26 de mai de 2008

TATÁ SYMPA

Tatá Sympa se apresenta no Espaço Cultural Casa Aberta (Rua São Domingos do Prata, 505 - Santo Antônio – BH - MG), no dia 07 de junho, sábado, às 20h. No show, Tatá Sympa promete resgatar várias pérolas experimentadas, cantadas e vivenciadas em mais de 15 anos de carreira. Este artista completo vai do Erudito à MPB, passando pela cultura popular e serestas, interpretando com emoção, a partir de vasta formação técnica e voz diferenciada. INGRESSO: R$12,00 (doze reais)
Informações adicionais e aquisição antecipada de ingressos: (31) 33447396 (FOTO LIDIA RIOLO)

(clique nas imagens para ampliá-las)



























"ESTRADA REAL DE FLOR E FOGÃO"
“benditas as flores que meus olhos vêem, bendito o chão da liberdade, berço; benditas as águas livres dos riachos, seja bendito o verde do caminho”
“Guardei das gentes, o olhar!”

(Diva Dorothy Safe de Andrade Carneiro)

























Encerrando a programação oficial da Semana do Meio Ambiente, acontece no dia 8 de junho, domingo, às 11h, no Instituto Cultural Inhotim (Inhotim – Tamboril - Brumadinho – MG) a manhã autógrafos e lançamento do livro “Estrada Real de Flor e Fogão”, da escritora e poetisa Diva Dorothy Safe de Andrade Carneiro. A valiosa produção registra, em cores, fotografias de flores e fogões da Estrada Real, em 304 páginas, impressas em papel couché junto a poemas da autora, relacionados às imagens. Todas as flores foram classificadas pelo Jardim Botânico e Inhotim. Trata-se do quarto livro da série “Estrada Real” da autora, também juíza do trabalho, fazendeira e Mulher Caminhante da Estrada Real.
A manhã de lançamento de “Estrada Real de Flor e Fogão” contará com performance especial da professora de dança cigana Janaína Guimarães Rahal e das cantoras líricas Aline Amaral de Castro e Natália Duque Caldeira, além da presença das artistas plásticas Mariza Guerra, Virgínia Ferreira e Beth Fich, que pintarão, ‘ao vivo’, imagens relacionadas ao tema do livro.

Doutora em Direito pela UFMG, com especialização – pesquisa - em Portugal, Pedagoga pós-graduada em Educação, Juíza do Trabalho aposentada, professora universitária e Caminhante da Estrada Real, a escritora e poetisa Diva Dorothy Safe de Andrade Carneiro é autora de quatro livros: Cantos da hora e da terra – poesias (1986); Estrada Real: viagem de muitos caminhos (2003), Estrada Real: Caminhos do Espinhaço (2004) e “Roda, Sinhá!” (2007). Sua bagagem profissional e pessoal crava personalidade às impressões que compõem os livros, todas, inspiradas ou vividas nas caminhadas ativas que realiza com o grupo de Mulheres Caminhantes da Estrada Real. Diva Dorothy nasceu em Dom Joaquim e viveu sua infância e adolescência em Conceição do Mato Dentro/ MG. Ultrapassando aspectos pessoais, sua proposta literária é sensível à realidade simples, terna e a pureza da vida de uma geração atual ou tradicional que segue valorizando a vida no campo, as cidades do interior, fortalecendo a documentação histórica dos aspectos mencionados.

PS.: No dia 5 de junho, dia do meio ambiente, às 11h, Diva Dorothy também autografa seu livro, dentro da programação oficial da EXPO CACHAÇA, na Serraria Souza Pinto (BH – MG)

BOnecoTECO














O Festival Internacional de Teatro de Bonecos, em cartaz em Belo Horizonte, de 31 de maio a 8 de junho cria o primeiro "BOnecoTECO"!
A IX edição do Festival Internacional de Teatro de Bonecos promete agitar a cidade muito além dos palcos e praças. No período de 5 a 8 de junho funcionará, no tradicional Bairro de Santa Tereza, o BOnecoTECO, primeiro bar do Festival.
Criado com a proposta de ser um espaço voltado para a troca experiências entre os artistas e, também, para o simples bate-papo, a programação será especialíssima, regada a muita cerveja gelada, shows, DJs e sketes artístico-culturais. Haverá, ainda, exposição de fotos e vídeos com imagens dos festivais anteriores.
Local: Masalas Bar (Rua Mármore, 600 - Santa Tereza)
Programação:
05/06/08 - 22h
06/06/08 - 22h
07/06/08 - 22h
08/06/08 - 21h
Samba da Madrugada Kafka Instrumental (Jazz) DJ Bené Ramalho
(Sambalanço) DJ's Convidados
DJ Eclético Intervenção do boneco
Fulegarem (Fortaleza - CE) Intervenção
Dolly Piercing Oncotô convida
Dona Jandira
DJ Alexandre de Sena Unión Latina

RECOMENDO:
ONCOTÔ – O Grupo tem sua origem no Festival do Escambo, quinta edição, realizado na Casa do Conde, em 2004. É comprometido com as questões contemporâneas, e suas músicas refletem sobre os valores da atual sociedade de forma criativa e bem humorada. A formação do grupo – violões, baixo, percussão e vozes, permite uma audição bastante peculiar a partir do ecletismo de seus integrantes, que fundem ritmos e influências diversas, realçando sua originalidade e apresentando um espetáculos lúdico e dançante
DONA JANDIRA – Fez sua estréia profissional em Belo Horizonte, em 2004. No seu repertório, estão músicas de Lupicínio Rodrigues, Dolores Duran, Ataulfo Alves, Cartola e Paulinho da Viola, entre outros grandes artistas brasileiros. Excelente intérprete, possui estilo peculiar, belíssima voz e alegria contagiante. Dona Jandira atinge o público de todas as idades, encantando e emocionando a todos por onde passa. Nasceu em Maceió / AL. Mora em Ouro Branco/MG, onde é artesã.
(FOTO EDA COSTA/ GILBERTO E DONA JANDIRA - DIVULGAÇÃO ONCOTÔ)

VIVA ITALIA
(clique na imagem para ampliá-la)
INGRESSO: 1 quilo de alimento não-perecível

(clique na imagem para ampliá-la:)


“MEXENDO COM A LÍNGUA”

Com entrada franca, será no dia 09 de junho, segunda-feira, a partir das 19h, na Cozinha de Minas (Rua Gonçalves Dias, 45 – Funcionários – BH – MG), a noite de autógrafos e lançamento da Revista “Mexendo com a Língua”, do Professor Helinho. Com 64 páginas, a Revista tem como proposta ser essencial para quem deseja e necessita uma atualização da Língua Portuguesa, com objetivo de atingir um nível de comunicação escrita eficaz e correta ou preparar-se para concursos. O conteúdo traz loteria ortográfica, escorregões da imprensa, solução comentada de opção por opção de provas oficiais.
Autor dos livros “Colocando o Português em dia” (9ª edição), “Entre socos e afagos – as relações conflituosas entre a mídia e a língua portuguesa”, “Na ponta da língua”, nome de livro e de coluna diária em jornal local e de “Consultório Lingüístico” (em fase de produção), o Professor Helinho idealizou e coordena o Curso de Língua Portuguesa Língua Pátria, há 22 anos, com sede na capital mineira (Av. Contorno, 4475 – Serra – BH – MG) e programas específicos para instituições públicas e privadas.
“Leve o Helinho para a casa e aprenda português brincando”
(Professor Helinho)
Com periodicidade mensal, a Revista “Mexendo com a língua” será vendida em bancas e livrarias pelo preço de R$10,00 (dez reais). Preço especial para o dia do lançamento: R$8,00 (oito reais). (FOTO MARCIA FRANCISCO)


(clique na imagem para ampliá-la)

























QUEBRANDO O ENCANTO
O programa de Atualização Cultural para Lideranças – Ano XII, promovido pela Academia Cultural – Universidade Complementar do Instituto Orior, apresenta no dia 29 de maio, quinta-feira, das 19h30 às 22h30 o tema 'A Natureza, o Homem e suas Formas de Expressão' . Para este encontro que vai abordar a obra 'Quebrando o encanto - A religião como fenômeno natural' / Daniel C. Dennet / Globo, o facilitador é o pesquisador da evolução do pensamento científico ao longo da história da humanidade e membro da Academia Cultural, Thadeu Antônio Furtado. O evento acontecerá no Conservatório da UFMG (Av. Afonso Pena, 1534 – Centro – BH – MG.

Quebrando o encanto - A religião como fenômeno natural
/ Daniel C. Dennet / Globo (Tema: A Natureza, o Homem e suas Formas de Expressão / Facilitador: Thadeu Antônio Furtado) - Discute a crença humana nas religiões a partir de uma questão fundamental - por que o homem crê na existência de seres superiores e lhes confere o estatuto de divindade? Quem espera uma resposta biologizante, ou seja, a defesa da idéia de que a religiosidade é inata ao ser humano e, portanto, poderia ser explicada geneticamente, vai se surpreender com livro. Na verdade, Dennett defende a tese de que a humanidade não tem nenhuma programação biológica que a conduza à crença, mas, no entanto, esse comportamento pode ser explicado a partir do processo de evolução e seleção natural. Em vez de genes, Dennett utiliza o conceito de 'meme', cunhado por Richard Dawkins - o meme é como um programa de computador adaptado ao aparelho biológico humano e que depende dele para continuar existindo. Ou seja, a religião é apreendida culturalmente, mas está de tal forma arraigada no 'sistema operacional' (genético) humano, tal qual um parasita, que é naturalizada pelos próprios humanos como se fosse algo que lhes pertence intrinsecamente. O problema, para Dannett, é que a religião, diferente de outras memes, como a cultura democrática ou a própria ciência, não teria mais nenhum papel na evolução humana. Diferente de outros tempos, quando foi fundamental para que os seres humanos conseguissem atingir coesão social e pudessem dar sentido tanto a sua própria vida como seu maior medo - a morte -, a religião agora perdeu sua função positiva e, pelo contrário, significa uma barreira para a evolução. O livro de Dennett se insere em um dilema humano que está longe do seu fim. Trata-se de uma obra de divulgação científica e de reflexão filosófica que busca criar um debate ativo entre ateus e religiosos.
Inscrições e informações adicionais: (0xx31) 3297 7428

(clique na imagem para ampliá-la)

23 de mai de 2008



























CELEBRANDO VALORES DA TERRA
Salve Bemol, Salve a familia Cheib!
(clique para ampliar)



RADIODIFUSÃO
Nos dias 26, 27 e 28 de maio, segunda à quarta, a Associação Mineira de Rádio e Televisão – AMIRT - promove seu 9º Congresso Mineiro de Radiodifusão com o objetivo de informar e preparar o radiodifusor sobre as principais inovações e outras questões ligadas ao setor. O encontro será no Hotel Grandarrell, em Belo Horizonte. Informações adicionais: 31 32745700


BALADA PARA UN LOCO
Hufo Herrera e Sylvia Klein





KID GEORGE ISRAEL

Completando 25 anos de carreira, George Israel aproveita as férias sabáticas do Kid Abelha e lança em Belo Horizonte o segundo cd solo "Distorções do meu Jardim", com várias participações especiais. Confira detalhes:



15 de mai de 2008

BIENAL DO LIVRO DE MINAS
Aberta!
De 15 a 25 de maio, no Expominas - Gameleira - BH - MG
Confira a programação no site oficial e participe!

ALINE CALIXTO

A cantora Aline Calixto se apresenta neste sábado, 17 de maio, a partir das 15h30, na Cozinha de Minas, no Projeto “Samba na Cozinha”. (R. Gonçalves Dias, 45, Funcionários - BH -MG 31 3227-1579). A proposta é uma super roda de samba coordenada pela voz alto astral e personalidade marcante da intérprete. Ingressos: R$10,00 (dez reais - masculino/ R$8,00 - feminino)

CASA ABERTA


A Babaya Escola de Canto inaugura, o espaço cultural “Casa Aberta”. O novo espaço da cidade, propõe boa música e será inaugurado no dia 16 de maio, sexta-feira, 20h, com o show “Singelo e Simples”, de Babaya e Nestor Sant’Anna.

Nosso pátio já se transformou em palco para muitos projetos como: CANTO EM QUALQUER CANTO com as cantoras Camila Jorge, Mariana Brant e Regina Milagres (professoras da Escola) entre outras; JAM SESSION dirigido por Marina Machado; SEXTA NA CANJA que contou com as presenças ilustres de Milton Nascimento, Vander Lee, Regina Souza, Thelmo Lins entre outros; CANTORIA e ENSAIO ABERTO. Muitos cantores consagrados, alunos e ex-alunos se apresentarão dando vida a este espaço cultural seja com a música, com a dança, com a literatura ou teatro.Agora é a vez do projeto NOVOS TALENTOS.ocupar este espaço. Você é o nosso principal convidado para que o sonho se concretize. Sua presença e seu aplauso são nossos estímulos! (Babaya)

PROGRAMAÇÃO DE MAIO
- 16, sexta-feira, 20h - estréia com Babaya e Nestor Sant´Anna - “Singelo e Simples”

- 30, sexta-feira, 20h – Solange Avelar

Local: Espaço Cultural “Casa Aberta”

Ingresso: 12,00 (vendas antecipadas ou na portaria da Escola)

Babaya Escola de Canto

Rua São Domingos do Prata, 505 – Santo Antonio – BH –MG - (031) 33447396

SOBRE O SHOW “SINGELO E SIMPLES”
Ela, cantora, preparadora vocal e proprietária da Escola de Canto que leva o seu nome. Ele, jornalista, músico, produtor cultural e fonográfico. Amigos há mais de 25 anos e parceiros de inúmeras produções de sucesso, os dois, que em reuniões e ocasiões informais se apresentavam juntos, decidiram levar para o palco um pouco do que fazem na música. No show, Babaya canta e Nestor toca piano, acordeon e marimba de vidro, mostrando um repertório que justifica o "singelo e simples". Músicas de domínio público: Casinha Pequenina, Se esta rua fosse minha e Cuitelinho constam do roteiro musical, acrescido de alguns textos e de outros sucessos de todos os tempos, como Serra da Boa Esperança, Carinhoso, Cantar, Caso de amor, Assum Preto, Pau de Arara e muitas outras que vão fazer o público ter o prazer do cantar junto.

“Recomendamos esse espetáculo para maiores de 39 anos!”

(Babaya e Nestor Sant’Anna)

“Singelo e Simples” traz participação especial de Wagner Tiso (piano) e de Serginho Silva (percussão), em playback e de Isac Sousa(flauta doce).(FOTO DANIEL MANSUR)

3 de mai de 2008



HOLIDAY ON ICE
Após 12 anos, estará de volta ao Brasil um dos maiores espetáculos da Terra: o Holiday on Ice, da companhia que há 65 anos vem deslizando pelos sonhos e imaginação de geração após geração de públicos ao redor do mundo. Na sua temporada brasileira de 2008, que irá de março a junho, o Holiday on Ice apresentará o show “Pernalonga e seus Amigos na Volta ao Mundo em 80 Minutos”, baseado no best seller de Júlio Verne, “A Volta ao Mundo em 80 Dias”. Nesse espetáculo, que reúne mais de 30 dos melhores patinadores no gelo do mundo, Pernalonga, Piu-Piu, Frajola e Patolino (Bugs Bunny, Tweety, Sylvester e Daffy Duck, respectivamente) fazem uma alucinante corrida ao redor do mundo em 80 minutos. Eles competem pelo primeiro lugar nessa louca corrida através dos cinco continentes. Dos Estados Unidos ao México, do Brasil à Austrália, da China à Índia, passando por África, Rússia e França, os nossos amigos irão cruzar-se com outros divertidos personagens como Ligeirinho, Papa-Léguas, Gaguinho e Coiote. Uma gigantesca estrutura será montada no Ginásio do Mineirinho, para transportar o público por uma imaginária volta ao mundo. Duas pistas de gelo, mais de 60 toneladas de equipamentos de áudio e luz, e cerca de uma centena de profissionais garantem a beleza do show, que retrata a diversidade cultural de diversos países, através de seus coloridos cenários e figurinos.
EM BH: de 08 a 11 de maio, no Mineirinho - Pampulha - BH - MG


(clique na imagem para ampliá-la)

ESTRADA REAL DE VILLA RICA




‘Estrada Real’ é sinônimo de natureza, cultura e arte. De história e estórias. Das Minas e do Brasil. Em sintonia com os passos e os caminhos que ajudaram a formar nossa gente, o músico mineiro Celso Adolfo extraiu poesia de sua matéria-prima, a estrada, e agora, após três anos, apresenta o resultado de sua mais pura labuta. “Estrada Real de Villa Rica”, disco que conta com o patrocínio da Cemig e Minas-Brasil Seguradora, via Lei Rouanet, será lançado em Belo Horizonte, dentro da programação do projeto “Sempre Um Papo”. Dia 6 de maio, terça-feira, às 19h30, no Auditório da Cemig (Av. Barbacena, 1.200, Santo Agostinho). A entrada é franca.
Baseado nos destinos do ouro e do diamante mineiros dos séculos 18 e 19, o trabalho é um convite para além das próprias letras e melodias. Composto por 18 canções inéditas, “Estrada Real de Villa Rica” não só fez uso do talento e criatividade de seu dono, como também serviu para juntar Juarez Moreira, Leo Minax, Angelo Oswaldo, Álvaro Apocalypse e Iuri Popoff em oito parcerias com Celso Adolfo, todas nascidas sob forte influência das cores e climas de Minas. Para participar da faixa “Canoa do Guaicuí”, Celso Adolfo convidou os músicos Renato Braz, Vander Lee, Maurício Tizumba, Fernanda Takai, Regina Souza, Marina Machado, Alexandre Az, Pedro Morais e Affonsinho. As intérpretes Vanessa Falabella e Danuza Menezes participaram em outras duas faixas.
Cada canção, conta Celso, representa uma nuança da época. Ambição, riqueza, medo, traição, infortúnios, poesia, ambiente geográfico, ânimo religioso e mais tantas outras circunstâncias históricas fazem parte de uma pesquisa atenta, um lúcido registro histórico. “Estrada Real de Villa Rica”, em total sintonia com suas flautas, cravo, violão e baixo acústico, pretende causar surpresas. Uma modinha do século 19, descoberta em Diamantina, letrada por Celso Adolfo e gravada a partir de sua partitura original é uma delas. Quanto às outras 17 canções, só mesmo ouvindo-as, atentamente. (FONTE TEXTO E FOTO: site Sempre um Papo
visite e concorra ao novo disco de Celso Adolfo.)
EM TEMPO:
Na Folha de São Paulo, em 02/05/08, Irineu Franco Perpétuo publicou a seguinte crítica:

Os passos dessa estrada partem do Clube da Esquina, mas fazem escala no mundo da modinha e nas veredas do grande sertão.
Em 57 minutos de música, divididos por 18 canções, Celso Adolfo realiza uma visita contemporânea, e com sotaque mineiro, ao passado colonial brasileiro, em "Estrada Real de Villa Rica".
Autor de trilhas sonoras para o Giramundo, grupo de teatro de bonecos de Álvaro Apocalypse, Celso Adolfo, 55, estreou em 1983 com "Coração Brasileiro", produzido por Milton Nascimento, que também gravou a canção-título do álbum no disco "Anima" (a música ainda seria registrada por Elba Ramalho, dando nome a um LP da cantora paraibana).
Trabalhando com elementos da tradição oral mineira, como a folia, o catupês e o cateretê, Celso Adolfo se lança à ambiciosa tarefa de fazer uma descrição poético-musical do Caminho Novo, a via aberta construída entre 1698 e 1707 pelo bandeirante Garcia Rodrigues Paes (filho de Fernão Dias) para ligar o Rio de Janeiro a Minas Gerais, substituindo, com ganhos de segurança e velocidade, o Caminho Velho (que dava em Paraty).
Para dar conta da empreitada, o músico lança mão de um vasto arcabouço poético, que inclui citações a Castro Alves ("O Navio Negreiro"), Guimarães Rosa (um trecho de "Grande Sertão: Veredas") e até a estrofe de um batuque de domínio público.
Violino e viola caipira
A variedade dos versos, coerentemente, encontra eco nas sonoridades de "Estrada Real de Villa Rica" -Celso Adolfo chega a colocar letra em uma modinha anônima encontrada em Diamantina, no século 19.
Instrumentos "eruditos", como o cravo, o violino e a flauta doce, convivem com o dedilhado rasgado da viola caipira e com efeitos de guitarra e teclados eletrônicos, assim como o melodismo singelo e a rítmica pronunciada do sertão caminha ao lado de harmonias "modernas" e urbanas no estilo Clube da Esquina.
Com participações breves e pontuais de Renato Braz, Vander Lee e Fernanda Takai, entre outros, o disco, conduzido pelo vocal sóbrio e sem afetação do próprio Celso Adolfo, se deixa ouvir de maneira agradável mesmo por quem não tem especial ligação com a cultura de Minas Gerais.
ESTRADA REAL DE VILLA RICA
Gravadora: Sonhos & Sons
Quanto: R$ 28,90, em média
Avaliação: bom "