felipe Marinho, Tainara Alves e Danilo Monteiro. (FELIPE MARINHO - FOTO MARCIA FRANCISCO)